Dimmu Borgir: Ainda soando atual após 16 anos

Resenha - Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
ENVIAR CORREÇÕES  

Nota: 9

É indiscutível, que a banda norueguesa Dimmu Borgir, seja o principal pilar da vertente sinfônica do Black Metal, com composições de estonteante qualidade, além de uma postura visionária e corajosa, que nunca os impediu de seguir aperfeiçoando sua musicalidade. Em menos de 10 anos, já no início dos anos 2000, a banda já ostentava imenso prestígio mundial, e com ‘Puritanical Euphoric Misanthropia’, conseguiram chocar mais uma vez, seus apreciadores e críticos.

Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeoAlice in Chains: mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs Here

Vindo de uma seqüencia de trabalhos impecáveis nos anos 90, e sucedendo o sombrio e magnífico ‘Spiritual Black Dimensions’ (1999), o quinto disco oficial da carreira, lançado pela Nuclear Blast, apresentava uma nova formação, com a entrada do técnico baterista inglês Nick Barker (ex-Cradle of Filth, Lock Up) no lugar de Tjodalv; do guitarrista Galder (Old Man´s Child), substituindo o australiano Astennu, além da efetivação de ICS Vortex no baixo e vocais limpos, no lugar de Nagash. A sonoridade manteve a agressividade, porém com passagens menos sombrias, mas ainda mais viajantes e até experimentais e refinadas, em determinados momentos.

Ao se deparar com a pomposa introdução ‘Fear and Wonder’, o ouvinte da época teve certeza que o lado sinfônico não foi deixado de lado, mas sim ainda melhor encaixado, No entanto, com a chegada de ‘Blessings Upon the Throne of Tyranny’, a pancadaria o fez lembrar de novo do Black Metal – atualizado ao Novo Milênio – com influencias do Death Metal, em riffs cortantes, velocidade e técnica instrumental apurada. Ainda com inúmeras surpresas, o disco segue com ‘Kings of the Carnival Creation’, e seu marcante refrão, cantado por Vortex, ‘Hybrid Stigmata – The Apostasy’, que também conta com climas sinistros, que inclusive remetem de longe, aqueles parques de diversão macabros.

"Puritania" é a faixa mais diferente do trabalho – quiçá de toda a carreira da banda – já que rumou para um terreno Industrial (!)… Entretanto, o "susto" passa com a agressiva "IndoctriNation", e as restantes que fecham o disco (oficialmente) "The Maelstrom Mephisto", "Absolute Sole Right", "Sympozium" (ambas no mesmo mix entre fúria e passagens trabalhadas) e a instrumental "Perfection or Vanity" – que a grosso modo, pode ser interpretada como uma espécie de "complemento" para "Fear and Wonder".

A versão que escrevo, é nacional, e ainda conta com dois bônus especiais: O famoso (e dispensável) cover para "Burning in Hell", da banda estadunidense de Hard Rock Twisted Sister, e uma versão ao vivo, bem bacana e fiel, para a majestosa "The Insight and the Catharsis", presente na obra anterior.

Lançado em março de 2001, ‘Purithanical Euphoric Misanthropia’ – que até hoje soa atual, dinâmico e inovador – foi gravado, mixado e masterizado na Suécia, por Fredrik Nordström e contou com a participação da The Gothemburg Opera Orchestra, composta de treze músicos e conduzida por Gaute Storås (que retornaria em ‘Death Cult Armageddon’ e ‘Abrahadabra’). A arte de capa, por sua vez, ficou por conta de Alf Børjesson (que faleceu em 2012), com layout do renomado Thomas Ewerhard. Simplesmente, soberbo!

Formação:
Shagrath (vocal e sintetizador);
Silenoz (guitarra);
Galder (guitarra – solo);
Vortex (baixo e vocal limpo);
Nicholas (bateria e percussão);
Mustis (teclado, sintetizador e samples)

Faixas:
01. Fear and Wonder (Instrumental)
02. Blessings Upon the Throne of Tyranny
03. Kings of the Carnival Creation
04. Hybrid Stigmata – The Apostasy
05. Architecture of a Genocidal Nature
06. Puritania
07. IndoctriNation
08. The Maelstrom Mephisto
09. Absolute Sole Right
10. Sympozium
11. Perfection or Vanity (Instrumental)
12. Burn in Hell (Twisted Sister Cover)*
13. The Insight and the Catharsis (Live)*


Outras resenhas de Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir

Resenha - Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir Resenha - Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir Resenha - Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir Resenha - Puritanical Euphoric Misanthropia - Dimmu Borgir


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Dimmu Borgir: Puritanical Euphoric Misanthropia analisado em vídeo

Dimmu Borgir: Não sou fã do Korn, mas respeito-os...Dimmu Borgir
"Não sou fã do Korn, mas respeito-os..."

Dimmu Borgir: Silenoz se considera um satanista?Dimmu Borgir
Silenoz se considera um satanista?


Alice in Chains: mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs HereAlice in Chains
Mensagem subliminar na capa de The Devil Put Dinosaurs Here

Metallica: ouça Nothing Else Matters em escala maiorMetallica
Ouça "Nothing Else Matters" em escala maior


Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin