Age of Artemis: Firmando banda como uma das principais no estilo

Resenha - Waking Hour - Age of Artemis

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Desde o lançamento do debut "Overcoming Limits" (2011) muitas coisas aconteceram no Age of Artemis, principalmente com o vocalista Alírio Netto. Desde boatos em ingressar como 'frontman' do Angra até participar da versão brasileira do musical Jesus Cristo Superstar (ao lado de Igor Rickli e Negra Li), colocaram bastante o nome do cantor em pauta.

Age of Artemis: Pedro Campos canta "Helping Hand" em estúdioSociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teórica

Tudo parecia ter deixado o Age of Artemis de lado, até que a banda aparece com este "The Waking Hour" mostrando uma evolução impressionante em relação ao primeiro disco, além de um amadurecimento natural e que o quinteto só estava 'se fingindo de morto, para... enfim'.

Desde a parte instrumental e sua mistura de Power com Prog Metal, passando pelos arranjos intrincados e encaixados na medida certa, até os vocais de Alírio que aqui prova que é sim um dos melhores do estilo no Brasil e talvez o mais versátil da atualidade, tudo soa equilibrado.

Desde as guitarras de Gabriel "T-Bone" Soto e Nathan Grego, com bons riffs e solos bem elaborados, até a cozinha de Giovanni e Pedro Sena com uma coesão perfeita, servindo de estrutura básica para as composições. Alírio une agressividade e sutileza como poucos, variando bastante seu timbre.

Após a introdução Penance, a trinca inicial é soberba! Under the Sun é um hit certo e o flerte com a música brasileira na inclusão de tamborins na percussão foi uma ótima sacada (flertes que retornam na faixa Childhood), sendo que Broken Bridges mantém a energia e a faixa título é um Prog agressivo com quebradas excelentes.

Hanger and Shame, a balada Your Smile, trazendo facetas da MPB, New Revolution e a bônus Take Me Home (retirada do primeiro álbum) em versão piano, também merecem menção. A primorosa produção colaborou muito com a sonoridade da banda e a arte da capa é de tirar o chapéu. Sem dúvidas um dos melhores álbuns do ano.

http://www.ageofartemis.com.br/
https://www.facebook.com/ageofartemis


Outras resenhas de Waking Hour - Age of Artemis

null



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Age Of Artemis"


Age of Artemis: Pedro Campos canta "Helping Hand" em estúdioAge of Artemis: faixa do Virgo em tributo a Andre MatosAge of Artemis: ouça cover de "No Need To Have An Answer" do Virgo

Vocalistas: alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso MetalVocalistas
Alguns que poderão ser os novos ídolos do nosso Metal


Sociedade Alternativa: Fama proporcional à escassez teóricaSociedade Alternativa
Fama proporcional à escassez teórica

Megadeth: O recadinho provocante da vocalista do HuntressMegadeth
O recadinho provocante da vocalista do Huntress

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Mike Mangini: um dos bateristas mais rápidos do mundo?Fotos de Infância: Bon Scott, do AC/DCSystem Of a Down: baterista de 9 anos detonando "Toxicity"Guns N' Roses: DJ Ashba não sabia que os haters eram tão brutais

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.