Matérias Mais Lidas

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem

James Hetfield: dez das músicas favoritas do vocalistaJames Hetfield
Dez das músicas favoritas do vocalista

Vocalistas: 12 velhinhos que ainda mandam muito bem ao vivoVocalistas
12 "velhinhos" que ainda mandam muito bem ao vivo

Steve Hackett: ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metalSteve Hackett
Ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metal

Iron Maiden: cantora americana alega ser filha ilegítima de Bruce DickinsonIron Maiden
Cantora americana alega ser filha ilegítima de Bruce Dickinson

Doug Aldrich: explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn HughesDoug Aldrich
Explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn Hughes

O Pestinha: o que o ator mirim do filme tem a ver com rock?O Pestinha
O que o ator mirim do filme tem a ver com rock?

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Bon Jovi: por que o mandaram tocar com Kiss e Judas Priest em vez de Bryan AdamsBon Jovi
Por que o mandaram tocar com Kiss e Judas Priest em vez de Bryan Adams

Nirvana: músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTokNirvana
Músico canadense muito parecido com Kurt Cobain faz sucesso no TikTok

AC/DC: monge budista grava cover inusitado de Thunderstruck, com direito a meditaçãoAC/DC
Monge budista grava cover inusitado de "Thunderstruck", com direito a meditação

Van Halen: a diferença entre David Lee Roth e Sammy Hagar, segundo Alex Van HalenVan Halen
A diferença entre David Lee Roth e Sammy Hagar, segundo Alex Van Halen

AC/DC: por que Bon Scott não era só um bêbado lunático, segundo ex-baixistaAC/DC
Por que Bon Scott não era só um "bêbado lunático", segundo ex-baixista

Yngwie Malmsteen: Joe Lynn Turner fala sobre ego do guitarristaYngwie Malmsteen
Joe Lynn Turner fala sobre ego do guitarrista

Metallica: Veja números impressionantes da carreira (vídeo)Metallica
Veja números impressionantes da carreira (vídeo)


Matérias Recomendadas

Queen: algumas curiosidades sobre a bandaQueen
Algumas curiosidades sobre a banda

Metallica: prejudicando as finanças da Igreja UniversalMetallica
Prejudicando as finanças da Igreja Universal

Slayer: assista Ivete Sangalo cantando Dead Skin MaskSlayer
Assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"

A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars
A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars

Stratovarius: em turnê pelo Brasil, guitarrista reclama da cerveja localStratovarius
Em turnê pelo Brasil, guitarrista reclama da cerveja local

Tunecore
Malvada

Flying Colors: Menos pop, mais prog

Resenha - Second Nature - Flying Colors

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Doctor Robert
Enviar Correções  


Menos pop, mais prog. Essa é a principal impressão passada pelo Flying Colors em seu segundo registro de estúdio: parece que o supergrupo abraçou de vez sua verve progressiva, deixando um pouco de lado a identidade criada no primeiro álbum, de produzir música acessível de qualidade. Se no disco de estreia o quinteto parecia trabalhar mais em prol da música para ser cantada junto, desta vez resolveram se esmerar mais nos arranjos e mostrar mais suas qualidades como instrumentistas. Segundo o baterista Mike Portnoy, eles nunca pararam para discutir o direcionamento que o álbum teria: "apenas fizemos o que fazemos". Para um trabalho que começou a ser composto via Skype (devido aos compromissos dos músicos com suas outras bandas), o resultado final não deixa de impressionar.

Produzido pela própria banda, e contando com arte gráfica de Hugh Syme (Rush, Dream Theater, Megadeth) na capa e encartes, "Second Nature" já escancara os novos rumos na abertura com "Open Up Your Eyes" e seus 12 minutos de um instrumental de alta qualidade: Dave LaRue e Mike Portnoy arrebentando na introdução, Neal Morse viajando durante toda ela em seus teclados e emuladores de melotron... Fica a sensação de se estar ouvindo uma música do Transatlantic, tamanha a diferença do que nos habituamos a ouvir do grupo. Mas não se assuste, é um grande tema – afinal, diferente não significa ruim, ok?

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A segunda faixa, "Mask Machine", foi a primeira a ser divulgada dias atrás através de vídeo clipe. Com algumas pitadas de Muse (a começar pelo baixo cheio de efeitos na introdução), parece ser uma sequência melhorada de "Shoulda Coulda Woulda" (do primeiro disco), ficando cada vez mais nítido ao ouvinte que aqui não teremos nenhuma "Kayla" ou "The Storm". O que então vem a seguir?

Bom, é a partir da terceira faixa que "Second Nature" vai ficando cada vez melhor: "Bombs Away" traz uma grande interpretação de Casey McPherson com seus vocais dramáticos, e um solo excepcional do grande Steve Morse. Neal Morse também brilha, mostrando toda sua influência de Genesis e Tony Banks no solo de teclado.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"The Fury Of My Love" resgata o clima intimista das belas baladas do primeiro disco, com um feeling à flor da pele em mais um belo trabalho de McPherson e dos dois Morses. "A Place in Your World" merece destaque, lembrando em sua introdução ecos do Yes da década de 1980 (com Trevor Rabin) e do Kansas. Aqui Neal Morse divide os vocais principais com Casey McPherson, sobrando ainda espaço para Portnoy soltar a voz na ponte antes do solo. Grande momento!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Lost Without You" é a faixa mais curta e com mais cara de "single" para rádios. Boa, mas um momento menor. "One Love Forever", a faixa seguinte, traz um clima totalmente diferente, meio celta com melodias exóticas e marcantes, e é seguida pela belíssima "Peaceful Harbor", de longe uma das melhores de todo o disco, tema grandioso que culmina com um coral gospel ao seu final.

Encerrando tudo, outra pérola: "Cosmic Symphony", exuberante e épica suíte dividida em três partes, no melhor estilo progressivo clássico, desfilando em seus 11 minutos um pouco de tudo o que o Flying Colors faz de melhor – instrumental de qualidade, vocais primorosos, melodias para se cantar junto, descambando num final bluesy e sentimental, em outro show à parte de Steve Morse. Uma baita música!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Alguns podem dizer que "Second Nature" não chega a ser tão bom quanto o trabalho de estreia – e realmente não é. Mas ficar preso a essas comparações seria injustiça com este lançamento. O abandono da levada mais pop mudou um pouco a identidade do Flying Colors. Porém, isso sinaliza também que o grupo não se ateve a uma fórmula pronta, o que é bem positivo, pois evita comodismos e clichês. Impressiona pela qualidade das composições e pela química dos músicos, que mesmo com tão pouco tempo para se reunirem, conseguiram lançar um dos melhores discos do ano.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quem já era fã vai gostar, com certeza. Quem torceu o nariz da primeira vez, não vai ser agora que mudará de opinião...

Flying Colors – Second Nature

Produzido por Flying Colors

• Steve Morse – guitarra, violão
• Casey McPherson – vocais, guitarra
• Neal Morse – teclados, vocais
• Dave LaRue – baixo
• Mike Portnoy – bateria, vocais

Músicos convidados:
• The McCrary Sisters – vocais de apoio em "Peaceful Harbor" e "Cosmic Symphony"
• Chris Carmichael – cordas em "The Fury of My Love" e "Peaceful Harbor"
• Shane Borth – cordas em "Bombs Away"
• Eric Darken – percussão em "One Love Forever"

Faixas:
1. "Open Up Your Eyes" (12:24)
2. "Mask Machine" (6:06)
3. "Bombs Away" (5:03)
4. "The Fury of My Love" (5:10)
5. "A Place in Your World" (6:25)
6. "Lost Without You" (4:46)
7. "One Love Forever" (7:17)
8. "Peaceful Harbor" (7:01)
9. "Cosmic Symphony" (11:46)
• I. "Still Life of the World"
• II. "Searching for the Air"
• III. "Pound for Pound"


Outras resenhas de Second Nature - Flying Colors

Flying Colors: Mais progressivo e mais entrosado

Flying Colors: Grupo continua bom trabalho e encontra identidade


Dead Daisies
Stamp
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Mike Portnoy: renda de Spotify no ano todo mal paga um jantar; veja valoresMike Portnoy
Renda de Spotify no ano todo mal paga um jantar; veja valores


Mike Portnoy: renda de Spotify no ano todo mal paga um jantar; veja valoresMike Portnoy
Renda de Spotify no ano todo mal paga um jantar; veja valores


Voz: 10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)Voz
10 músicos que cantam tão bem quanto os vocalistas de suas bandas (Parte I)

Guns N' Roses: ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicasGuns N' Roses
Ex-guitarrista admite que era difícil tocar as músicas


Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.