RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemPor que Lemmy odiava tocar "Ace of Spades" nos shows do Motörhead

imagemRolê aleatório: Geoff Tate e Rhapsody se divertem em aeroporto no aeroporto

imagemEx-guitarrista do Megadeth não liga para Mustaine e diz que está "fazendo dinheiro para ele"

imagemMike Portnoy comprou "Piece Of Mind", do Maiden, em excursão escolar

imagemQual era a opinião de Tony Iommi sobre Ozzy Osbourne solo e Randy Rhoads em 1984?

imagemA medida extrema que Dio pensou em tomar por não curtir "Rainbow in the Dark"

imagemOs 10 maiores álbuns da história do grunge, em lista do Brave Words

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemPaul McCartney quase foi atropelado ao tentar recriar famosa cena de capa de disco


Espantalho: Disco representa muito bem o melhor do rock nortista

Resenha - Espantalho - Espantalho

Por Mário Orestes Silva
Postado em 28 de julho de 2014

Resenhar o CD de uma banda conterrânea não é tão difícil. O problema é manter-se imparcial quando há amigos pessoais dentre os músicos. Mais ainda quando o carisma tem reconhecimento unânime.

A Espantalho conseguiu algo que nenhuma outra banda conseguiu em Manaus. Fazer o público cantar em coro, senão todas, mas a maioria das músicas. O que é melhor, músicas próprias. Eis que no ano de 2003 eles conseguem lançar o primeiro CD deles. O homônimo trabalho pôde não ter a produção merecida e que sempre faz falta no disco de estréia de um grupo musical (ainda mais os nortistas), mas a qualidade das composições não deixa nada a dever para os grandes nomes do rock nacional.

"Colar De Estrelas" abre a bolachinha com um bom pique e um astral muito elevado. A letra poética evidencia o acentuado teor artístico nas inspirações das composições. "Desde o Berço" é a segunda, e deixa claro a qualidade que será mantida no restante das músicas. Esta canção não era muito notada pelo público, mas hoje é uma das mais pedidas nos shows. Em terceiro lugar vem o primeiro hit da banda "Red". Acompanha o grupo desde o início e já virou até cover tocada pela conceituada "Several". A letra depressiva mostra a influência do grunge. Em seguida vem "O Extraordinário". Outra com um bom astral. A falta de interpretação pode acusar de pessimismo a letra, mas no fundo ela é extremamente incentivadora para a auto superação. "Qual É" é a próxima, que também tornou-se um hit e sua letra ganha até mesmo outras gerações que não curtem rock. "Patchulí" vem em sequência e é a melhor do disco. Uma pérola do rock manauara. Incrível o nível poético dela. O andamento, a letra inteligente a linda vocalização. Enfim, um conjunto de sutilezas que mostra o grande momento de inspiração desta composição.

"Amanhecer Dirigindo" é o maior hit da banda. Uma balada com uma letra onde a identificação com muitas pessoas é direta. Cantada praticamente em uníssono nos shows, já foi usada até como fundo de propaganda de televisão. "Balas De Titânio" é a mais fraca do disco e nem por isso deixa de ser uma grande música. Letra pacifista. "Lágrimas Das Nuvens" foi escrita como um tributo a uma amiga nossa que se foi deixando um amigo viúvo e uma linda filha. Belíssima balada que chega a molhar os olhos de quem conheceu o eterno bom humor da amiga homenageada.

"Overdrive" fecha o CD sendo a única cantada em inglês. Bom exemplo de uma música lado B. Desprezada por ser em outro idioma que não é cantado pelo público, mas ganha o gosto daqueles que sabem reconhecer uma boa canção. Mostra a forte influência de Alice In Chains.

Em suma, um disco que representa muito bem o melhor do rock nortista e pode deixar impressionado aquele que subestima o que pode ser criado por aqui. No mínimo uma audição obrigatória para quem deseja conhecer a nata de nossa criatividade rockeira.

Dez anos depois eles lançam o segundo disco intitulado "Volver", mas isso é assunto pra outra resenha.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Orestes Silva

Deuses voavam pela Terra numa nave. Tiveram a idéia de aproveitar um coito humano e gerar uma vida experimental. Enquanto olhavam, invisíveis ao coito, divagavam: - Vamos dar-lhe senso crítico apurado pra detratar toda sua espécie. Também daremos dons artísticos. Terá sex appeal e humor sarcástico. Ficará interessante. Não pode ser perfeito. O último assim, tivemos de levar à inquisição. Será maníaco depressivo e solitário. Daremos alguns vícios que perderá com a idade pra não ter de morrer por eles. Perderá seu tempo com trabalho voluntário e consumindo arte. Voltaremos numas décadas pra ver como estará. Assim foi gerado Mário Orestes. Décadas depois, olharam como estava aquela espécie experimental: - O que há de errado? Porque ele ficou assim? Criamos um monstro! É anti social. Acumula material obsoleto que chamam de música analógica. Renega o título de artista pelo egocentrismo em seus semelhantes. Matamos? - Não. Ele já tentou isso sem sucesso. O Deixaremos assim mesmo. Na loucura que criamos pra vermos no que dará, se não matarem ele. Já tentaram isso, também sem sucesso. Então ficará nesse carma mesmo. Em algumas décadas, voltaremos a olhar o resultado. Que se dane.
Mais matérias de Mário Orestes Silva.