King Crimson: Primeiro disco definiu as bases do prog rock

Resenha - In The Court Of The Crimson King - King Crimson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Flávio Siqueira
Enviar Correções  


O King Crimson — "Rei Escarlate", em tradução literal — foi formado em 1969 e contava com o guitarrista Robert Fripp, o baixista e vocalista Greg Lake, o baterista Michael Giles, o letrista Peter Sinfeld e o multi instrumentista Ian McDonald, que tocava flauta teclado, saxofone, guitarra e vibrafone. Já no ano de sua formação, a banda lançou o álbum In the Court of the Crimson King. Primeiramente, devemos considerar que esse é o disco no qual o rock progressivo estava artisticamente amadurecido. Em outras palavras, In the Court estabeleceu de vez o estilo que nascera das longas viagens psicodélicas e da sonoridade erudita e popular envoltos na fase proto-prog.

Se talvez o The Thoughts of Emerlist Davj do The Nice foi o disco inaugural do rock progressivo, In the Court surgiu para confirmar que o prog rock abriria portas para um mundo musical feérico e criaria uma ponte que ligaria o rock às densas experimentações instrumentais. Além disso, esse álbum trazia uma das características mais efervescentes do prog a partir dali: letras complexas e profundas calcadas em questões existencialistas inerentes ao ser humano. Essas letras provinham da mente cataclísmica de Peter Sinfield, que deu uma roupagem filosófica e poética às letras do King Crimson no debut da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um fato interessante é que a primeira faixa do disco, "21st Century Schizoid Man", foi a música mais "pesada" do rock progressivo antes dos anos 1970. Robert Fripp impôs uma guitarra agressiva com um riff inicial que marcou a estréia do King Crimson no universo prog rock. Gradualmente a canção progride de uma sonoridade "heavy" para uma levada jazzística em poucos minutos. A segunda faixa do disco, "I Talk to the Wind", é uma música calma que varia entre os campos harmônicos de mi maior e mi menor, demonstrando de imediato uma das características fundamentais do grupo: um tratamento especial às progressões harmônicas de seu repertório.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A flauta idílica nessa canção parecia soar dos próprios Campos Elíseos — e é perceptível que não só as harmonias, mas também as melodias eram maravilhosamente trabalhadas pelo King Crimson. Já em "Epitaph", a terceira música do álbum, a sonoridade do mellotron — exceto em "21st Century Schizoid Man", o mellotron foi inserido em todas as músicas — se destaca tanto técnica quanto sensorialmente: do mellotron foi retirado um "clima" sombrio, fúnebre, que condiz perfeitamente com a letra da canção:

A parede nas quais os profetas escreveram
Estão rachando nas emendas.
Sobre os instrumentos da morte
A luz do sol brilha resplandecente.
Quando cada homem é dilacerado
Com pesadelos e sonhos
Ninguém colocará a coroa de louros
Quando o silêncio afogar os gritos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A próxima faixa, "Moonchild", é a mais longa e experimental de In the Court of the Crimson King. Greg Lake canta apenas nos dois minutos iniciais, enquanto o resto da música é um espaço livre para improvisações quase românticas de guitarra. No total, Moonchild tem doze minutos e treze segundos de duração. A última música é a que dá nome ao álbum, é a segunda mais longa e conserva um lirismo belo e ao mesmo tempo mórbido. O coro inicial de vozes parecem ecos vindo de Hades.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mais uma vez a progressão harmônica é calcada em mi menor harmônico, quando o último acorde, si maior, sinaliza uma tensão para o novo ciclo de acordes: ré maior, dó maior e o próprio si maior. Tal acorde tem a mesma importância em "I Talk to the Wind" e "Epitaph": uma análise mais técnica permitirá ao ouvinte perceber que o mesmo acorde, si maior, é o último das respectivas progressões, cuja função é "preparar" o ciclo das harmonias. Além do King Crimson, outra banda colaborou para as bases definitivas do rock progressivo. Em 1969, o Yes lançou seu primeiro álbum, o autointitulado Yes, que se tornou um verdadeiro clássico do prog rock.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de In The Court Of The Crimson King - King Crimson

King Crimson: Álbum consolidou o Rock Progressivo




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


King Crimson: morre Gordon Haskell, ex- baixista e vocalista da bandaKing Crimson
Morre Gordon Haskell, ex- baixista e vocalista da banda

King Crimson: por que eles proíbem câmeras e celulares de fãs nos showsKing Crimson
Por que eles proíbem câmeras e celulares de fãs nos shows

King Crimson: In The Court of the Crimson King em 20 CDs, 2 DVDs e 4 Blu-Rays


Rock Hall Of Fame: 25 bandas que ainda precisam ser nomeadasRock Hall Of Fame
25 bandas que ainda precisam ser nomeadas

King Crimson: por que eles proíbem câmeras e celulares de fãs nos showsKing Crimson
Por que eles proíbem câmeras e celulares de fãs nos shows


Discórdia: alguns dos maiores insultos entre artistasDiscórdia
Alguns dos maiores insultos entre artistas

Jared Leto: a reação ao se ver no papel do CoringaJared Leto
A reação ao se ver no papel do Coringa


Sobre Flávio Siqueira

Nascido e criado em Brasília, aos 14 anos pegou emprestado um "The Best of" do Pink Floyd. O choque foi tão grande que resolveu aprender guitarra somente para executar o solo de "Time". De lá pra cá vem estudando guitarra e apreciando bandas de stoner, grunge e rock progressivo, além de muito blues e algumas coisas de jazz e música erudita. Atualmente toca guitarra numa banda que mescla influências de stoner, grunge e uma pitada de rock psicodélico.

Mais matérias de Flávio Siqueira no Whiplash.Net.

GooInArt Cli336 Goo336 Goo336 Cli336 Goo728