RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRichie Sambora volta ao Bon Jovi para tour de 40 anos da banda, especula jornalista

imagemBanda cancela show porque perdeu laptops e Sebastian Bach alfineta; "Isso é uma piada?"

imagemJon Schaffer está brincando de esconde-esconde com autoridades dos EUA

imagemPor que Jon Lord recomendou a Dio que não aceitasse convite de Blackmore para Rainbow?

imagemDigão diz a Jão que não quer treta mas não tem sangue de barata

Monja Coen presenteia apresentador de podcast com camisa de banda punk

imagemPaul Di'Anno faz primeiro show pós-cirurgia; veja vídeo profissional da apresentação

imagemO hit regravado pelo Jota Quest que na época derrubou Roberto Carlos do 1º lugar

imagemJohn Petrucci compartilha foto de ensaio com Mike Portnoy

imagemFloor Jansen surge de cabelo curtinho poucos dias antes de vir ao Brasil com Nightwish

imagemAs 10 músicas de metal mais ouvidas da última semana, segundo a Billboard

imagemSe Kiko voltar, o Angra vai imitar o Iron Maiden e ter três guitarristas?

imagemO músico incrível que foi induzido três vezes ao Hall da Fama do Rock

imagemEdu Falaschi inicia segunda parte da "Vera Cruz tour" com muitas novidades

imagemJão, do Ratos de Porão, chama Digão para resolver as diferenças em um ringue


NFL Steve Harris

King Crimson: Primeiro disco definiu as bases do prog rock

Resenha - In The Court Of The Crimson King - King Crimson

Por Flávio Siqueira
Em 28/02/14

O King Crimson — "Rei Escarlate", em tradução literal — foi formado em 1969 e contava com o guitarrista Robert Fripp, o baixista e vocalista Greg Lake, o baterista Michael Giles, o letrista Peter Sinfeld e o multi instrumentista Ian McDonald, que tocava flauta teclado, saxofone, guitarra e vibrafone. Já no ano de sua formação, a banda lançou o álbum In the Court of the Crimson King. Primeiramente, devemos considerar que esse é o disco no qual o rock progressivo estava artisticamente amadurecido. Em outras palavras, In the Court estabeleceu de vez o estilo que nascera das longas viagens psicodélicas e da sonoridade erudita e popular envoltos na fase proto-prog.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se talvez o The Thoughts of Emerlist Davj do The Nice foi o disco inaugural do rock progressivo, In the Court surgiu para confirmar que o prog rock abriria portas para um mundo musical feérico e criaria uma ponte que ligaria o rock às densas experimentações instrumentais. Além disso, esse álbum trazia uma das características mais efervescentes do prog a partir dali: letras complexas e profundas calcadas em questões existencialistas inerentes ao ser humano. Essas letras provinham da mente cataclísmica de Peter Sinfield, que deu uma roupagem filosófica e poética às letras do King Crimson no debut da banda.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um fato interessante é que a primeira faixa do disco, "21st Century Schizoid Man", foi a música mais "pesada" do rock progressivo antes dos anos 1970. Robert Fripp impôs uma guitarra agressiva com um riff inicial que marcou a estréia do King Crimson no universo prog rock. Gradualmente a canção progride de uma sonoridade "heavy" para uma levada jazzística em poucos minutos. A segunda faixa do disco, "I Talk to the Wind", é uma música calma que varia entre os campos harmônicos de mi maior e mi menor, demonstrando de imediato uma das características fundamentais do grupo: um tratamento especial às progressões harmônicas de seu repertório.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A flauta idílica nessa canção parecia soar dos próprios Campos Elíseos — e é perceptível que não só as harmonias, mas também as melodias eram maravilhosamente trabalhadas pelo King Crimson. Já em "Epitaph", a terceira música do álbum, a sonoridade do mellotron — exceto em "21st Century Schizoid Man", o mellotron foi inserido em todas as músicas — se destaca tanto técnica quanto sensorialmente: do mellotron foi retirado um "clima" sombrio, fúnebre, que condiz perfeitamente com a letra da canção:

A parede nas quais os profetas escreveram
Estão rachando nas emendas.
Sobre os instrumentos da morte
A luz do sol brilha resplandecente.
Quando cada homem é dilacerado
Com pesadelos e sonhos
Ninguém colocará a coroa de louros
Quando o silêncio afogar os gritos

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A próxima faixa, "Moonchild", é a mais longa e experimental de In the Court of the Crimson King. Greg Lake canta apenas nos dois minutos iniciais, enquanto o resto da música é um espaço livre para improvisações quase românticas de guitarra. No total, Moonchild tem doze minutos e treze segundos de duração. A última música é a que dá nome ao álbum, é a segunda mais longa e conserva um lirismo belo e ao mesmo tempo mórbido. O coro inicial de vozes parecem ecos vindo de Hades.

Mais uma vez a progressão harmônica é calcada em mi menor harmônico, quando o último acorde, si maior, sinaliza uma tensão para o novo ciclo de acordes: ré maior, dó maior e o próprio si maior. Tal acorde tem a mesma importância em "I Talk to the Wind" e "Epitaph": uma análise mais técnica permitirá ao ouvinte perceber que o mesmo acorde, si maior, é o último das respectivas progressões, cuja função é "preparar" o ciclo das harmonias. Além do King Crimson, outra banda colaborou para as bases definitivas do rock progressivo. Em 1969, o Yes lançou seu primeiro álbum, o autointitulado Yes, que se tornou um verdadeiro clássico do prog rock.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de In The Court Of The Crimson King - King Crimson

Resenha - In The Court Of The Crimson King - King Crimson

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

"Crazy Train" do Ozzy Osbourne recriado por Toyah Willcox e Robert Fripp

Robert Fripp e a frase que Jimi Hendrix lhe disse que aqueceu seu coração

Toyah Willcox e Robert Fripp recriam "Psychosocial" do Slipknot

King Crimson: guitarrista leva 22 anos para aprender "Fracture" e lança livro sobre isso

Guitarras: as 15 músicas mais complicadas para tocar

Robert Fripp: ele revela por que topou fazer vídeos divertidos com a esposa Toyah

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Flávio Siqueira

Nascido e criado em Brasília, aos 14 anos pegou emprestado um "The Best of" do Pink Floyd. O choque foi tão grande que resolveu aprender guitarra somente para executar o solo de "Time". De lá pra cá vem estudando guitarra e apreciando bandas de stoner, grunge e rock progressivo, além de muito blues e algumas coisas de jazz e música erudita. Atualmente toca guitarra numa banda que mescla influências de stoner, grunge e uma pitada de rock psicodélico.

Mais matérias de Flávio Siqueira.