David Crosby: Folk renovado em quarto disco de estúdio

Resenha - Croz - David Crosby

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Guilherme Espir
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A vida é uma formação acadêmica que não distribui diplomas, mas nós aprendemos muito, aprendemos tudo com ela. Com o tempo vamos observando que todos os clichês clássicos que sua mãe lhe falava quando criança são de fato verdade, a vida passa rápido, tente aproveitá-la, seja intenso, (num nível saudável), ame, seja feliz, por que passa, o tempo é cruel, ensina a duras penas.
5000 acessosHetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica5000 acessosMalmsteen: "A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"

E David Crosby o conhece como poucos, mas diferentemete de muitos que se arrependem do que fizeram no passado, nosso herói olha apenas para frente, e ''Croz'', seu quarto disco de estúdio (lançado no dia 28 de janeiro) é a maneira como o músico encontrou para aproveitar o que ainda lhe resta, e tentar passar aos ouvintes que a vida é sim belíssima, e que mesmo na idade de Crosby é possível aproveitá-la, com calma, amor e boa música, sem drogas, problemas com a polícia ou excesso de bebidas, apenas amor.

A sabedoria fez bem ao velho filósofo, são 72 anos de muitas histórias, escutem este disco e aprendam com quem passou por quase tudo na vida e sobreviveu para dividir os lucros, as letras são lindíssimas, esse disco vai fazer de você uma pessoa melhor, acredite.

Line Up:
Todd Caldwell (órgão)
David Crosby (guitarra/vocal)
Steve DisTanislao (bateria/percussão)
Marcus Eaton (guitarra/violão/vocal/cítara)
Shane Fontayne (baixo/guitarra/percussão/vocal)
Mark Knopfler (guitarra)
Kevin McCormick (baixo)
James Raymond (sintetizadores/piano/vocal)
Steve Tavaglione (saxofone)
Leland Sklar (bateria)

Track List:
''What's Broken''
''Time I Have''
''Holding On To Nothing''
''The Clearing''
''Radio''
''Slice Of Time''
''Set That Baggage Down''
''If She Called''
''Dangerous Night''
''Morning Falling''
''Find A Heart''

Vinte anos após o lançamento de ''Thousand Rods'' Crosby surge para o mundo novamente da maneira que sempre o fez, surpreendendo à todos, e com um disco fantástico debaixo do braço. Sua carreira solo tem agora (contando este disco) quatro trabalhos, e todos são ótimos, mesmo que boa parte deles tenha vindo a tona enquanto o músico ainda vivia poucas e boas com a heroína e companhia.

David tem um estilo para tocar guitarra e para cantar que tecnicamente falando além de ser muito bom, é todo e completamente fundamentado no sentimento, veja o CNS por exemplo, nenhum dos três tenores tocavam notas sem significado, era tudo com muito feeling, e neste disco isso volta a acontecer, de maneira completamente independente, junto de sua família (mais especificamente seu filho James Raymond), e com uma poesia fantástica, de um senhor que sabe como poucos o quão incrível é a sensação de ainda estar vivo, aliás este é o assunto principal deste disco.

Com uma sonoridade absurda, e com um instrumental riquíssimo, nós somos brindados por boa música do primeiro até o último take, com Mark Knopfler abrindo o disco com sua bela contrinuição para o single ''What's Broken'', e com um baixo fretless sensacional tocado por Kevin McCormick durante todo o disco, a sonoridade de um bom fretless é única, e isso dá um toque muito bom ao CD.

As linhas são limpas, cristalinas, e quando se misturam com o restante dos instrumentos e as belas melodias vocais de Crosby, como em ''Time I Have'', ''Holding On To Nothing'' ou na arrepiante ''If She Called'', com uma das letras mais fascinantes do músico) que disse numa entrevista que a inspiração para essa faixa veio ao observar um grupo de prostitutas da janela de seu Hotel na Bélgica, tentando convencer alguns bêbados a saíram com elas. Relatos do nosso cotidiano, uma aula sobre nosso tempo na terra, tudo o que você possa imaginar, o ouvinte se sente nas nuvens, o saxofone de Steve Tavaglione em ''Find A Heart'' é maravilhoso!

Mais um disco exuberante de um cidadão que realmente aprendeu a viver sua vida, com o amor de seu filho, amigos, e o mais importante, apreciando sua belíssima música, um disco de audição agradabilíssima e pra lá de fácil, quero ver você conseguir parar de escutá-lo!

Temos momentos mais swingados, outros de puro Folk, ou seja, temos Crosby no auge mais uma vez, a voz desse cara segue igual desde que ele começou a cantar, excelente, por favor David, volte a gravar o mais rápido possível, se bem que se nós tivermos que esperar mais vinte anos, no fim vai valer a pena, sempre vale, fantástico.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Crosby Stills Nash And Young"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Crosby Stills Nash And Young"

MetallicaMetallica
Hetfield fala sobre Dave Mustaine, Load e homossexualidade

MalmsteenMalmsteen
"A 1ª vez que fui ao Brasil não consegui acreditar"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Joey Jordison, do Slipknot, muito antes da fama

5000 acessosAC/DC: setlist, fotos e vídeos do show arrasador com Axl Rose5000 acessosPsicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia Eller5000 acessosMetallica: os fantasticos carros de James Hetfield5000 acessosRonnie James Dio: That Metal Show e um fã brasileiro5000 acessosRobert Trujillo: a diferença entre tocar com o Metallica e com Ozzy5000 acessosLegião Urbana x Catedral: polêmicas entre integrantes em 2002

Sobre Guilherme Espir

Assíduo fã de Zappa e de muitas fritadeiras setentonas, tenta mesclar a peneiração de raridades dos anos 60 e 70 com as novas tendências sonoras de nosso tempo, porém admitindo que o antigo ainda tem preferência em seus fones ensurdecedores.

Mais matérias de Guilherme Espir no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online