[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Aerosmith: Os 35 anos de "Live! Bootleg"

Resenha - Live! Bootleg - Aerosmith

Por Paulo Giovanni G. Melo
Fonte: Ultimate Classic Rock
Postado em 28 de setembro de 2013

Existe uma máxima que diz que o ano de 1978 foi "o ano dos álbuns ao vivo" por causa de uma série de lançamentos, agora lendários, incluindo "If You Want Blood (You’ve Got it)" do AC/DC, "Some Enchanted Evening" do BLUE OYSTER CULT, "Stage" de David Bowie, "Two fo the Show" do KANSAS, "Double Live Gonzo" de Ted Nugent, "All Night Long" de Sammy Hagar, "Bursting Out" do JETHRO TULL, "Bring It Back Alive" do THE OUTLAWS, "Live and Dangerous" do THIN LIZZY, "Tokyo Tapes" do SCORPIONS, "At Budokan" de Bob Dylan e "Live in New York" de Frank Zappa.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

Entre todos estes álbuns, o "Live! Bootleg" do AEROSMITH (lançado em outubro de 1978) foi único, de todas as maneiras. Enquanto a maioria dos discos listados acima foram beneficiados com correções certeiras em estúdio, muitas vezes sendo remixados e com overdubs adicionados antes de chegarem às prateleiras das lojas, "Live! Bootleg" fez jus ao seu nome, com uma inclassificável arte de capa, áudio fiel ao executado, sequenciamentos de canções descuidados e, às vezes, performances zoadas da própria banda. Agora, se esta apresentação surpreendentemente honesta do AEROSMITH foi intencional ou se foi o melhor que puderam obter da banda no auge de seu envolvimento com substâncias ilícitas, isso é até passível de discussão, entretanto é inegável o entusiasmo sobre o resultado final.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

Para começar, ao contrário dos outros álbuns mencionados anteriormente que foram alterados em estúdio, "Live! Bootleg" fez questão de ser uma apresentação ao vivo real e não parecer uma experiência de um concerto perfeito. A qualidade do áudio e o barulho do público variam de música para música, gravações feitas em galpões enormes, pequenos clubes e até uma sessão de rádio é sequenciada de forma indiscriminada. Performances de clássicos do AEROSMITH como "Back in the Saddle", "Sweet Emotion", "Lord of the Thighs, "Walk This Way" e "Dream On" executadas espontâneamente sempre à beira da genialidade da banda.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

"Live! Bootleg" inclui, decididamente, interpretações sujas de "Back in the Saddle", "Toys in the Attic" e "Last Child", sem prejuízo, e você ainda encontra, sem aviso prévio, uma versão de "Draw the Line" no final da canção "Mother Popcorn"... e ainda pode ouvir fogos de artifícios em "Mama Kin".

Em suma, "Live! Bootleg" é uma bagunça espetacular, que retrata bem o que o AEROSMITH era no final dos anos 1970 e, portanto, não é só uma reprodução de um show fantasticamente divertido. É talvez o mais autêntico disco ao vivo daquele período. Vamos deixar isso para debate no fórum abaixo, mas, seja qual for sua decisão pessoal, todos temos que concordar que é um grande álbum que continua entretendo, confundindo e maravilhando gerações, tantos anos depois.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4
Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Paulo Giovanni G. Melo

Mineiro de Belo Horizonte. Fã de Hard Rock e Heavy Metal, especialmente a partir dos anos 80, não dispensa um disco ao vivo destes estilos. Entre várias de suas bandas preferidas estão Ratt, Aerosmith, Buckcherry, The Cult, Whitesnake, Whitecross, Guns N' Roses e Motley Crue.
Mais matérias de Paulo Giovanni G. Melo.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS