RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemLed Zeppelin e a bateria que ninguém acreditava que um ser humano conseguiria tocar

imagemJô Soares comprou uma obra de arte do Rock por causa do Regis Tadeu

imagemRegis Tadeu e os cinco grandes vocalistas que o mundo do Rock não dá valor

imagemLars Ulrich sobre "Fade to Black": Frequentemente sinto haver dois Metallicas

imagemArch Enemy e Behemoth tocarão no Brasil em novembro; confira datas e locais

imagemA música do Metallica que James não queria apresentar aos outros integrantes

imagemDez músicas de outros estilos que ganharam ótimas versões rock/metal - Parte I

imagemO curto e grosso motivo pelo qual Zappa vetava que seus músicos usassem coisas químicas

imagemDee Snider diz que faliu na década de 1990 e fingia ser outra pessoa

imagemIron Maiden: Bruce Dickinson revela o que mais curtia no Led Zeppelin

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemJoão Gordo explica porque Anitta está fazendo o que as bandas de Rock deviam fazer


2022/08/18
Stamp

Gamma Ray: Land of the Free II está um pouco abaixo dos clássicos

Resenha - Land of the Free II - Gamma Ray

Por Ricardo Mazzo
Em 08/07/13

Nota: 7

Pode-se dividir a carreira do GAMMA RAY em duas fases bem distintas: vocais de Ralph Scheepers (1990 a 94) e vocais de Kai Hansen (1994 até hoje). Particularmente, não sou o maior fã da primeira fase. Acho que o PRIMAL FEAR fez muito bem para Ralph Scheepers e a banda toca para ele, mas no GAMMA RAY não era assim. Já a fase Kai Hansen é fenomenal e coloco a seqüência de álbuns de 1995 a 2001 como uma das melhores de todos os tempos. Top 5 fácil!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O "problema" dessa fase é que ela começa com simplesmente o maior sucesso comercial da banda, o "Rust In Peace" do Power Metal, o genial "Land Of The Free" de 1995. A partir daí, o GAMMA RAY não tinha a obrigação de se superar a cada álbum, mas "apenas" manter o nível. E conseguiu. Por isso, para mim, é a melhor banda do gênero e nunca será batida.

"Land Of The Free ll" (2007), por incrível que pareça, foi o álbum da discografia que mais me surpreendeu ao ser escutado pela primeira vez. Gosto muito do trabalho e o coloco pouco abaixo dos clássicos. Diz a lenda que o título foi uma jogada de marketing somente para atrair o público e deixar todo mundo curioso com a seqüência do fenômeno de 12 anos antes. Se é verdade? Não faço a menor idéia, mas acho que seria mais aceito pela crítica se tivesse outro nome. Já ouvi muita gente dizer que ele não é tão bom quanto o primeiro, o que não faz o menor sentido, já que não se trata de uma seqüência.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Grande parte do CD é escrito por Kai Hansen com algumas participações dos demais integrantes. "Into The Storm", do próprio, abre o trabalho com um riff que promete porrada. E cumpre. São pouco menos de 4 minutos muito bem trabalhados e mostram que vem peso pela frente. "From The Ashes" tem uma das palhetadas cavalgadas mais empolgantes da história da banda. Fora isso, gosto muito quando a música acelera em direção ao refrão. E que refrão! Insano! Outra, claro, do gênio alemão!

Como sempre, há nesse álbum também uma música de ligação, aquela que prepara o ouvinte para o que vem pela frente e dura poucos segundos. "Rising Again" faz isso por quase 30 segundos e muito bem. A próxima é "To Mother Earth" e o show do drum hero Dan Zimmermann está só começando. É impressionante o que esse cara faz na bateria, é porrada durante 5 minutos, pedal duplo mostrando quem manda, mesmo com um refrão menos Heavy Metal. A única parte que a pancada suaviza é no começo do minuto 3, quando a música fica estranhamente "dançante".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A primeira participação de Henjo Richter, o outro guitarrista da banda, vem em "Rain", a minha preferida do trabalho. Como de hábito, o GAMMA RAY sempre coloca uns refrões que reduzem a tensão da música, o que nem sempre me agrada, mas dessa vez eles acertaram. O riff inicial é devastador e te faz banguear do começo ao fim. Kai Hansen, o único vocalista capaz de cantar desafinado sem desafinar, deixa sua marca registrada com um vocal perfeito. Por fim, outra característica da banda são os solos feitos pelos dois guitarristas ao mesmo tempo, mas ligeiramente diferentes. Brilhante!

"Leaving Hell", além de começar literalmente com uma explosão de som, é o exemplo de música que nunca "desiste". Por todos os seus 4 minutos e 20 segundos de duração, ela não deixa a peteca cair e mantém a rotação do álbum acima da média. Ironicamente, a única música escrita por Dan Zimmermann é a que tem a bateria mais lenta do trabalho. Ela abre a segunda metade do álbum com uma pegada mais light que as demais e chega a ser um pouco repetitiva.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Eu gosto de música com começo, meio e fim. Visivelmente, essa não é a proposta de "When The World". Ainda não consegui entendê-la direito e, até agora, não me agradou, apesar da bateria bem presente e os solos sempre bem compostos. "Opportunity" é escrita pelo baixista Dirk Schlachter, tem mais de 7 minutos e é tão esquisita quanto a anterior. Por outro lado, uma coisa que me chama a atenção é que no meio dela aparece uma linha de baixo a lá "Tailgunner" do IRON MAIDEN.

"Real World" poderia estar em qualquer álbum da banda, é uma daquelas músicas mais Pop Metal que o GAMMA RAY faz de vez em quando, como "Heaven Or Hell" do genial "No World Order" de 2001. Além disso, seu refrão me lembra bastante alguma música do AVANTASIA que não sei o nome. Será apenas coincidência? A segunda composição de Henjo Richter vem na penúltima música do trabalho, "Hear Me Calling". Como sempre, tem uma pegada mais pesada e a guitarras nos guiam pela música toda. Ponto mais que positivo para o refrão, vale a pena escutar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O exagero do álbum está em "Insurrection", última música desse muito bom "Land Of The Free ll". São quase 12 minutos que poderiam ser cortados pela metade. A música não é ruim, muito pelo contrário, mas parece nunca acabar. Não sou o maior fã de músicas excessivamente longas, com algumas raras exceções. Como em "Hear Me Calling", o refrão é muito bom e direciona para o final do trabalho já com 3 minutos de música. No entanto, ainda temos mais 8 pela frente e da mesma coisa. Para não ser injusto, mais uma vez, os solos beiram à perfeição.

Sempre tenho a impressão que as primeiras metades dos álbuns são melhores que as segundas e isso aconteceu nesse caso também. As músicas iniciais são ótimas e fazem com que as demais pareçam "menos boas" do que são. "Land Of The Free ll" segue a mesma linha porrada de seu antecessor "Majestic" de 2005, mas não caiu muito no gosto do público e, pelo jeito, da banda também. Normalmente, os shows não trazem nenhuma música em seu tracklist, o que é uma pena. De qualquer maneira, eu ainda voto e sempre votarei em Kai Hansen para presidente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Land of the Free II" - 2007 - GAMMA RAY

1. Into the Storm
2. From the Ashes
3. Rising Again
4. To Mother Earth
5. Rain
6. Leaving Hell
7. Empress
8. When the World
9. Opportunity
10. Real World
11. Hear Me Calling
12. Insurrection


Outras resenhas de Land of the Free II - Gamma Ray

Resenha - Land Of The Free II - Gamma Ray

Resenha - Land Of The Free II - Gamma Ray

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/08/18


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Regis Tadeu e as piores bandas de Power Metal de todos os tempos

Power Metal: os 25 maiores álbuns do estilo

Riffs parecidos: ZZ Top, Motorhead, Slayer, Metallica, A7X e outros

Vocalistas: as vozes mais agudas do Metal segundo o Noisecreep

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Ricardo Mazzo

Cresci ouvindo muito Punk Rock e Hardcore, mas migrei para o Heavy Metal há alguns anos. No entanto, não abro mão de um bom Bad Religion. Acredito piamente que se Pelé fosse um pouco melhor seria chamado de Kai Hansen ou teria composto a "The Trooper". Estudei guitarra, tive banda, freqüentei inúmeros shows e criei o blog #dicarock. Up the Irons!

Mais matérias de Ricardo Mazzo.