Airbourne: cada vez menos uma reprodução do som do AC/DC

Resenha - Black Dog Barking - Airbourne

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar Correções  

8


Três anos após seu segundo disco de estúdio, o AIRBOURNE, quarteto australiano que vem conquistando fãs com seu som fortemente influenciado por AC/DC e outras bandas de hard rock, retorna com Black Dog Barking. Segundo eles, o trabalho foi feito com muito esforço por parte da banda e do pessoal de estúdio. E isso não é difícil de perceber: o som está bastante polido, os instrumentos estão perfeitamente equalizados, enfim, não há nada aqui que deixe a desejar.

Corey Talor: "Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"Kerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quanto à música, nada de novo: o bom e velho hard rock clássico. Contudo, algo chama a atenção aqui: o quarteto parece querer se distanciar um pouco do som do AC/DC. Não que a sonoridade não continue sendo parecida. Mas são notáveis algumas doses diminutas de outros sons aqui e ali. Em "Back in the Game", por exemplo, é possível perceber um pouquinho de glam. Já em "Hungry", a abertura traz uns toques curiosos de música espanhola. É assim, de pouco em pouco, que a banda começa a criar um som cada vez mais particular, sem deixar de escancarar suas influências.

Afora isso, não há muito o que comentar sobre o álbum. Com pouco menos de 35 minutos de duração (sem contar faixas-bônus), é um trabalho curto; na verdade, é o mais compacto dos três discos da banda. Mas não deixa der ser um bom lançamento. O grupo mais uma vez soube combinar riffs nervosos, solos respeitáveis e vocais rasgados numa música que deve agradar aos fãs, conquistar alguns novos e conseguir algum sucesso nas paradas.

Agradável, Black Dog Barking é o terceiro golpe do AIRBOURNE na cara dos que decretaram prematuramente a morte do rock 'n' roll. O autor da resenha recomenda o mesmo que a própria banda indicou: abra uma cerveja, aumente o volume e divirta-se com as dez faixas do disco.

Abaixo, o single "Live it Up":

Track-list:
1 - "Ready to Rock"
2 - "Animalize"
3 - "No One Fits Me (Better Than You)"
4 - "Back in the Game"
5 - "Firepower"
6 - "Live It Up"
7 - "Woman Like That"
8 - "Hungry"
9 - "Cradle to the Grave"
10 - "Black Dog Barking"




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Ultimate Guitar: 12 bandas que nunca mudamUltimate Guitar
12 bandas que nunca mudam

AC/DC: 7 bandas e cantores que tentam a fórmula da bandaAC/DC
7 bandas e cantores que tentam a fórmula da banda


Corey Talor: Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otárioCorey Talor
"Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"

Kerrang!: os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revistaKerrang!
Os 100 melhores álbuns de Rock em lista da revista


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL