Witchburner: um dos melhores discos de sua carreira até hoje

Resenha - Bloodthirsty Eyes - Witchburner

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

8


Completando seus vinte anos de estrada, os alemães do WITCHBURNER acabam de lançar seu 7º disco de estúdio, esse ótimo "Bloodthirsty Eyes", um dos melhores de sua carreira até hoje, e que mostra toda a fúria desse quinteto fiel às raízes do thrash/speed metal. E o melhor de tudo é que o disco acaba de ser lançado no mercado nacional graças à batalhara Kill Again Records.

Com uma sonoridade bem voltada aos anos 80, direta e sem concessões, esses maníacos alemães tocam um thrash metal bem cru e agressivo, na maioria das vezes bem veloz, mas sempre brutal, e flertando com elementos de death metal tradicional, que deixam tudo ainda mais interessante.

publicidade

Os ótimos riffs de guitarra de Seegel e Frank são o carro chefe do material, mostrando uma competência muito acima da média, como se percebe, em especial, em faixas excelentes como "Possession" (com uma letra muito divertida e que mostra o amor da banda pelo metal) e "Master and Slave" (uma das mais legais do disco, mais cadenciada e energética).

publicidade

O novo vocalista Pino também se destaca, com uma voz bem soturna e brutal, o que passa ainda mais agressividade ao ouvinte.

Dentre os destaques do material, além das já citadas "Possession" e "Master and Slave", cito ainda a ótima "Sermons of Profanity", com excelentes arranjos, e uma bela introdução de violão; e "Never Surrender", uma das mais trabalhadas e técnicas do disco, com destaque para o baterista Felix. "Spirit of the Dead", por sua vez, é a que mais possui influências de death metal, sendo uma das faixas mais brutais já compostas pela banda.

publicidade

A produção do disco é propositalmente crua e retro, mas com qualidade, deixando tudo bem audível, sem comprometer. E a arte gráfica é bem legal, e totalmente condizente com a proposta sonora e lírica da banda.

Assim, meu caro amigo leitor, se você curte uma metalzão extremo de qualidade, totalmente voltado às raízes do thrash metal, e que transborda amor pelo estilo, eis um álbum altamente recomendado para figurar em suas prateleiras. Mas fica o dica: o trabalho não é indicado para quem procure por inovações ou modernidade, até porque a intenção da banda nunca foi essa.

publicidade

"Bloodthirsty Eyes" - WITCHBURNER
(2012 –Kill Again Records - Nacional)

Line-up:

Pino Hecker - Vocal
Simon Seegel - Guitarra
Michael "Mächel" Frank - Guitarra
Andy Süss - Baixo
Felix Darnieder - Bateria

Track List:

- Sermon of Profanity
- Possession
- Master and Slave
- Path of the Sinner
- Absolute Collapse
- Bloodthirsty Eyes
- Never Surrender
- The Bringer of Disease
- Spirit of the Dead

publicidade


Outras resenhas de Bloodthirsty Eyes - Witchburner

Witchburner: o negócio aqui é Thrash Metal alemão 'Old School'

Witchburner: tudo que o Thrash Metal pede está neste trabalho




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Linkin Park: 20 coisas que você não sabe sobre a bandaLinkin Park
20 coisas que você não sabe sobre a banda

Suzi Quatro: a importância da linda baixista para o rockSuzi Quatro
A importância da linda baixista para o rock


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin