Witchburner: o negócio aqui é Thrash Metal alemão 'Old School'

Resenha - Bloodthirsty Eyes - Witchburner

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Christiano K.O.D.A.
Enviar Correções  

publicidade

8


Se você julgar pela capa (e pelo encarte), certamente vai achar que se trata de um grupo de Death ou Black Metal, uma impressão que ganha força pelo próprio nome do conjunto. No entanto, o negócio aqui é Thrash Metal alemão 'old school'. Precisa dizer mais? Talvez um pouco. A Witchburner já conta com mais de duas décadas de vida, e com uma discografia sólida. Sim, é um grupo calejado e que, portanto, sabe como funciona o estilo. O trabalho saiu aqui no Brasil pelas mãos da Kill Again Records, em outro investimento certeiro do selo.

Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Autismo: rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismo

O som da banda é influenciado por seus compatriotas da Destruction, ainda que os timbres vocais de Pino Hecker e Schmier sejam consideravelmente diferentes. O primeiro conta com algo mais áspero e agressivo, enquanto o segundo... bom... nem precisa dizer, né?

No geral, a sonoridade de "Bloodthirsty Eyes" conta com aquela coisa veloz e encorpada que, em algumas músicas, trazem algo levemente mais trabalhado. É o caso de "Never Surrender" ou "The Bringer of Disease", menos velozes, mas tão intensas quanto as demais.

O guitarrista Michael "Mächel" Frank mostra competência nos solos bem encaixados em faixas como "Sermon of Profanity", e principalmente em "Path of the Sinner", entre outras. Um destaque inclusive do disco é o "encaixe" dos solos: parece que eles sempre entram na hora certa, e de maneira muito vigorosa. Incrível como dão um ganho poderoso às composições!

E já que "Path of the Sinner" foi mencionada, é preciso dizer: que pancada essa faixa! Mas ainda mais violenta, "Spirit of the Dead" devasta tudo ao redor. Uma porrada sem limites!

A parte gráfica, embora também já citada, também deve ser lembrada por sua beleza (para padrões de uma banda de música extrema). Ilustrações cheias de detalhes e cores interessantes permeiam essa pequena obra de encarte.

A gravação está à altura do som do quinteto: sujona, crua e pesada.

O álbum certamente chama a atenção no mundo do Thrash Metal e merece não só uma conferida, mas uma boa deleitada em todos os momentos de deliciosa podridão sonora oferecidos pelo registro. Continuem queimando as bruxas!

Witchburner - Bloodthirsty Eyes
High Roller Records/Kill Again Records – 2013 – Alemanha

http://www.facebook.com/Witchburner
http://www.myspace.com/witchburner
http://www.witchburner.de/

Tracklist:
1. Sermon of Profanity 05:55
2. Possession 02:47
3. Master and Slave 03:39
4. Path of the Sinner 03:30
5. Apocalyptic Visions 04:01
6. Bloodthirsty Eyes 03:38
7. Never Surrender 03:26
8. Spirit of the Dead 04:23
9. The Bringer of Disease 04:10
Total: 35:29


Outras resenhas de Bloodthirsty Eyes - Witchburner

Witchburner: tudo que o Thrash Metal pede está neste trabalho

Witchburner: um dos melhores discos de sua carreira até hoje




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenMarcelo Maiden
Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Autismo: rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismoAutismo
Rockstars famosos autistas, ou com suspeita de autismo


Sobre Christiano K.O.D.A.

Um cara diretamente ligado ao Som Extremo, fã de livros e filmes, formado em Imagem e Som, Publicidade e Propaganda e Jornalismo. Faz parte da banda de grindcore Prey of Chaos e tem um blog dedicado à música barulhenta. Enfim, alguém que faz da música sua vida.

Mais matérias de Christiano K.O.D.A. no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin