Avantasia: menos ambicioso que seus predecessores

Resenha - Mystery of Time - Avantasia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


De volta após três anos, a metal opera AVANTASIA, uma das mais bem sucedidas da história, lança seu sexto trabalho: The Mystery of Time. Assim como The Scarecrow, é um trabalho bem compacto, de apenas dez faixas (mais duas bônus) e "solteiro", ou seja, desacompanhado de uma parte II (como nos Metal Opera) ou de um disco-gêmeo, como no caso de The Wicked Symphony e Angel of Babylon. Mas isto é totalmente compensado pela presença de uma orquestra. Pela primeira vez, o vocalista, baixista e mentor do projeto TOBIAS SAMMET convida um exército de músicos eruditos para acompanhá-lo na execução das peças avantasianas. No caso, são os membros da Deutsches Filmorchester Babelsberg (algo como "Orquestra de Filmes Alemã de Babelsberg"), a mesma que atuou em Hellfire Club, do Edguy.

Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosRoger Moreira: resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde

A abertura "Spectres" lembra "The Wicked Symphony", que também serviu de abertura, no caso, para o álbum homônimo, de 2010: orquestrada e marcada por um belo trabalho no vocal de TOBIAS, que divide espaço com o estadunidense JOE LYNN TURNER. Logo em seguida, "The Watchmaker's Dream" repete a fórmula TOBIAS+TURNER, mas sem a orquestra. Aqui, o ponto alto fica nos solos: primeiro, a única e breve participação de ARJEN ANTHONY LUCASSEN, multi-instrumentista holandês e líder do AYREON, que traz um solo inspirado e com toques de LORI LINSTRUTH, seguido por outro solo, agora de órgão, por MIRO, tecladista que acompanha o projeto desde o terceiro disco.

Em "Black Orchid", a orquestra volta, e TOBIAS canta com BIFF BYFORD, do SAXON - desnecessário dizer que o resultado foi bom. Em "Where Clock Hands Freeze", o inconfundível MICHAEL KISKE, que marcou presença em todos os discos do projeto, faz uma de suas melhores performances num CD do AVANTASIA.

"Sleepwalking", lançada previamente como single, marca a única participação feminina do disco, na qual TOBIAS faz um dueto com CLOUDY YANG. A balada, que ganhou um clipe ambientado numa bela floresta nevada, quebra um pouco o clima metal do disco e traz algo com um apelo mais hard rock, estilo com o qual TOBIAS gosta de flertar. Esta não é a única balada do disco: "What's Left of Me" é mais pesada, mas ainda tem os toques emotivos, reforçados pelo trabalho da orquestra. Aqui, TOBIAS canta com nítida emoção, talvez para fazer jus à presença de ERIC MARTIN, vocalista do MR. BIG, que faz aqui sua participação no disco.

O respiro de "Sleepwalking" logo dá lugar a "Savior in the Clockrwork", a mais longa do disco, que combina os vocais de TURNER, BYFORD, KISKE e TOBIAS, produzindo uma poderosa faixa. "Invoke the Machine" e "Dweller in a Dream", separadas pela já mencionada "What's Left of me", são como "The Watchmaker's Dream": rápidas e cruas. A primeira já era conhecida dos fãs, por ter sido liberada previamente, e traz a participação de RONNIE ATKINS, do grupo holandês PRETTY MAIDS.

Fechando o álbum, "The Great Mystery", com TOBIAS, TURNER, BYFORD e BOB CATLEY, fazendo aqui sua única participação no disco. Como que sintetizando o disco, a faixa combina o peso das faixas mais power metal com a orquestração das mais sinfônicas e a emoção das baladas.

Não há muito o que reclamar do disco, mesmo sendo uma proposta nitidamente menos ambiciosa que os trabalhos anteriores. Destaque para "Spectres", "The Watchmaker's Dream", "Black Orchid" e "What's Left of Me". Vale lembrar os outros músicos que participaram do disco: além dos veteranos SASCHA PAETH (guitarra base e produção), OLIVER HARTMANN (guitarra solo) e MIRO (teclados); TOBIAS também convidou RUSSELL GILBROOK, do URIAH HEEP, para assumir as baquetas; e o guitarrista BRUCE KULICK, do GRAND FUNK RAILROAD, para alguns solos.

Como dito anteriormente, o disco é menos ambicioso que seus predecessores. Contudo, dentro das possibilidades (10 faixas, a maioria curta, preenchidas pelo trabalho de menos músicos convidados que o usual), TOBIAS conseguiu fazer mais um bom trabalho, mostrando que o AVANTASIA ainda tem fôlego para mais discos.

Abaixo, o vídeo de "Sleepwalking":

Track-list
1 Spectres
2 The Watchmaker's Dream
3 Black Orchid
4 Where Clock Hands Freeze
5 Sleepwalking
6 Savior in the Clockwork
7 Invoke the Machine
8 What's Left of Me
9 Dweller in a Dream
10 The Great Mystery


Outras resenhas de Mystery of Time - Avantasia

Avantasia: hard rock dos bons, grandioso e poderosoAvantasia: Não é seu melhor momento, mas garante diversãoAvantasia: álbum dá impressão de que foi feito às pressasAvantasia: fãs do projeto podem comprar de olhos fechados




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Avantasia"


Exportando metal: músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringasExportando metal
Músicos brasileiros que atuam ou já atuaram em bandas gringas

Avantasia: Moonglow poderia ter virado álbum solo de Tobias SammetAvantasia
Moonglow poderia ter virado álbum solo de Tobias Sammet

Avantasia: Andre Matos devolve os elogios de Tobias SammetAvantasia
Andre Matos devolve os elogios de Tobias Sammet


Porn Metal: Filmes para inspirar os headbangers solitáriosPorn Metal
Filmes para inspirar os headbangers solitários

Roger Moreira: resposta bem humorada a crítica no Agora é TardeRoger Moreira
Resposta bem humorada a "crítica" no Agora é Tarde

Pearl Jam: banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desistePearl Jam
Banda tenta tocar Rush em homenagem a Geddy Lee mas desiste

MTV: experts indicam as maiores bandas de Heavy MetalFotos: confira 10 das mais curiosas no mundo do Rock - Parte 1Slash: falando sobre Adele, Guns N' Roses, filhos e maisDuff Mckagan: Led Zeppelin e Deep Purple para realçar humildade

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.