Avantasia: Não é seu melhor momento, mas garante diversão

Resenha - Mystery of Time - Avantasia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Tobias Sammet merece crédito e confiança. Seja à frente do Edguy ou no comando do Avantasia, o vocalista alemão é um dos responsáveis pela renovação que o power metal vem passando nos últimos anos, inserindo novos caminhos em uma sonoridade que há tempos necessita de renovação. E, em grande parte deste esforço, Sammet tem logrado êxito.
2599 acessosTobias Sammet: reunião do Helloween foi a melhor coisa para eles5000 acessosFotos de Infância: Evanescence

"The Mystery of Time" é o sexto disco do Avantasia, projeto que iniciou em 2001 com o ótimo "The Metal Opera" e se manteve sempre surpreendente, com mudanças de direção inesperadas, porém sempre bem conduzidas. A banda base que acompanha Tobias neste disco é formada por Sascha Paeth (guitarra, também produtor), Miro (teclado) e Russell Gibrook (bateria) - o baixo foi tocado por Sammet. Guitarristas convidados batem ponto em algumas faixas, sendo eles Bruce Kullick, Oliver Hartmann e Arjen Lucassen.

O elenco de vozes merece um novo parágrafo. Um dos principais diferenciais da história do Avantasia foi sempre contar com excelentes vocalistas em suas fileiras. Algumas dos donos dessas vozes construíram uma relação duradoura com Sammet e viraram quase integrantes fixos do projeto, como é o caso de Michael Kiske e Bob Catley, que participam mais uma vez. No entanto, há uma queda evidente no elenco de cantores nesse novo capítulo do Avantasia. Vocalistas excelentes como Russell Allen, Roy Khan, Rob Rock e Jorn Lande, além de ícones como Alice Cooper, presentes em outros discos, não estão aqui. Em seus lugares surge uma lista claramente inferior formada por Joe Lynn Turner, Eric Martin, Cloudy Yang, Ronnie Atkins e Biff Byford. Com exceção dos dois últimos - principalmente Byford -, estes novos nomes pouco ou nada agregam ao álbum, não justificando a sua inclusão.

Musicalmente, "The Mystery of Time" varia entre canções mais power metal e outras que vão em direção ao hard, AOR e até mesmo ao pop. A grosso modo, as composições caminham pela identidade construída nos discos anteriores. Os destaques são “Black Orchid (com participação de Biff Byford), que mostra que o power metal pode ter elementos de AOR; “Where Clock Hands Freeze” (com Michael Kiske), metal melódico padrão Avantasia; e “Savior in the Clockwork”, que em seus mais de 10 minutos traz tudo o que se espera do Avantasia e conta com as vozes de Sammet, Turner, Byford e Kiske. A boa balada “What’s Left of Me”, com Eric Martin, também merece menção.

Em compensação, alguns momentos ficam bem abaixo de tudo que já foi feito antes. A abertura, com “Spectres”, é construída sobre melodias pra lá de previsíveis. O single “Sleepwalking” é surpreendente, uma balada pop com participação da vocalista Cloudy Yang, que difere totalmente do restante do tracklist e remete a bandas como o Bon Jovi. Bem feitinha, bem produzida - bonitinha, mas ordinária. “Invoke the Machine” e “The Great Mystery” apenas reciclam o que o Avantasia já fez antes, e com resultados inferiores.

Mais direto e coeso que os últimos discos, "The Mystery of Time" apresenta uma sonoridade menos pomposa e exagerada. O álbum prova, apesar da tradição de sempre contar com convidados especiais, que a grande estrela do Avantasia é e sempre será Tobias Sammet. Com uma habilidade enorme para escrever canções com grandes coros e ótimos refrãos, Sammet, mesmo com uma equipe de vocalistas claramente inferior aos discos anteriores, conseguiu fazer um bom trabalho novamente.

"The Mystery of Time" não é o melhor momento do Avantasia, mas garante diversão e ótimos momentos para quem curte power metal.

Faixas:
1 Spectres
2 The Watchmaker’s Dream
3 Black Orchid
4 Where Clock Hands Freeze
5 Sleepwalking
6 Savior in the Clockwork
7 Invoke the Machine
8 What’s Left of Me
9 Dweller in a Dream
10 The Great Mystery

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Mystery of Time - Avantasia

5000 acessosAvantasia: hard rock dos bons, grandioso e poderoso2652 acessosAvantasia: menos ambicioso que seus predecessores5000 acessosAvantasia: álbum dá impressão de que foi feito às pressas5000 acessosAvantasia: fãs do projeto podem comprar de olhos fechados

Tobias SammetTobias Sammet
"Reunião do Helloween foi a melhor coisa para eles"

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avantasia"

AvantasiaAvantasia
10 músicas essenciais da Metal Opera

Unisonic & EdguyUnisonic & Edguy
Michael Kiske trollando Tobias Sammet

20162016
Os 5 discos mais decepcionantes de rock/metal do ano

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 27 de março de 2013

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Avantasia"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Jimi HendrixJimi Hendrix
Dono do melhor riff da história segundo o site Music Radar

AngraAngra
Carta aberta de Edu Falaschi sobre a sua saída da banda

5000 acessos1986: O ano definitivo da música pesada5000 acessosRolling Stone: as 10 melhores bandas de Heavy Metal5000 acessosMetal Extremo: os logos mais ilegíveis já criados5000 acessosMegadeth: vídeo de "Poisonous Shadows" em 360º5000 acessosO Metaleiro: como humorista, ele é um ótimo baterista5000 acessosNirvana: criticado, goleiro do Chelsea remove cover de "Rape Me"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online