Optical Faze: Metalcore moderno com influências de Death e outros

Resenha - Pendulum Burns - Optical Faze

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

9


Por mais que muitos ainda insistam em não ver a realidade que se mostra bem a frente de seus olhos, a verdade é que, como já disse em diversas outras resenhas por aqui, o Brasil atualmente é o maior celeiro de boas bandas de metal pesado do planeta. A cada dia que passa vemos o surgimento de mais e mais bandas, dos mais variados subgêneros do estilo, e, em sua maioria, esbanjando competência e profissionalismo. E o Optical Faze, que chega agora a seu segundo álbum, é mais um grande exemplo disso.

E, a priori, que fique claro: não se trata de apenas elogiar as bandas como forma de apoiar o metal nacional, mas sim de reconhecer o mérito das boas bandas que têm surgido em nossas terras. Sinceramente, dá gosto pegar um disco como esse "The Pendulum Burns" e constatar a qualidade que uma banda nacional, depois de tanta luta, com mais de 11 anos de carreira, consegue atingir, e mesmo diante de todas as dificuldades que o estilo enfrente para seguir em frente no Brasil.

publicidade

O som dos caras é bem moderno e, embora haja uma prevalência de metalcore, ainda possui influências de death metal melódico, math metal e metal industrial, tudo de forma coesa e muito bem equilibrada, criando musicas pesadíssimas e muito intensas que, apesar de complexas, são de fácil assimilação pelo ouvinte, mesmo nos momentos de mais "quebradeira".

publicidade

O trabalho instrumental é excelente, em especial as guitarras, muito bem timbradas, com ótimos riffs, e os teclados, muito bem encaixados e sem exageros, deixando o som da banda ainda mais interessante e diversificado.

Por sua vez, os vocais de Mateus também são bem legais, seja nos momentos mais agressivos, seja nos mais melódicos (presentes nos refrãos de quase todas as 12 faixas do disco). Alias, esse é um ponto a ser melhor esclarecido: muita das críticas ao chamado metalcore ocorre pelo uso de vocais mais melódicos nos refrãos das faixas, o acaba não agradando a todos; contudo, o Optical Faze conseguiu utilizar-se desse recurso de forma muito bem equilibrada, sem soar enjoativo ou meloso demais. Ponto para os caras.

publicidade

Assim, todas as 12 faixas produzem uma audição muito prazerosa, transmitindo ao ouvinte uma fúria descomunal, com destaque para as pedradas "Trail of Blood", "Pressure" (com muito groove, e uma quebradeira de dar inveja aos mestres do MESSHUGAH), "One Way Path" (repleta de elementos de metal industrial) e "Mindcage" (com passagens mais progressivas e viajadas).

publicidade

A produção do disco também é fantástica, tendo o álbum sido gravado em Los Angeles, nos EUA, pelo experiente produtor Rhys Fulber (Fear Factory, Paradise Lost, Front Line Assembly, etc.), deixando expostas na cara do ouvinte toda a fúria e brutalidade da banda.

Ou seja, temos aqui um trabalho de alto nível (inclusive o disco foi lançado numa belíssima edição digipack) em todos os aspectos, e que mostra mais uma vez a força do metal nacional, e coloca o OPTICAL FAZE com uma das melhores bandas do estilo na atualidade (não só no Brasil). Forte (fortíssimo) candidato a figurar na lista de melhores discos nacionais do ano! Escute sem moderação.

publicidade

publicidade

The Pendulum Burns – Optical Faze
(2013 – Voice/MS Metal - Nacional)

Formação:

Mateus Araújo (vocalista e guitarrista/singer and guitarist)
Jorge Rabelo (guitarrista/guitarist)
Vicente Jr. (baixista/bass player)
Renato Carvalho (baterista/drummer)
Pedro Gabriel (tecladista/Keyboardist)

Track List:

1. Trail of Blood
2. Pressure
3. Moment of Nothing
4. One Way Path
5. Lie to Protect
6. Mindcage
7. Carved
8. Red Sun
9. The Collapse
10. Ghost Planet
11. Never Let me Down Again
12. Tiede

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: pastor evangélico tem 172 tatuagens da bandaIron Maiden
Pastor evangélico tem 172 tatuagens da banda

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rockUltimate Classic Rock
Os 100 maiores clássicos do rock


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin