Matérias Mais Lidas

imagemPrika Amaral esclarece por que contratou apenas mulheres europeias para a Nervosa

imagemA opinião de Dave Mustaine sobre a clássica "The Unforgiven", do Metallica

imagemLegião Urbana e a surpreendente música que serviu de base para "Ainda é Cedo"

imagemAudioslave: Tom Morello recorda seu sinistro primeiro encontro com Chris Cornell

imagemCinco músicos que começaram vida nova após saírem de grandes bandas de heavy metal

imagemJames Hetfield e esposa Francesca se divorciam após 25 anos de união

imagemVocalista do Anvil afirma que Rob Halford e Ian Gillan são personagens

imagemNando Reis relembra curioso único game que jogou na vida, durante gravação dos Titãs

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemO show do Black Sabbath que acabou em tumulto por conta de uma garrafa

imagemO comovente relato de Kiko sobre como foi gravar em meio ao câncer de Mustaine

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer


Stamp

Obscurity: apesar de auto-intitulado, é o sexto disco da banda

Resenha - Obscurity - Obscurity

Por Vitor Franceschini
Em 02/02/13

publicidade

Nota: 9

Apesar de auto-intitulado (o que é normal nos primeiros discos) este é o sexto trabalho dos alemães do Obscurity. E, apesar também de se rotularem Pagan/Viking Metal ou Battle Metal, como queiram, o som do grupo vai além de rótulos e une de forma brilhante o melhor do Death Metal e Black Metal.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mesmo transmitindo um clima de guerra e se desvencilhando de elementos Folk, o som do grupo soa como a junção do que há de melhor no Metal extremo atual. Com uma boa melodia e peso, as guitarras possuem riffs influenciados pelo Metal tradicional, porém com uma dose extra de peso. Tudo com ritmos velozes e marchantes, mérito da cozinha precisa.

Os vocais de Agalaz é outro fator preponderante no disco, já que o cara consegue variar do rasgado ao gutural de forma incrível. Isso é mais um fator positivo no trabalho, já que distancia o som de algo comum, simples e, muito menos enjoativo. Ouça Germanenblut e Strandhogg, e confirme o que eu digo.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mas os destaques não param por aí. A veloz e quebrada Obscurity é o primeiro grande destaque do trabalho com seu emotivo refrão em coro, além das quebradas precisas. Ensamvarg é como se fosse um verdadeiro hino de guerra enquanto Weltenbrand segue esta linha, mas com uma levada diferente.

Não deixe se levar pelos rótulos dados à banda, já que seu som pode agradar desde fãs de Death Metal até os fãs de Black Metal. O que temos neste trabalho é algo que transcende os padrões do estilo e é Metal extremo acima de tudo. Indicado a fãs de Dissection, Amon Amarth e afins. Ótimo!

http://www.obscurity-online.de
http://www.reverbnation.com/obscuritybergischland
http://www.facebook.com/obscuritybergischland?v

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini.