Black Coffins: demonstram experiência e maturidade

Resenha - Dead Sky Sepulchre - Black Coffins

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini
Enviar Correções  

publicidade

9


Desde 2010 na ativa, os paulistanos do The Black Coffins têm uma estreita relação com o também paulistano Infamous Glory, de onde veio o guitarrista J. Martin, um dos fundadores da banda ao lado do vocalista Vakka (ex-Inerthe). Foi também com o Infamous Glory que a banda gravou seu primeiro split álbum, intitulado "Burial Breed", em 2010.

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaMetallica: Ulrich comenta sobre seu maior erro

Atualmente com Vakka (vocal), J. Martin (guitarra), A. Beer (baixo) e M. Rabelo (bateria), a banda soltou este "Dead Sky Sepulchre", onde demonstram experiência e maturidade em um Death Metal que abrange diversas influências que vão desde o Thrash Metal, Death 'n' Roll até os insanos Hardcore e Crust.

Com a timbragem das guitarras focadas no Death Metal sueco destilado por nomes como Entombed e Dismember, ou seja, riffs pesados, mas com aquela pegada Rock 'n' Roll enérgica e mortal, a banda detona um som que possui variações, mas que não perde as características nunca.

A trinca Below The Roots, Carve The Host e The Last Spectral Convoy, resumem bem essa pegada Death 'n' Roll que as músicas possuem. A cozinha com um baixo distorcido e a bateria reta, chega a lembrar até o Motörhead e destroem sem dó nem piedade. Tudo com os vocais atípicos de Vakka, que dobram o semi-gutural com o gritado/rasgado, gerando uma insana 'cantoria'.

Mas há momentos mais lúcidos e muito mais focado no Death Metal tradicional. Como podemos conferir em Transition: Compulsory (que conta com os vocais adicionais e parceria na composição de James, do Facada) e sua variação rítmica e influência 'old school', assim como na porrada Dead Planets (com participação de Marissa Martinez – Repulsion – nos vocias). A melódica e apocalíptica The Cryptborn, mostra toda a capacidade da banda, além de ser uma das melhores do trabalho.

"Dead Sky Sepulchre" conta ainda com as participações de Milosz Gassan (Morne, ex-Filth Of Makind) em Chambers of Eternal Sleep. É importante destacar a boa produção sonora, a cargo de Bernardo Pacheco, no estúdio Fábrica de Sonhos, em São Paulo. Isso sem contar a bela e atípica arte gráfica (feita em papel fosco e com um belo desenho de capa) feita pela Viral Graphics, da Grécia, e dirigida por Fernando Camacho. Excelente estreia.

http://www.facebook.com/theblackcoffins
http://www.myspace.com/theblackcoffins666
http://theblackcoffins.bandcamp.com/


Outras resenhas de Dead Sky Sepulchre - Black Coffins

Resenha - Dead Sky Sepulchre - Black Coffins



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro


Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin