Matérias Mais Lidas

imagemFãs detonam produção do Knotfest após anúncio do Pantera

imagemTrês novas bandas serão anunciadas como atrações do Knotfest Brasil

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemDiretora de escola censurada por pais por foto com camisa do Iron Maiden se arrepende

imagemSamuel Rosa chama guitarrista do Pearl Jam de "menino mimado" por quebrar instrumentos

imagemO carinhoso jeito de Axl Rose se desculpar com sua equipe pelo seu jeito imprevisível

imagemPantera tocará no festival Knotfest Brasil, segundo jornalista

imagemOzzy diz que chamou Jimmy Page para novo álbum, mas guitarrista nunca respondeu

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemDave Mustaine não queria usar as ideias de Ellefson, diz ex-baixista do Megadeth

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemMúsico de Los Angeles compartilha foto recente de Alex Van Halen

imagemDave Mustaine revela que Megadeth gravou cover do Judas Priest para a Amazon

imagemAmy Lee surpreende ao escolher os melhores cantores (e cantoras) de todos os tempos


2022/07/09
2022/08/18

Graveyard: uma das maiores revelações do Hard Rock "retrô"

Resenha - Lights Out - Graveyard

Por Junior Frascá
Em 17/01/13

Nota: 9

Em 2011, quando os suecos do GRAVEYARD lançaram seu segundo álbum, "Hisingen Blues", público e crítica teceram diversos elogios à banda, como uma das maiores revelações do hard rock "retro" dos últimos tempos. E em 2012, com esse fantástico "Lights Out", os caras reforçam ainda mais essa constatação, lançando um disco brilhante, que consegue superar seu antecessor.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Totalmente voltado à década de 70, esse quarteto traz uma sonoridade pesada e muito cativante, com ótimas influências de blues, classic rock e até de stoner metal, tudo bem dosado e equilibrado, com muita personalidade, sem ficar se prendendo à fórmulas ou tarifando sua sonoridade.

Em relação ao disco anterior, "Lights Out" é bem mais pesado e sombrio, e menos psicodélico, mostrando uma maior maturidade nos arranjos e nas harmonias criadas. Além disso, o excelente trabalho de guitarras contribui muito para o sucesso final do álbum, com um timbre sujo, e provando que nem sempre o excesso de distorção ou efeitos modernos é primordial para se conferir peso e agressividade ao instrumento.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Destaque também para os vocais de Joakim Nilsson, com um timbre muito cativante e variado, esbanjando atitude e sentimento em detrimento de uma técnica mais apurada, e que traz uma charme ainda maior à sonoridade da banda.

Assim, o disco segue com excelentes faixas, sejam as mais agitadas e rápidas, como "The Suits, The Law and The Uniforms" e "Goliath", seja nas mais arrastadas e influenciadas pelo blues, como "Slow Motion Countdown" (esta disparada a melhor do disco, e uma das melhores faixas que ouvi em 2012, com um clima melancólico bem estruturado, e linhas vocais viciantes) e "20/20 (Tunnel Vision). Mas não se engane, pois todas as 9 faixas apresentadas são excelentes, e fazem de "Lights Out" um dos álbuns mais marcantes de 2012.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Infelizmente "Lights Out" ainda não tem previsão de lançamento no mercado nacional, mas eis aqui um disco que vale cada centavo da aquisição. Se você curte o estilo ou apenas procura por boa música, é um disco que você não pode deixar de escutar, de preferência no volume máximo!

Lights Out - Graveyard
(2012 – Nuclear Blast - Importado)

1. An Industry of Murder
2. Slow Motion Countdown
3. Seven Seven
4. The Suits, The Law and The Uniforms
5. Endless Night
6. Hard Times Lovin
7. Goliath
8. Fool in the End
9. 20/20 (Tunnel Vision)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Wikimetal: Os melhores álbuns da última década

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá.