Matérias Mais Lidas

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemRegis Tadeu expõe como Spotify e YouTube fazem falcatrua para fraudar views

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemTommy Lee posta nude novamente, porém, em versão meio "Romero Britto"

imagemMegadeth divulga "Soldier On!", mais uma faixa do próximo disco; ouça aqui

imagemJoão Gordo compara anarcocapitalistas com quem acredita em terraplanismo

imagemPrika diz que fez "tudo errado" na primeira turnê da Nervosa, mas aprendeu lição

imagemGeddy Lee e Alex Lifeson tocam clássica do Rush em evento nos EUA

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemNergal diz que vocalista do Arch Enemy é mais corajosa do que muito metaleiro homem


Stamp

Silent Cell: no rastro do metal alternativo

Resenha - Absence Of Hope - Silent Cell

Por Ben Ami Scopinho
Em 26/11/12

Nota: 8

Que excelente banda iniciante... Ainda que já atuasse tocando covers pela região de Bragança Paulista (SP) há alguns anos, foi somente no comecinho de 2010 que o Silent Cell tomou forma para elaborar suas próprias canções. O resultado deste processo todo agora alcança o público com o independente "The Absence Of Hope", com uma impetuosidade típica de quem ambiciona uma merecida e maior projeção no cenário underground.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O grande lance do Silent Cell é a forma como absorve e processa suas influências. O ponto de partida é a safra do metal alternativo norte-americano, mas "The Absence Of Hope" é mais um exemplo de como inúmeros artistas brasileiros possui uma intrigante capacidade de fazer as coisas de um jeito bastante especial. As referências estão lá, evidentes, mas em linhas gerais este pessoal possui uma capacidade intuitiva e analítica consideravelmente amadurecidas, cujo efeito é um repertório seguro e impactante.

Distorção, melodias e até mesmo os contestados elementos eletrônicos são utilizados com sabedoria, além de um desempenho vocal cujas linhas limpas e berros acrescentam muito às canções. A trinca inicial é de tirar o fôlego – em especial "Addicted" –, mas há muita coisa acontecendo ao longo dos 40 minutos de audição. Outro grande destaque é a faixa-título e a ótima releitura de "What's On Your Mind (Pure Energy)", hit synthpop do Information Society que não saía das rádios no final dos anos 1980.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Os paulistas admitem estar no rastro de Stone Sour, Slipknot, Korn e Disturbed. Fato. E mesmo que o Silent Cell ainda não tenha conseguido disfarçar a contento algumas destas influências, "The Absence Of Hope" é um primeiro disco que pode ser considerado como um diamante bruto, que, como tal, tem uma proposta que será lapidada ao longo do tempo. Grande estreia de uma banda que merece ser acompanhada de perto. Parabéns aos caras!

Contato:
http://www.myspace.com/silentcellcentral
http://www.reverbnation.com/silentcellmusic

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Formação:
Michael Matt - voz
Marcelo Leme - guitarra
Adonai Teixeira - baixo
Marco 'Horror' De Sordi - bateria e voz

Silent Cell - The Absence Of Hope
(2012 / independente – nacional)

01. Devoted
02. Addicted
03. Broken Mir
04. All That You Left Behind
05. In The Absence Of Hope
06. This Burden
07. 2000 Miles Deep
08. Stronger Alone
09. What's On Your Mind (Pure Energy)
10. The Lazenby Effect


Outras resenhas de Absence Of Hope - Silent Cell

Resenha - Absence Of Hope - Silent Cell

Resenha - Absence Of Hope - Silent Cell

Resenha - Absence Of Hope - Silent Cell

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.