Porcupine Tree: Peso e sequências harmônicas brilhantes

Resenha - Fear of a Blank Planet - Porcupine Tree

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Victor Freire
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Profetizando um pouco, daqui a alguns anos, tenho plena conficção de que o Porcupine Tree será apontado como o novo Pink Floyd. A banda é de um estilo único, consegue misturar peso e sequências harmônicas brilhantes em suas músicas.
5000 acessosIron Maiden: "se as bandas de metal mandassem no mundo..."5000 acessosIron Maiden: a concepção original de Eddie

Com 50 minutos de duração distribuídas em 6 faixas, os britânicos do Porcupine Tree nos levam pela realidade atual do mundo nesse álbum, falando sobre a ilusão que muitos acreditam ser a vida. A banda conta com toda a intelectualidade de Steven Wilson (guitarra e vocal principal), John Wesley (guitarra), Gavin Harrison (bateria), Richard Barbieri (teclado e sintetizador) e Colin Edwin (baixo).

Esse álbum é de uma grandeza inimaginável, a abertura fica por conta das teclas do computador de Fear of a Blank Planet, anunciando que todo o planeta está condenado a viver "em branco", preso no mundo da internet.

Sem pausas, o álbum continua na brilhante My Ashes, e sua suave melodia. A letra fala sobre esperança, depois de toda a "destruição" anunciada na primeira faixa do álbum, o Porcupine Tree fala que ainda existe uma salvação. Ou, sendo mais específico, no refrão a banda nos diz: "E as minhas cinzas irão achar um caminho em meio à nevoa, e retornar para salvar a criança que eu esqueci", não precisa dizer mais nada.

O que mais gosto desse álbum é que você não pode escutar simplesmente uma única música, o álbum todo é uma sequência e deve ser respeitada. Por exemplo, My Ashes perde o sentido se não for escutada na sequência de Fear of a Blank Planet, e a maior obra-prima do Porcupine Tree, Anesthetize, também é assim.

Anesthetize é uma faixa épica com 17 minutos de duração, que nunca me canso de escutar, tamanha a sua grandiosidade. A quantidade de riffs presentes nela é gigantesca, não sei como a banda consegue memorizá-los e executá-los nos seus shows. Variações no ritmo da música também deixam ela melhor e não a torna cansativa. Analisando a letra, podemos ver que toda a luta que foi travada em My Ashes foi perdida, a personagem se isola em seu mundo, aliás, no nosso mundo. Podemos ver na letra frases como: "Apenas a MTV dita a filosofia, estamos perdidos no shopping andando feito zumbis entre as lojas". Que atire a primeira pedra quem não vive nesse mundo. Poucas pedras serão lançadas, eu sei. Essa é a música que define tudo o que o Porcupine Tree é, e é o ponto chave desse álbum.

Após toda a "eletricidade" de Anesthetize, a banda diminui um pouco o ritmo com Sentimental. O que gosto também do álbum é a sua sequência de fato, alterna entre músicas pesadas e mais lentas. Em Sentimental nos é mostrado a continuação do mundo após Anesthetize, em outras palavras, a vida dos filhos das pessoas que vivem hoje no mundo. Eles acabam seguindo a mesma estrada do consumismo e da ilusão que seus pais seguiram. A letra mostra um certo arrependimento por parte da personagem, mas, mostra uma confusão na cabeça dela ao mesmo tempo.

A psicodélica Way Out of Here dá continuidade ao álbum, sugerindo que só nos resta fugir dessa "realidade", fugir da hipocrisia e da falsidade. Ou, como a letra diz: "E as janelas trancadas e cortinas fechadas, e eu apaguei minhas pistas. Me livrei do meu carro e vou até esquecer o meu nome".

A excelente Sleep Together encerra essa obra-prima do rock progressivo, misturando peso e os efeitos no sintetizador, dando um tom bem característico à música. Unindo desespero com dúvida, e ao mesmo tempo mostrando a solução para tudo, quando a letra nos diz: "Vamos dormir juntos neste momento, aliviar a pressão de algum modo, desligue o futuro neste momento, vamos dormir para sempre". A sensação que eu tenho ao escutar essa música é que a guerra travada no álbum não pode ser vencida, mas nós podemos escolher não se juntar à loucura do mundo, e é o que é sugerido na música.

Concluindo, o Fear of a Blank Planet é um álbum muito rico musicalmente e traz uma temática que eu particularmente gosto bastante, o mundo atualmente.

1."Fear of a Blank Planet" (Steven Wilson) – 7:28
2."My Ashes" (Richard Barbieri/Steven Wilson) – 5:07
3."Anesthetize" (Steven Wilson) – 17:46
4."Sentimental" (Steven Wilson) – 5:26
5."Way Out of Here" (Steven Wilson/Richard Barbieri/Colin Edwin/Gavin Harrison) – 7:37
6."Sleep Together" (Steven Wilson) – 7:28

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Fear of a Blank Planet - Porcupine Tree

3310 acessosPorcupine Tree: mais progressivo que metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Porcupine Tree"

Classic RockClassic Rock
Os 50 maiores álbuns de rock progressivo

Steven WilsonSteven Wilson
Não existe mais guitarra pesada hoje no metal

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Porcupine Tree"

Iron MaidenIron Maiden
"Se as bandas de Metal mandassem no mundo..."

Iron MaidenIron Maiden
A concepção original e os primórdios do mascote Eddie

Iron MaidenIron Maiden
Conheça a equipe e família que viaja com a banda

5000 acessosSonho de Consumo: os 10 palcos de shows mais desejados5000 acessosPantera: "odiei gravar Cowboys From Hell", diz Phil Anselmo5000 acessosComo Conservar e Recuperar Cordas de Baixo5000 acessosLauren Harris: Como é ser filha do baixista do Iron Maiden5000 acessosBlaze Bayley: "Não tinha comida. Tive que esmolar."5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet

Sobre Victor Freire

Professor universitário e mestre em Engenharia Mecânica pela UFRN. Nascido no deserto de Mossoró/RN. É fã e colecionador de itens relacionados ao rock´n´roll. Editor-chefe do blog Rock´N´Prosa e guitarrista do Godhound. Acessa o Whiplash! desde a infância e colabora com o site sempre que possível.

Mais matérias de Victor Freire no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online