Glória: Banda soa mais pesado que nunca

Resenha - (Re)Nascido - Glória

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por David Oaski
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 6

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Glória é uma banda brasileira, formada em São Paulo, no ano de 2002. O grupo se caracteriza desde o princípio por fazer um som mais pesado que as bandas contemporâneas, como NX Zero, Fresno, entre outras, no entanto os rótulos para definir o som do Glória são diversos, já tendo sido mencionado como screamo, metalcore, hardcore, pop, entre outros.
5000 acessosMötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda5000 acessosSlash: Saul Hudson explica qual a origem de seu apelido

Creio que a definição mais correta seja realmente o metalcore, pois os vocais guturais do vocalista principal Maurício, alternado com os vocais limpos do guitarrista Elliot, unido ao som pesado, rápido e coeso da banda, lembrando muito o Avenged Sevenfold, por exemplo, com a diferença fundamental das letras em português.

Nesse último disco, a banda soa mais pesada do que nunca, se libertando das amarras do controverso produtor Rick Bonadio, mentor do último lançamento da banda, "Glória", de 2009, onde a banda soava mais pop, tentando atingir um público maior.

Em (Re) Nascido, lançado em Maio desse ano, o Glória volta com agressividade e melodia na medida certa, com total autonomia na composição e autoria das canções, a banda parece ter encontrado sua identidade, com influência citada de Lamb of God,Trivium e Mastodon, o som da banda amadureceu, com mais harmonia e canções mais fluentes.

O disco abre com "Bicho do Mato" e já dá o tom do que está por vir, ritmo acelerado, gritos e agressividade, harmonizando com os vocais limpos, porém sem amenizar na porrada.

Na sequência vem "É Tudo Meu", um esporro que poderia ter sido gravado por qualquer uma das bandas do gênero na atualidade. A letra é tão pesada quanto a música com direito a xingamentos, provavelmente direcionados a uma pessoa egoísta que se exime sempre da sua culpa. Detalhe que nessa música há somente os vocais guturais, não dando espaço a voz mais pop de Elliot.

A seguir vem o primeiro single lançado após o lançamento oficial do álbum, "Arte De Fazer Inimigos", cuja letra é uma parceria improvável com Lucas Silveira, da Fresno (?!). A música é uma das melhores do play, novamente com vocais alternados, sendo os limpos no refrão, com Maurício dizendo que é muito bom em fazer inimigos. Destaque para o baterista Eloy Casagrande, que deixou a banda para tocar no Sepultura, mas gravou todo o álbum. A banda lançou um videoclipe para essa canção que está tendo ótima repercussão na Mtv.

"Presságio" inicia como uma ópera, com um violino, seguido com uma porrada, é uma das mais pesadas do disco e um dos destaques. Possui um refrão marcante e andamento próximo ao hardcore, sempre alinhado ao vocal gritado de Mauricio, dando vez aos vocais limpos no refrão. No final da música, a banda reduz o andamento, o violino retorna para novamente voltar ao hardcore, dessa vez com o violino sobreposto.

"Só Eu Sei?" se destaca pela letra, uma espécie de protesto revoltado contra tudo que se desmorona ao seu redor. Nessa música incomoda um pouco o excesso dos vocais limpos, pelo peso e letra da música, encaixaria melhor a agressividade permanente na música.

"Desalmado" inicia com as guitarras entrelaçadas de Elliot e Peres (guitarra solo), seguindo com vocal gutural, o vocal limpo é diferente, não consegui identificar se é feito por Elliot, mas não parece. A letra fala sobre alguém totalmente desprezível, com um "odeio você" meio infantil repetido a esmo de forma desnecessária.

A faixa 7, "Pétalas", inicia com alguns acordes de guitarra bem suaves, anunciando o verso gritado por Maurício, seguido no verso seguinte pelos vocais limpos de Elliot. Essa faixa lembra mais o Gloria pop do disco anterior, com maior espaço para os vocais limpos, letra sobre relacionamento e tudo mais. O destaque da música é um bom solo de guitarra executado por Peres.

A faixa título "(Re)Nascido" começa com um ótimo riff que ganha companhia da guitarra base logo na sequencia. Novamente uma canção com pegada hardcore e letra com discurso motivacional, típico das bandas atuais. Outro destaque do disco.

"Grito" segue a linha de outras músicas do disco, soando repetitiva, novamente uma pegada rápida e letra não muito inspirada. Há uma virada, com Maurício gritando, voltando para um último 'desabafo'.

"Sangue" foi o primeiro single, lançado antes da liberação do disco. Tem um andamento mais aproximado do metal, com a letra seguindo uma temática mais densa. Novamente destaque para o baterista Casagrande espancando seu instrumento com bons riffs de Peres. Outra das melhores faixas do disco.

Fechando o disco, vem "Horizontes", com um início suave e Maurício fugindo das suas características cantando de forma suave os primeiros versos, para voltar a gritar, anunciando o refrão de Elliot. Possui boas passagens de guitarra e é uma faixa que se diferencia das outras e foi uma ótima escolha para encerrar o álbum.

Ao final da audição, percebe-se que o Gloria não é uma banda genial ou revolucionária, mas tem seu valor no que se propõe a fazer e tem seu valor e mérito no cenário atual do rock nacional, pois fazer um som agressivo e pesado, com letras em português, com competência não é pra qualquer banda.

Ainda há quem tenha preconceito devido ao visual dos caras, por vezes são tachados de emos, porém como sempre digo o importante é o som e nisso eles estão evoluindo a cada disco.

Confesso que me incomoda o excesso na utilização dos vocais limpos de Elliot, creio que o ponto forte seja realmente a agressividade, além disso, o formato das músicas por vezes ainda soa repetitivo, revezando agressividade, melodia no refrão, um intervalo pras guitarras, uma virada e o ciclo se repete. No entanto, o disco é provavelmente o melhor da carreira dos caras e se você gosta dessa praia do metalcore, com certeza irá curtir o trabalho.

A arte de fazer inimigos do Glória realmente procede, pois os headbangers acham que eles são posers, muitos rockers os acham pesados demais, as rádios também. O que eu acho? Que cada um tem que ouvir e tirar suas conclusões, independente de rótulos ou preconceitos.

Disponível também em:

http://rockideologia.blogspot.com/2012/08/renascido-gloria.h...

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de (Re)Nascido - Glória

4941 acessosGlória: Em novo álbum, a banda tenta (re)nascer. Só tenta.

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 15 de agosto de 2012

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Gloria"

SepulturaSepultura
O solo de Eloy que fez o RIR aplaudir o Gloria

Andreas KisserAndreas Kisser
"Eloy Casagrande talvez não seja humano"

QueenQueen
Brasileiro regrava o clássico "Bohemian Rhapsody" sozinho

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Gloria"

Mötley CrüeMötley Crüe
A ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda

SlashSlash
Saul Hudson explica qual a origem de seu apelido

SabatonSabaton
Exército brasileiro retribuiu homenagem da banda sueca

5000 acessosSteve Vai: O dia em que ele foi humilhado por Chimbinha5000 acessosChris Cornell: cantor usou aparelho de escalada para tirar a vida5000 acessosPattie Boyd: o infernal triângulo com George Harrison e Eric Clapton5000 acessosAC/DC: Axl conta por que Angus vive correndo no palco5000 acessosCrítica e representação da Guerra do Vietnã no rock dos anos 19605000 acessosPaul Di'Anno: Convertido ao Islã, vocalista comenta fanatismo

Sobre David Oaski

David Oaski é editor do blog Ideologia Rock, colunista do site Stereo Pop Club e colabora frequentemente com os sites Galeria Musical e Whiplash, além de já ter escrito para outras plataformas online. Amante de música (principalmente rock) independente de rótulos, escreve por hobby e para exercitar o senso crítico.

Mais matérias de David Oaski no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online