Aerosmith: Em 1975, a transposição do Classic para o Hard

Resenha - Toys In The Attic - Aerosmith

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Se há uma banda que soube transpor a linguagem do classic rock para o hard, é justo conceder a honra ao AEROSMITH. Veja bem: não me refiro ao som em si - o CREAM e outros já haviam feito isso antes - mas sim dos estereótipos clássicos do rock n'roll daquela época: o vocalista andrógino, o guitarrista boa pinta fazendo backing no mesmo microfone, o show festeiro e bem produzido. Não vou comparar como muitos já fizeram a dupla de frente do quinteto de Boston com JAGGERS e RICHARDS- prefiro dizer que eles ampliaram o repertório dos bastidores do rock n'roll, fazendo a coisa "certa" de acordo com o manual dos anos setenta.

Sons Of Apollo: banda toca "Dream On" , do Aerosmith, com orquestra; assistaJudas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal

Depois de gravar dois tremendos discos - "Aerosmith" (1973) e "Get your Wings" (1974) - no ano seguinte, foi registrado o clássico seminal da banda: "Toys in The Attic" apresentava uma linguagem ampla, recheado de influências de country rock, swing e jump blues, bem dosados e distribuídos em oito cacetadas certeiras.

Produzido por Jack Douglas (o mesmo do disco anterior), o disco foi recepcionado pelo jornalista da AllMusic, Stephen Erlewine - conhecido pela crítica ácida - como "uma mistura de LED ZEPPELIN com ROLLING STONES". De fato, o que se observa aqui é uma feliz mistura entre o amplo vocabulário de PLANT e companhia com a simplicidade e energia dos registros dos STONES naquela década.

"Toys In The Attic" abre o disco, na melhor linha "quebrando tudo" - explosiva e com uma qualidade de registro de som excelente. A música que já foi regravado por grupos tão distantes quanto REM e METAL CHURCH possui um clima levemente sombrio graças a sua estrutura melódica em tom menor - o que provou ser uma aposta certa da banda para uma pancada como essa. "Uncle Salty" é sensacional e seus versos foram claramente usurpados por SHANIA TWAIN, vinte anos depois para "Man I feel Like a Woman" - escute e confira. Ou melhor ainda, não dê moral- é plágio mesmo.

Na sequência, "Adam's Apple" vem quebrando tudo, mostrando que JOE PERRY é mesmo o cara quando põe um bottleneck no dedo. "Walk This Way" e "Sweet Emotion" são os exemplo máximos do quanto essa banda consegue atingir uma amplitude musical induvidosa: a primeira - que foi responsável pelo ressurgimento artística da banda em 1986 - é totalmente "para cima" - swingada e com o melhor riff da carreira do AEROSMITH. Já "Sweet", com seu conceito futurista na introdução, é repleta de dinâmicas de primeira - da calmaria à energia total - e vice versa.

A atmosfera "New Orleans" fica por conta de "Big Ten Inch Record", em clima de jam session total, recheado de solos curtos e eficientes. "No More No More" é boa até o talo, com cara de clássico ao vivo e "You See Me Crying" mostra o quanto a banda era boa em fazer baladas- porque convenhamos as feitas nos últimos anos pelo grupo são de doer.

Conclusão: necessário!!

Track List:

1. "Toys in the Attic"
2. "Uncle Salty"
3. "Adam's Apple"
4. "Walk This Way"
5. "Big Ten Inch Record"

1. "Sweet Emotion"
2. "No More No More"
3. "Round and Round"
4. "You See Me Crying"


Outras resenhas de Toys In The Attic - Aerosmith

Resenha - Toys In The Attic - AerosmithAerosmith: Tirando os brinquedos do sótão




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Aerosmith"


Sons Of Apollo: banda toca "Dream On" , do Aerosmith, com orquestra; assista

Oooops: Steven Tyler cai no palco durante show; assistaOooops
Steven Tyler cai no palco durante show; assista

Os anos do Heavy Metal: A decadência e a renovação do estiloAerosmith: o "bis secreto" dos shows da banda, segundo Steven Tyler

Liv Tyler: é meio difícil ser filha de um Rock StarLiv Tyler
"é meio difícil ser filha de um Rock Star"

Steven Tyler: problemas do mundo se resumem à falta de sexoSteven Tyler
Problemas do mundo se resumem à falta de sexo

Aerosmith: A depressão quase me matou, diz Joey KramerAerosmith
"A depressão quase me matou", diz Joey Kramer


Judas Priest: 10 fatos que comprovam que eles são Heavy MetalJudas Priest
10 fatos que comprovam que eles são Heavy Metal

Show de Rock: as diferenças entre os anos 80 e 2010Show de Rock
As diferenças entre os anos 80 e 2010

Metallica: ouça Nothing Else Matters em escala maiorMetallica
Ouça "Nothing Else Matters" em escala maior

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?E-Farsas: Papa Francisco era fã do Black Sabbath?Guns N Roses: Bon Jovi fez com Steven Tyler o que ele fez com AxlIron Maiden: Jimmy Page relembra Rock in Rio de 2001

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.