RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Aerosmith: Em 1975, a transposição do Classic para o Hard

Resenha - Toys In The Attic - Aerosmith

Por Paulo Severo da Costa
Postado em 27 de junho de 2012

Nota: 10

Se há uma banda que soube transpor a linguagem do classic rock para o hard, é justo conceder a honra ao AEROSMITH. Veja bem: não me refiro ao som em si - o CREAM e outros já haviam feito isso antes - mas sim dos estereótipos clássicos do rock n´roll daquela época: o vocalista andrógino, o guitarrista boa pinta fazendo backing no mesmo microfone, o show festeiro e bem produzido. Não vou comparar como muitos já fizeram a dupla de frente do quinteto de Boston com JAGGERS e RICHARDS- prefiro dizer que eles ampliaram o repertório dos bastidores do rock n´roll, fazendo a coisa "certa" de acordo com o manual dos anos setenta.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Depois de gravar dois tremendos discos - "Aerosmith" (1973) e "Get your Wings" (1974) - no ano seguinte, foi registrado o clássico seminal da banda: "Toys in The Attic" apresentava uma linguagem ampla, recheado de influências de country rock, swing e jump blues, bem dosados e distribuídos em oito cacetadas certeiras.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Produzido por Jack Douglas (o mesmo do disco anterior), o disco foi recepcionado pelo jornalista da AllMusic, Stephen Erlewine - conhecido pela crítica ácida - como "uma mistura de LED ZEPPELIN com ROLLING STONES". De fato, o que se observa aqui é uma feliz mistura entre o amplo vocabulário de PLANT e companhia com a simplicidade e energia dos registros dos STONES naquela década.

"Toys In The Attic" abre o disco, na melhor linha "quebrando tudo" - explosiva e com uma qualidade de registro de som excelente. A música que já foi regravado por grupos tão distantes quanto REM e METAL CHURCH possui um clima levemente sombrio graças a sua estrutura melódica em tom menor - o que provou ser uma aposta certa da banda para uma pancada como essa. "Uncle Salty" é sensacional e seus versos foram claramente usurpados por SHANIA TWAIN, vinte anos depois para "Man I feel Like a Woman" - escute e confira. Ou melhor ainda, não dê moral- é plágio mesmo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Na sequência, "Adam´s Apple" vem quebrando tudo, mostrando que JOE PERRY é mesmo o cara quando põe um bottleneck no dedo. "Walk This Way" e "Sweet Emotion" são os exemplo máximos do quanto essa banda consegue atingir uma amplitude musical induvidosa: a primeira - que foi responsável pelo ressurgimento artística da banda em 1986 - é totalmente "para cima" - swingada e com o melhor riff da carreira do AEROSMITH. Já "Sweet", com seu conceito futurista na introdução, é repleta de dinâmicas de primeira - da calmaria à energia total - e vice versa.

A atmosfera "New Orleans" fica por conta de "Big Ten Inch Record", em clima de jam session total, recheado de solos curtos e eficientes. "No More No More" é boa até o talo, com cara de clássico ao vivo e "You See Me Crying" mostra o quanto a banda era boa em fazer baladas- porque convenhamos as feitas nos últimos anos pelo grupo são de doer.

Conclusão: necessário!!

Track List:

1. "Toys in the Attic"
2. "Uncle Salty"
3. "Adam's Apple"
4. "Walk This Way"
5. "Big Ten Inch Record"

1. "Sweet Emotion"
2. "No More No More"
3. "Round and Round"
4. "You See Me Crying"


Outras resenhas de Toys In The Attic - Aerosmith

Resenha - Toys In The Attic - Aerosmith

Resenha - Toys in the Attic - Aerosmith

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]
Mais matérias de Paulo Severo da Costa.