RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemJimmy Page diz não haver gênio no rock - mas um gênio fez ele se contradizer

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemAs 20 melhores músicas do Nightwish, em lista da Metal Hammer

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRússia pede para que Roger Waters fale com a ONU sobre a situação da Ucrânia

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de “Eu Quero Ver o Oco” do Raimundos?

imagemBruce Dickinson explica como cuida de sua voz

imagemRoger Waters ataca a Ucrânia e é ofendido por esposa de David Gilmour


Def Leppard Motley Crue 2

Bejelit: Recalibrada em estilos saturados pela exposição

Resenha - Emerge - Bejelit

Por Marcos Garcia
Postado em 25 de junho de 2012

Nota: 9

Tem dias que ser fã de Metal sem divisionismos nos traz enormes satisfações, e gratas surpresas, já que sempre surgem nomes novos e fortes que dão uma recalibrada em estilos já um pouco saturados pela exposição.

O BEJELIT, vindo da Itália, é um desses que ajudam a dar uma renovada, já que foge das fórmulas consagradas de se fazer Power Metal, e assim, se saem muito bem com seu CD novo, 'Emerge', seu quarto Full Length, que acaba de sair pela Bakerteam Records.

O que este quinteto italiano apronta é uma fórmula bem nova, e que pareceria estranha a muitos: mixa em sua música as características do Power Metal com elementos mais secos e agressivos do Heavy Metal Tradicional e Thrash, bem empolgante e garbosa, e pronto: temos um discaço saindo do forno.

Tendo Sandro e Giulio Capone na produção, fora a mixagem feita por Nino Laurenne (SONATA ARCTICA, AMORPHIS, WINTERSUN, ELVENKING), feita nos Sonic Pump Studios em Helsinque, e a masterização de Svante Forsbäck nos Chartmakers Studios (RAMNSTEIN, KORPIPLAANI, AMORPHIS), a sonoridade pesada e límpida que flui dos falantes é de uma qualidade ótima, e nada fica oculto do ouvinte, e sempre mantendo o peso. A arte, feita por Seth Siro Anton (Kamelot, Exodus, Paradise Lost), é linda e bastante atraente.

Transitando entre letras intimistas com fundos épicos, a aura positiva que emana do disco é algo de absurdamente bom, sabendo ainda por cima ser um festival de ótimos vocais (que não exageram em agudos, mas busca usar tons mais normais, mesmo quando são altos), grandes riffs e solos de guitarra, baixo firme e sabendo não só marcar, e uma ótima bateria, pesada e que foge bastante dos bumbos duplos, sabendo quebrar ritmos e variar os andamentos. Isso sem falar nos instrumentos convidados: Giancarlo Salaris no acordeão em 'Dancerous' e 'Deep Waters', Laura Brancorsini nas cordas em 'Dancerous', 'Deep Waters' e 'Boogeyman', Niccolò Dagradi no solo em 'The Defending Dreams Battle' e 'To Forget and to Forgive', e Luana Didò nos coros.

A banda forma um time de músicos bem homogêneo, que sabe o que faz com seus instrumentos, e o que quer fazer de sua música, então, é mais um disco para ser ouvido infinitas vezes, especialmente por conta de faixas como 'The Darkest Hour', que sabe oscilar bastante entre momentos rápidos e mais melodiosos, com guitarras muito bem trabalhadas; 'C4', com seus riffs ótimos, bem como grandes vocalizações e andamento não tão veloz, assim como na forte 'Don't Know What You Need', onde os bumbos duplos surgem com mais regularidade e com grandes backing vocals; 'Emerge', que tem vídeo na net e se mostra uma música mais agressiva, com riffs empolgantes e grande refrão; a semibalada mais emotiva e cativante 'To Forget and to Forgive'; 'Dancerous', mais épica e com a bateria mostrando bom trabalho; 'Triskelion', com alguns momentos bem Prog Metal; a épica e longa 'Deep Waters', com belos teclados e guitarras, especialmente nos solos, e apesar de seu tamanho, não cansa o ouvinte, mas o embala por mais de dez minutos; e a linda acústica 'Boogyman', bem climática, que fecha o CD com chave de ouro.

Uma banda que, apesar de ter quatro CDs, é meio desconhecida por aqui, mas merece ser citada, e mais ainda ouvida e apreciada.

Bejelit - Emerge
(2012 – Bakerteam Records – Importado)

Tracklist:

01. The Darkest Hour
02. C4
03. Don't Know What You Need
04. Emerge
05. We Got the Tragedy
06. To Forget and to Forgive
07. Dancerous
08. Triskelion
09. Fairygate
10. The Defending Dreams Battle
11. Deep Waters
12. DefCon/13
13. Boogyman

Formação:

Fabio Privitera - Vocais
Sandro Capone – Guitarras
Marco Pastorino – Guitarras
Giorgio Novarino – Baixo
Giulio Capone – Bateria e teclados

Contatos:

http://www.bejelit.com
http://www.facebook.com/bejelit
http://www.myspace.com/bejelit
http://www.twitter.com/bejelitband
http://www.youtube.com/bejelitband
general info: [email protected]
booking: [email protected]
merch: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

LGBT: confira alguns músicos que não são heterossexuais


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".
Mais matérias de Marcos Garcia.