Command6: Black Flag é álbum digno de primeiro mundo

Resenha - Black Flag - Command6

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar Correções  

10


A garra e a vontade de vencer dentro do underground são duas forças motrizes bem fortes, e que levam algumas bandas a limites extremos, e algumas vezes, os resultados são sublimes, algo digno de primeiro mundo. E o COMMAND6, quinteto de São Paulo, consegue isso em seu CD ‘Black Flag’.

Led Zeppelin: por que Robert Plant não gosta de cantar "Stairway to Heaven"?Sarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais

Em uma mistura de elementos que não permite muitos rótulos, a banda faz um Metalzão agressivo, melodioso, pesado, intenso e moderno, sem se prender a este ou aquele estilo, tendo garra e vitalidade de sobra, e assim chegaram a algo muito personalizado e instigante, com vocais ora ríspidos, ora mais melodiosos, riffs e solos de guitarra bem encaixados e trabalhados, baixo vibrante, pesado e que nem sempre fica só na marcação, bem como a bateria é pesada e variada na medida certa, sem que nenhum desses elementos atravesse o som ou atrapalhe os outros.

Produzido por Bruno Luiz e Adair Daufembach, e sendo que este último é quem fez a gravação, mixagem e masterização do CD, temos uma sonoridade que sangra vitalidade a cada música, com uma sonoridade translúcida e pesada, sejam nos momentos mais esporrentos, sejam nos mais amenos. A produção visual da capa ficou ótima, bem antenada com uma proposta lírica da banda.

Depois de várias ouvidas, chega-se a conclusão simples que o CD é nivelado por cima, e o destaque positivo das faixas é algo difícil porque o próprio ouvinte sentirá certo peso em seu coração de dizer que esta ou aquela música é o destaque, mas fazendo uma força aquiliana, podemos destacar a ótima e trampada ‘Crush the World’, em um quase Thrash raçudo, pesado e com ótimos riffs, mas com certa cadência, e vocais ‘hetfieldianos’ em sua melhor forma; a rápida e voraz ‘Ace in the Hole’, onde os vocais de Wash chegam a quase deixar o ouvinte com os ouvidos dando sinal de ocupado; a emotiva e densa ‘Sunshine’, com melodias muito bem estruturadas; a ganchuda ‘Dawn of Man’, onde as melodias e a agressividade seca da banda se mesclam em uma mistura bem homogênea; a grandiosa ‘Black Flag’, icônica e com fortes melodias de guitarras, fora vocalizações absurdas; e a excelente versão para ‘Maior Abandonado’, do BARÃO VERMELHO, que ficou pesada e agressiva, e com uma técnica não vista na clássica versão original.

Enfim, mais um disco excelente, e que pode ser baixado de graça no site da banda.

Aproveitem a oportunidade e caiam dentro, pois o COMMAND6 será, em breve, um dos nomes mais fortes do Metal daqui com certeza!

Black Flag
(2012 – Independente – Nacional)

Tracklist:
01. Crush the World
02. Ace in the Hole
03. Sunshine
04. Dawn of a Man
05. So Cold
06. Brainwash
07. Black Flag
08. Brand New Day
09. Lies So Pure
10. Logic or Nonsense
11. Maior Abandonado

Formação:
Wash – Vocais
Bruno Luiz – Guitarras
Attílio Negri – Guitarras
Johnny Hass – Baixo
Bugas – Bateria

Contatos:
https://www.facebook.com/command6
http://www.command6.com


Outras resenhas de Black Flag - Command6

Resenha - Black Flag - Command6Resenha - Black Flag - Command6Resenha - Black Flag - Command6Resenha - Black Flag - Command6



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Led Zeppelin: por que Robert Plant não gosta de cantar Stairway to Heaven?Led Zeppelin
Por que Robert Plant não gosta de cantar "Stairway to Heaven"?

Sarcófago: Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito maisSarcófago
Wagner fala da banda, radicalismo, Ghost e muito mais


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin