Resenha - Apocalipse XVIII - Coração de Herói

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O Coração de Herói é a nova banda de Marcelo "Soldado" Nejen (ex-Korzus e Treta HC), que aqui, além das guitarras, assume também os vocais. Ao seu lado estão Tomatti (guitarra), Rafa (baixo) e Paulinho (bateria). O som do grupo é uma amálgama entre thrash metal e hardcore, com bastante peso e agressividade.

Dimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músicoAvenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30

Produzido por Heros Trench e Marcello Pompeu, o primeiro disco do Coração de Herói apresenta uma sonoridade bem orgânica, viva, que agrada de imediato. O timbre áspero das guitarras casa com a proposta do grupo, característica que, aliada a escolha da banda em cantar na língua portuguesa, torna a sua música diferenciada em um primeiro momento.

Porém, nem tudo são flores. Com exceção da faixa que dá nome à banda, as demais composições apresentam riffs requentados, que você já ouviu dezenas de vezes em outros grupos. Isso incomoda, porque cada música acaba remetendo a algo que você, mesmo inconscientemente, já conhece. Liricamente, as letras de Nejen exploram temas religiosos e bíblicos e, apesar de raramente caírem na pieguice, também não acrescentam muito ao trabalho, soando clichês na maior parte do tempo, isso quando não escorregam para a pregação de valores que não tem nada a ver com o rock, como acontece em "Aos Velhos Tempos".

A energia intensa da banda, preservada pela ótima produção, pode enganar os mais afoitos. No entanto, as ideias apresentadas pelo grupo nesse seu primeiro disco, de maneira geral, soam repetitivas, como se o quarteto redecorasse velhos clichês com uma nova embalagem e os reapresentasse aos ouvintes.

O Coração de Herói tem talento e potencial - e isso fica claro na música "Coração de Herói" e em alguns momentos ao longo do álbum -, mas precisa ser capaz de se descolar das suas influências, usando-as para encontrar a sua própria identidade e não como bengala para criar as suas músicas. Um disco interessante, mas que poderia ser muito melhor se a banda seguisse esse caminho.

Faixas:
Armadura
Coração de Herói
Colisão
Aos Velhos Tempos
Confronto Final
Sem Amanhã
Na Rua
Infante Combatente
Unidos pelo Sangue
Youngblood
Entre o Bem e o Mal
Apocalipse


Outras resenhas de Apocalipse XVIII - Coração de Herói

Coração de Herói: Mistura coesa entre Thrash e Hardcore




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Coração de Herói"


Dimebag Darrell: namorada fala sobre a vida e a morte do músicoDimebag Darrell
Namorada fala sobre a vida e a morte do músico

Avenged Sevenfold: The Rev dizia que não passaria dos 30Avenged Sevenfold
The Rev dizia que não passaria dos 30

Linkin Park: Chester Bennington abre o jogo sobre seu vícioLinkin Park
Chester Bennington abre o jogo sobre seu vício

Megadeth: as 10 maiores tretas de Dave MustaineIron Maiden: Bruce Dickinson e sua preferência pelo BrasilRock e Metal: os dez maiores Deuses dos RiffsNirvana: Dave responde o que fez Kurt sofrer

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.