Matérias Mais Lidas

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemAntes do Led Zeppelin, Robert Plant tentou entrar em outra banda famosa

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemPantera tocará no festival Knotfest Brasil, segundo jornalista

imagemMustaine diz que tentou criar ambiente agradável para gravação de novo álbum do Megadeth

imagemLed Zeppelin: O motivo pelo qual Jimmy Page não gosta de "All My Love"

imagemRolling Stones: Keith Richards compara tocar com Brian Jones, Mick Taylor e Ron Wood

imagemA reação de Stevie Ray Vaughan ao ouvir Jimi Hendrix pela primeira vez

imagemA reação do pai de Neil Peart quando ele se juntou ao Rush

imagemQuando 2.000.000 de calcinhas inflamáveis catapultaram a carreira de Alice Cooper

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemRick Wakeman relembra época em que o Yes abria show para o Black Sabbath

imagemTitãs: como surgiu o título do hit "Bichos Escrotos", segundo Nando Reis


Stamp
2022/07/09

Seita: Intercalando velocidade com seções cadenciadas

Resenha - Asymmetric Warfare - Seita

Por Ben Ami Scopinho
Em 10/04/12

Nota: 8

Na ativa desde 2006, o Seita se caracteriza por ser uma banda com músicos brasileiros que tem como base a Holanda, cuja repercussão do EP "Imprint Forever" (08) foi tão positiva possibilitou que mostrassem todo o extremismo de sua música em apresentações incendiárias pela Europa e Ásia. Muito trabalho duro em terras estrangeiras e o recrutamento do uruguaio Diego Gomez para o contrabaixo começaram a gerar frutos, tanto que o pessoal assinou com o selo alemão SAOL/cmm para a tão aguardada estreia em disco, "Asymmetric Warfare".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Asymmetric Warfare" mostra o Seita amadurecendo cada vez mais sua proposta e com uma sensível preocupação em oferecer canções cada vez mais diversificadas e sem perder o foco do Heavy Metal extremo. Intercalando velocidade com seções cadenciadas, sua mescla de Death e Thrash possui as raízes na velha escola do gênero, mas com um áudio final bem contemporâneo, com a escolha de ótimos timbres e a correta valorização de cada um dos instrumentos, que aparecem encorpados e muito definidos.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ou seja, o panorama global realmente é instigante para qualquer headbanger. Ainda que a audição se revele linear, dá para destacar a abertura "The Awakening", que resume bem o que é o Seita; a violentíssima "Batism", que segue uma linha mais Death Metal e, principalmente, "Ditadura", cheia de variações e cujo final se torna ainda mais emocionante pela inserção das melodias de "Pra não Dizer que não Falei das Flores", hino de resistência de Geraldo Vandré, proibido pelo câncer que foi a ditadura militar no Brasil nos velhos tempos.

Muitos artistas reclamam da falta de espaço e do difícil apoio por parte do público... São pontos importantes a serem considerados, mas é com bons discos que um artista vai construindo, aos poucos, sua reputação. Assim, se "Imprint Forever" já exibia um Seita com potencial de sobra, esta característica se cristaliza com "Asymmetric Warfare". Um ótimo trabalho, que mostra todo o jeito latino-americano de se fazer Heavy Metal!

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Contato:
http://www.myspace.com/seitaofficial

Formação:
Michel Gambini - voz e guitarra
Edson Munhoz - guitarra
Diego Gomez - baixo
Dom Mura - bateria

Seita - Asymmetric Warfare
(2012 / SAOL/cmm – importado)

01. The Awakening
02. Godlike
03. Know Your Enemies
04. The Riot Starter Inside Everyone
05. Reborn On Fire
06. What Cures
07. Baptism
08. Oppressive Redemption
09. No One But Me
10. Ditadura


Outras resenhas de Asymmetric Warfare - Seita

Resenha - Asymmetric Warfare - Seita

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/08/18


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Kurt Cobain e a banda brasileira que mexeu com ele: "eles foram muito revolucionários"

O trocadilho picante que Ney fazia em "Pro Dia Nascer Feliz" que Cazuza gargalhava


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.