Seita: Intercalando velocidade com seções cadenciadas

Resenha - Asymmetric Warfare - Seita

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Na ativa desde 2006, o Seita se caracteriza por ser uma banda com músicos brasileiros que tem como base a Holanda, cuja repercussão do EP "Imprint Forever" (08) foi tão positiva possibilitou que mostrassem todo o extremismo de sua música em apresentações incendiárias pela Europa e Ásia. Muito trabalho duro em terras estrangeiras e o recrutamento do uruguaio Diego Gomez para o contrabaixo começaram a gerar frutos, tanto que o pessoal assinou com o selo alemão SAOL/cmm para a tão aguardada estreia em disco, "Asymmetric Warfare".

"Asymmetric Warfare" mostra o Seita amadurecendo cada vez mais sua proposta e com uma sensível preocupação em oferecer canções cada vez mais diversificadas e sem perder o foco do Heavy Metal extremo. Intercalando velocidade com seções cadenciadas, sua mescla de Death e Thrash possui as raízes na velha escola do gênero, mas com um áudio final bem contemporâneo, com a escolha de ótimos timbres e a correta valorização de cada um dos instrumentos, que aparecem encorpados e muito definidos.

publicidade

Ou seja, o panorama global realmente é instigante para qualquer headbanger. Ainda que a audição se revele linear, dá para destacar a abertura "The Awakening", que resume bem o que é o Seita; a violentíssima "Batism", que segue uma linha mais Death Metal e, principalmente, "Ditadura", cheia de variações e cujo final se torna ainda mais emocionante pela inserção das melodias de "Pra não Dizer que não Falei das Flores", hino de resistência de Geraldo Vandré, proibido pelo câncer que foi a ditadura militar no Brasil nos velhos tempos.

publicidade

Muitos artistas reclamam da falta de espaço e do difícil apoio por parte do público... São pontos importantes a serem considerados, mas é com bons discos que um artista vai construindo, aos poucos, sua reputação. Assim, se "Imprint Forever" já exibia um Seita com potencial de sobra, esta característica se cristaliza com "Asymmetric Warfare". Um ótimo trabalho, que mostra todo o jeito latino-americano de se fazer Heavy Metal!

publicidade

Contato:
http://www.myspace.com/seitaofficial

Formação:
Michel Gambini - voz e guitarra
Edson Munhoz - guitarra
Diego Gomez - baixo
Dom Mura - bateria

Seita - Asymmetric Warfare
(2012 / SAOL/cmm – importado)

01. The Awakening
02. Godlike
03. Know Your Enemies
04. The Riot Starter Inside Everyone
05. Reborn On Fire
06. What Cures
07. Baptism
08. Oppressive Redemption
09. No One But Me
10. Ditadura

publicidade


Outras resenhas de Asymmetric Warfare - Seita

Seita: A mais gringa das brasileiras




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Wonder Years: O soundtrack do grande sucesso de público e críticaWonder Years
O soundtrack do grande sucesso de público e crítica

Led Zeppelin: por que Robert Plant não gosta de cantar Stairway to Heaven?Led Zeppelin
Por que Robert Plant não gosta de cantar "Stairway to Heaven"?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin