Resenha - Global Flatline - Aborted

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collector's Room
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Sétimo álbum da banda belga Aborted, "Global Flatline" desembarca no mercado brasileiro em mais um lançamento exclusivo da Shinigami Records. O play mostra o grupo em grande forma, comprovando o porque da grande reputação que possui junto ao público.

Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateKiss sobre Secos e Molhados: "há quem acredite em OVNIs"

Com faixas curtas e mais diretas - a exceção é "Endstille", que fecha o disco com uma pancadaria de mais de seis minutos -, "Global Flatline" é uma pancada de respeito. Equilibrando uma agressividade brutal com ótima técnica e algumas doses de melodia, o Aborted mantém a tradição de temperar o seu death metal ríspido com alguns elementos de grindcore - principalmente na parte lírica -, o que torna tudo ainda mais extremo. Os vocais de Sven de Caluwé, guturais e mais agudos, deixam a atmosfera pra lá de perturbadora.

Com uma produção de primeira a cargo de Jacob Hansen (Communic, Mercenary, Volbeat), o disco ficou ainda mais forte devida à forma clara com que os instrumentos soam. Resumindo: apesar da brutalidade do som, tudo soa cristalino, e conseguir esse feito em um álbum de death metal é para poucos.

Os destaques vão para "Coronary Reconstruction", "Vermicular, Obscene, Obese" (com a participação do ótimo Trevor Strnad, vocalista do The Black Dahlia Murder), "Expurgation Euphoria" e "Grime". Merece menção também a já citada "Endstille", que encerra o play em grande estilo com a inclusão de um discurso de Robert Oppenheimer, o pai da primeira bomba atômica, que destruiu Hiroshima em 6 de agosto de 1945.

"Global Flatline" é um grande álbum, com tudo para agradar não apenas os fãs de metal extremo, mas também quem curte death metal com alguma dose de melodia.

Faixas:
Omega Mortis
Global Flatline
The Origin of Disease
Coronary Reconstruction
Fecal Forgery
Of Scabs and Boils
Vermicular, Obscene, Obese
Expurgation Euphoria
From a Tepid Whiff
The Kallinger Theory
Our Father, Who Art of Feces
Grime
Endstille


Outras resenhas de Global Flatline - Aborted

Aborted: Quinze anos lapidando seu somAborted: Absurdamente violentos e inegavelmente no augeAborted: Global Flatline é o apocalipse feito música



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Aborted"


Death Metal: cinco bateristas do gênero que são insanosDeath Metal
Cinco bateristas do gênero que são insanos


Dedo x Palheta: Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debateDedo x Palheta
Jason Newsted joga gasolina na fogueira do debate

Kiss sobre Secos e Molhados: há quem acredite em OVNIsKiss sobre Secos e Molhados
"há quem acredite em OVNIs"

Pink Floyd: as 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic RockPink Floyd
As 10 melhores escolhidas pela Ultimate Classic Rock

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMetal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gêneroLinkin Park: "gravadora quis me tirar", diz Mike ShinodaRolling Stones: O que acontece se Keith Richards for picado pelo Aedes Aegipty?

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.