Resenha - Metaphor - Bangalore Choir

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Renato Alves
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Dessa vez os fãs do Bangalore Choir não tiveram que esperar muito tempo por um novo álbum de estúdio. Enquanto On Target e Cadence são separados por quase duas décadas exatas, apenas um par de anos foi preciso para a chegada de Metaphor. O terceiro trabalho de inéditas não promove grandes mudanças no Hard Rock pesado e melódico do grupo, com David Reece mostrando mais uma vez sua competência nos vocais. Todas as características tradicionais foram mantidas. Portanto, quem gostou dos outros dois tem tudo para aprovar este aqui também.

A História da New Wave Of British Heavy MetalPresença de Palco: dicas para iniciantes

O play abre com a acelerada "All The Damage Done" e seus corais muito bem encaixados. "Trojan Horse" vai ficar na sua mente como um vírus (rá!), com sua cadência fantástica e refrão matador. Candidata a hit! A intro de "Silhouettes On The Shade" pode assustar os mais conservadores, mas basta alguns segundos para tudo voltar ao normal. A faixa-título vem naquela linha suingada de "Doin' The Dance", composição de Jon Bon Jovi e Richie Sambora que entrou no debut. Um riff fantástico abre "Don't Act Surprised", Hardão com pegada roqueira daqueles que a gente escuta com um sorriso no olho, lembrando os áureos momentos do gênero. A melhor de todas, com certeza.

O clima western que sugere o nome "Never Face Ole Joe Alone" é cumprido, com violões e gaitas ditando o ritmo. A semi-balada "Scandinavian Rose" apenas não compromete, enquanto "Catch An Angel Fallin'", única faixa que acima de 4 minutos, traz certa influência da cena europeia do estilo. O pique Rock and Roll reaparece em "Civilized Evil", que dá lugar à melódica "Fools Gold", outro destaque. Para encerrar o trabalho, "Always Be My Angel" traz um duo de guitarras totalmente metálico em sua abertura e remete a "Martyr", do disco anterior.

Sem medo de resgatar clichês e oferecendo o que de melhor o Hard oitentista é capaz de disponibilizar, o Bangalore Choir mais uma vez acerta em cheio. E mostra porque é uma das melhores bandas que pouca gente conhece.

David Reece (vocals)
Andy Susemihl (guitars)
Curtis Mitchell (guitars)
Danny Greenberg (bass)
Rene Letters (drums)

01. All The Damage Done
02. Trojan Horse
03. Silhouettes On The Shade
04. Metaphor
05. Don't Act Surprise
06. Never Face Ole Joe Alone
07. Scandinavian Rose
08. Catch An Angel Fallin'
09. Civilized Evil
10. Fools Gold
11. Always Be My Angel




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Bangalore Choir"


A História da New Wave Of British Heavy MetalA História da New Wave Of British Heavy Metal
A História da New Wave Of British Heavy Metal

Presença de Palco: dicas para iniciantesPresença de Palco
Dicas para iniciantes

Keith Richards: Metallica e Black Sabbath são grandes piadasKeith Richards
Metallica e Black Sabbath são "grandes piadas"

Metal: 16 músicas dos anos 80 para se escutar durante o treinoGuitar World: os 100 piores solos de guitarra da históriaRunaways: Lita Ford saiu da banda por medo de assédio de companheirasDia de Coxinha: rock stars contraindo bodas

Sobre João Renato Alves

Sem descrição cadastrada.

Mais matérias de João Renato Alves no Whiplash.Net.