Orphaned Land: Fugindo de tudo o que é óbvio

Resenha - Never Ending Way Of ORwarriOR - Orphaned Land

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Arthur Matos
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Israel. País localizado na Ásia Ocidental, mais precisamente na margem oriental do mar mediterrâneo. Lar de judeus, muçulmanos, cristãos, drusos entre outros, essa nação é conhecida pelos inúmeros conflitos religiosos que permeiam toda a existência desse estado, fato que acaba encobrindo perante muitos o desenvolvimento existente ali. E são justamente essas situações desagradáveis que definem a temática do Orphaned Land, potência israelita que entregou durante sua existência obras aclamadas como "Mabool", de 2004 e o álbum em questão, "Never Ending Way Of ORwarriOR".

Frases de bandas: o que eles realmente querem dizer?Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1987

Lançado em 2010 pela Century Media, o trabalho chegou ao Brasil via Shinigami Records satisfazendo assim todos os fãs da trupe, que é ao mesmo tempo, inusitada e espetacular. Fugindo de forma inteligentíssima de tudo que é óbvio em termos de estrutura, o Orphaned Land entregou nesse álbum uma excelente amálgama do "bom e velho" heavy metal com o som que é comum aos integrantes no que diz respeito às origens dos mesmos.

A banda discorre ao longo das 15 faixas sobre a eterna luta entre a luz e a escuridão, tudo apoiado por uma massa sonora deveras impactante facilmente percebida em faixas como "Sapari" e "Bereft In The Abyss", ou pela multifacetada "New Jerusalem", que impressiona pela enorme variedade de estilos, tanto no que diz respeito às vozes quanto ao instrumental.

É absolutamente impossível destacar alguma faixa, visto que o álbum além de ser conceitual prima pelo orgânico de uma forma soberba. Não poderia deixar de citar a produção do "mágico" Steven Wilson (Opeth, Porcupine Tree) que agregou ainda mais valor a todo o conteúdo da banda. Indiscutivelmente um dos melhores lançamentos de 2010, "Never Ending Way Of ORwarriOR" é indispensável para todos os apreciadores de Folk metal, Death/Doom, Rock ou apenas boa música. Clássico do século 21. Kill The Time!

Tracklist:

Part I: Godfrey's Cordial - An Orphan's Life

1. Sapari
2. From Broken Vessels
3. Bereft In The Abyss
4. The Path Part 1 - Treading Through Darkness
5. The Path Part 2 - The Pilgrimage To Or Shalem
6. Olat Ha'tamid

Part II: Lips Acquire Stains - The WarriOR Awakens

7. The Warrior
8. His Leaf Shall Not Wither
9. Disciples Of The Sacred Oath II
10. New Jerusalem
11. Vayehi Or
12. M I ?

Part III: Barakah - Enlightening The Cimmerian

13. Barakah
14. Codeword: Uprising
15. In Thy Never Ending Way (Epilogue)

Publicado originalmente em:
http://justkillthetime.com/index.php/cds/117-orphaned-land-/...


Outras resenhas de Never Ending Way Of ORwarriOR - Orphaned Land

Orphaned Land: "Never Ending Way Of ORwarriOR"Orphaned Land: uma riqueza criativa que impressionaOrphaned Land: desde agora, um dos melhores álbuns de 2010




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Orphaned Land"


Originalidade: 10 Bandas ou Projetos InusitadosOriginalidade
10 Bandas ou Projetos Inusitados


Frases de bandas: o que eles realmente querem dizer?Frases de bandas
O que eles realmente querem dizer?

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1987Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1987

Max Cavalera: Não ligo para o que pensa o pessoal do Korn!Max Cavalera
"Não ligo para o que pensa o pessoal do Korn!"

Rock e Metal: todo artista tem uma fase vergonhosaRock e Metal
Todo artista tem uma fase vergonhosa

Metal Moderno: 5 bandas aptas a se tornarem clássicasMetal Moderno
5 bandas aptas a se tornarem clássicas

Dream Theater: a história por trás da música Pull Me UnderDream Theater
A história por trás da música "Pull Me Under"

Iron Maiden: o último show da era Blaze Bayley no Brasil em 1998Iron Maiden
O último show da era Blaze Bayley no Brasil em 1998


Sobre Arthur Matos

Nascido no Triângulo Mineiro, Arthur Matos trabalha no mercado livreiro e é fundador e editor do site Just Kill The Time. Estudante de Relações Internacionais e administração, teve contato com o Rock desde cedo e logo se viu imerso em um mundo onde não há saída. Fã de (quase) todas as vertentes do Rock, tenta ajudar a cena que tanto gosta de uma forma ou de outra, seja trabalhando com bandas, comprando um CD ou vendendo os mesmos. Acredita que Varg é o gênio do mal mais talentoso do mundo. Também acredita que o Iron Maiden nunca deveria acabar.

Mais matérias de Arthur Matos no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336