Lance King: Um bom conceito e um bom álbum

Resenha - A Moment In Chiros - Lance King

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


“A Moment In Chiros” é o primeiro álbum solo de LANCE KING, vocalista reconhecido por seus trabalhos no BALANCE OF POWER, PYRAMAZE, AVIAN e EMPIRE. Como não poderia deixar de ser, seu debut se trata de um álbum muito bem definido entre o prog e o power metal.

5000 acessosOzzy Osbourne: "Eu detesto a expressão Heavy Metal!"5000 acessosSeparados no nascimento: Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie

Em linhas gerais, o primeiro aspecto que se destaca é a excelente condução das faixas por LANCE KING, com a naturalidade de seus timbres na maioria do tempo, sem forçar como boa parte dos vocalistas de metal melódico, por exemplo. Além disso, chama à atenção a coesão de um álbum que fora construído à distância, com vários músicos colaborando em um curto período de tempo. Após duas semanas da convocação de Lance (por email), algumas ideias e músicas já lhe eram enviadas e o processo todo durou cerca de três meses.

Versando sobre a descoberta de verdades universais, possível pela revelação do significado do “fenômeno do 11:11” ao personagem do álbum, “A Moment In Chiros” se inicia com “A Sense Of Urgency”, que já exibe as guitarras bem construídas que seguem presentes em “Awakening”, faixa que se destaca pelo andamento interessante, que oscila entre o sombrio e o veloz. Na sequência, “Manifest Destiny” cativa pelo refrão suave.

“A Given Choice” , por sua vez, é uma música mais grandiosa e acelerada, querendo transportar o ouvinte a um filme de ação. Nesse aspecto, tem-se ainda “Dance of Power”, a sexta do disco, que acaba por criar um clima tenso. Entre essas, a faixa título traz várias nuances e, não só pelo próprio título (segundo Lance, “Chiros” significa o infinito, a criação do destino), parece resumir muito bem a sonoridade explorada.

“Kibou”, mesmo seguida por “Infinity Divine”, que contém fases lentas e é uma boa composição, acaba ficando deslocada no álbum por ser a única que explora praticamente o dueto piano e voz. “Joy Everlasting” retoma o peso e, apesar de parecer apenas preencher o disco, traz um ótimo solo de guitarra. “Sacred Systems” é cheia de percussões e, meio tribal, também adiciona algo ao álbum. Por fim, “Transformation” dá um toque HELLOWEEN e um pouco hard em algumas passagens.

Ao fim, nota-se que o disco consegue combinar na medida certa os pianos/ teclados, as guitarras e seus dedilhados, a intensidade da bateria e alguns efeitos mais modernos. Apesar disso, grande parte das faixas se repete muito e a primeira metade do álbum parece mais inspirada que a segunda, ou o conceito acaba por se saturar. Por outro lado, “A Moment In Chiros” consegue trazer elementos do prog que enriquecem o power trazido por Lance e, de outro ponto de vista, leva uma estrutura mais direta e palatável do power ao prog também. E, se LANCE KING dependia da receptividade da crítica para dar continuidade ou não à sua carreira solo, é bom este ótimo vocalista começar a preparar o próximo disco.

Vale mencionar que os lucros do disco serão revertidos à organização “NOT FOR SALE” que luta contra a escravidão sexual.

http://www.notforsalecampaign.org/about/slavery/

Integrantes:
Lance King – vocais
Convidados:
Jacob Hansen (Beyond Twilight, Invocator, Anubis Gate), Kim Olesen (Anubis Gate), Michael Harris (Darkology, Thought Chamber), Tore St Moren (Jorn), Fred Colombo (Spheric Universe Experience), Markus Sigfridsson (Darkwater, Harmony), Kevin Codfert (Adagio), Michael Hansen e Shane Dhiman (Phonomik), Morten Gade Sørensen (Pyramaze, Wuthering Heights), Elyes Bouchoucha, Malek Ben Arbia, Anis Jouini (Myrath) e Mistheria (Bruce Dickinson).

Faixas:
111. A Sense of Urgency
222. Awakening
333. Manifest Destiny
444. A Given Choice
555. A Moment in Chiros
666. Dance of Power
777. Kibou
888. Infinity Divine
999. Joy Everlasting
10:10. Sacred Systems
11:11. Transformation

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Lance King"


Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
"Eu detesto a expressão Heavy Metal!"

SeparadosSeparados
Sarah Jessica Parker e o mascote Eddie

BackmaskingBackmasking
Existem mensagens gravadas ao inverso em discos de rock?

5000 acessosDi'Anno: "Harris é como Hitler e o Maiden é entediante!"5000 acessosMetallica: Lars Ulrich quase saiu no tapa com Lou Reed5000 acessosEpica: foto original de Simone Simons nua em capa é revelada?5000 acessosSeparados no nascimento: Joe Satriani e Lord Voldemort5000 acessosDeep Purple: estamos apavorados com o fim da banda, diz Ian Paice5000 acessosMax Cavalera: Ele fica louco quando falam sobre reunião do Sepultura

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.


Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em junho: 1.119.872 visitantes, 2.427.684 visitas, 5.635.845 pageviews.

Usuários online