RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemRoger Waters se defende, mas David Gilmour fica do lado da esposa e confirma tudo

imagemO ponto fraco de Yngwie Malmsteen segundo Ronnie James Dio, em 1985

imagemOzzy Osbourne revela qual foi o melhor guitarrista de sua carreira solo

imagemA reação de King Diamond ao ouvir Metallica tocando músicas do Mercyful Fate

imagemRoger Waters atende a Rússia e faz discurso para o Conselho de Segurança da ONU

imagemEm 1974, Raul Seixas explicava detalhes dos significados por trás da letra de "Gita"

imagemQuem ganhou e quem devia ter ganhado o Grammy de metal desde 1989, segundo Loudwire

imagemVeja o que esperar da turnê do Mayhem no Brasil

imagemPor que Herbert Vianna gosta muito do riff de "Eu Quero Ver o Oco" do Raimundos?

imagemRodinha de mosh gigantesca em show do System of a Down viraliza e impressiona

imagemMegadeth é processado por artista que criou capa do último disco da banda

imagemO show do Engenheiros do Hawaii sem Humberto, que eles achavam que havia sido sequestrado

imagemVeja Dave Grohl cantando e agitando em show do Mercyful Fate

imagemO triste motivo pelo qual o Pink Floyd não podia fazer contato com Syd Barrett

imagemRitchie Blackmore avalia os guitarristas que o substituíram no Deep Purple


Stamp

Astral Doors: Retomando as raízes da banda

Resenha - Jerusalem - Astral Doors

Por Felipe Kahan Bonato
Postado em 11 de janeiro de 2012

Nota: 7

Em relação ao seu álbum anterior, o recém lançado "Jerusalem", quinto álbum de inéditas do ASTRAL DOORS, mostra uma evolução ao retomar a sonoridade mais típica da banda. Se "Requiem of Time" trouxe um Power metal muito genérico e desconexo, "Jerusalem" (deliberadamente ou não) retoma mais o lado DIO da banda.

De forma mais enfática, "Jerusalem" pode marcar um recomeço do ASTRAL DOORS. Por mais que "Astralism" tenha engrandecido e rebuscado as composições com órgãos e teclados, a banda não soube se manter nessa linha e, de forma acertada, volta a apostar mais nas guitarras, com seu peso e os harmônicos. Assim, retomam não só o trabalho dos dois primeiros álbuns, como também o heavy metal mais clássico e direto, já trazendo inegáveis referencias do BLACK SABBATH na faixa de abertura "Seventh Crusade". Outras músicas que merecem destaque são "Operation Freedom" e a faixa título.

Uma notável evolução se observa no andamento do disco, com "Child of Rock n’ Roll", "Lost Crucifix", "The Battle Of Jacob’s Ford" e "The Day After Yesterday" a introduzir estrategicamente certa lentidão, mas mantendo o peso, com exceção da última, semi acústica. Nos lançamentos anteriores dos suecos, o som era muito linear e, por vezes, entediante.

Outra mudança foi a postura dos vocais que, além de mais agressivos, mostram-se mais presentes nas faixas. Dessa forma, apesar do ASTRAL DOORS conseguir trazer mais carisma às suas composições, acaba por invocar novamente a maldição de se prender ao estilo DIO, sem se diferenciar tanto do mesmo.

Em suma, trata-se de um bom álbum que corrige um pouco o rumo da banda e traz um material conciso e digno aos fãs. Pela história da banda, poderia ser um pouco melhor. Aliás, a coerência da banda é tamanha que até o velho e recorrente defeito da superficialidade das letras está presente. Críticas à parte, "Jerusalem" é um álbum seguro, que faz o esperado e, mesmo sem inovar, mostra sutis e agradáveis mudanças, além de revigorar um pouco a carreira do ASTRAL DOORS.

Integrantes:
Nils Patrik Johansson - vocais
Joachim Nordlund - guitarras
Johan Lindstedt - bateria
Jocke Roberg - teclado
Ulf Lagerström - baixo

Faixas:
1. Seventh Crusade
2. With A Stranger's Eye
3. Child Of Rock N' Roll
4. Pearl Harbor
5. Lost Crucifix
6. Babylon Rise
7. Suicide Rime
8. The Battle Of Jacob's Ford
9. Operation Freedom
10. The Day After Yesterday
11. Jerusalem

Gravadora: Metalville

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.
Mais matérias de Felipe Kahan Bonato.