Matérias Mais Lidas

imagemSlash falhou em seguir o conselho de Keith Richards, que mesmo assim foi lá e o apoiou

imagemA visionária melhor música do Genesis na opinião de Steve Hackett

imagemJulian Lennon relembra quando Paul McCartney escreveu "Hey Jude" para ele

imagemAmilcar Christófaro diz que chegou a sondar Vitor Rodrigues para retornar ao Torture Squad

imagemO dia que Ivete Sangalo arrasou cantando Slayer com João Gordo na TV aberta

imagemA opinião de Rita Lee sobre a fenomenal Cássia Eller

imagem"Raimundos nunca quis ser manual de conduta para ninguém", diz Digão

imagemNoel Gallagher revela seu único arrependimento em sair do Oasis

imagemA hilária crítica de Roberto Frejat contra fala cheia de "pretensão" do Bon Jovi

imagemRandy Rhoads gostava de tocar as músicas do Black Sabbath?

imagemDicionário do Metal: cinco bandas com a letra A

imagemOs curiosos dois significados da expressão "Eu quero ver o oco", segundo Digão

imagemO motivo que levou Michale Graves a fugir da própria turnê na América Latina

imagemCinco discos de heavy metal para ouvir sem pular nenhuma faixa

imagemJohn Frusciante conta como "espíritos" auxiliam seu processo criativo


Stamp
Summer Breeze

Marduk: Mantendo boa reputação no cenário Black Metal

Resenha - Wormwood - Marduk

Por Flávio Mendes Santana
Postado em 16 de novembro de 2011

Nota: 9

O MARDUK é uma banda que nunca comprometeu a sua reputação no cenário Black Metal, pois sempre teve competência e técnica suficientes para emplacar grandes clássicos. Acredito que tais resultados sejam fruto de um processo criativo mais direcionado para os ideais da banda, e não por mera obrigação de compor novos materiais. Independente disso o resultado das composições certamente atinge de forma positiva grande parte dos fãs de Black Metal.

Wormwood é o 11º álbum de estúdio dos suecos do MARDUK, sucessor de "Rom 5:12", que é por sinal um ótimo álbum, onde a banda a partir daí, apostou em adicionar mais passagens melódicas (dentro dos limites) às composições, que incorporaram e muito bem a sonoridade mais brutal da banda até aquele momento. Wormwood possui uma gravação mais "suja" (no bom sentido), mas mantém boa parte dos elementos do álbum antecessor.

O massacre se inicia com a faixa "Nowhere, No-One, Nothing", com as guitarras de cara já "fritando" os amplificadores e os vocais de Mortuus, esgoelando-se como nunca, para proclamar a blasfêmia típica das letras da banda. "Funeral Dawn" é interessante, adiciona leves passagens melódicas com um riff "hipnótico" e palhetadas ao fundo, sendo um pouco mais lenta do que o normal. Destaque para o som do baixo, que, aliás, se sobressai muito bem por todo o álbum. "This Fleshly Void" já retorna o som da banda para a pancadaria, palhetadas infernais, blastbeats e viradas de bateria executados com extrema velocidade. "Unclosing the Curse" caiu mais como uma introdução, breve e lenta, mas, que não atrapalha e nem compromete o andamento do álbum, pois abre passagem para "Into Utter Madness" que em minha opinião, é uma das melhores músicas, pois além da velocidade que é intensa, possui riffs dinâmicos e interessantes e finaliza de forma muito boa.

A próxima faixa "Phosphorous Redeemer" foi à primeira amostra do álbum disponibilizada na época, e foi muito bem recebida, pois mostra a banda a todo o vapor com um som cru e direto. A próxima faixa, "To Redirect Perdition" é mais lenta e de ritmo cadenciado, possui um riff muito bom, um belo solo de guitarra e, um refrão interessante, mas acredito que não tenha agradado tanto os fãs mais radicais da banda.

"Whorecrown" tem destaque para as variações vocais de Mortuus, que, aliás, lembram até, um pouco das mesmas variações utilizadas por Attila Csihar vocalista do Mayhem. É uma música que segue a linha do som cru e pesado do Black Metal. "Chorus of Cracking Necks" mantém a mesma linha das variações vocais e brutalidade da faixa anterior. "As a Garment" encerra o álbum com um som mais atmosférico e limpo, guitarras com efeitos de delay e o baixo segurando a base principal, por quase toda a faixa, expõem mais linhas melódicas utilizadas pela banda.

Enfim, é um álbum bem interessante, e mostra mais uma vez que os vocais de Mortuus trazem muito mais dinamismo para as novas composições do MARDUK, sem nunca soar comercial ou apelativo ao mainstream, até acho que este álbum carrega muito mais um espírito old-school do que uma possível queda da brutalidade da banda, o que seria muito raro de acontecer. Este é o último álbum da banda lançado pela Regain Records.

Wormwood – Marduk (2009 – Regain Records)

Lineup:
Mortuus – Vocais
Morgan – Guitarras
Devo – Baixo
Lars Broddesson – Bateria

Tracklist:
1 - Nowhere, No-One, Nothing
2 - Funeral Dawn
3 - This Fleshly Void
4 - Unclosing the Curse
5 - Into Utter Madness
6 - Phosphorous Redeemer
7 - To Redirect Perdition
8 – Whorecrown
9 - Chorus of Cracking Necks
10 - As a Garment
Total: 45:52


Outras resenhas de Wormwood - Marduk

Resenha - Wormwood - Marduk

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Siga Whiplash.Net: Facebook | Instagram | Twitter | YouTube

Receba as novidades do Whiplash.Net por WhatsApp


Samael Hypocrisy
Lift Detox

publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Dia da Blasfêmia: 10 músicas para irritar Deus

Suécia: 20 bandas de metal que não são nem de Gotemburgo, nem de Estocolmo

Marduk: padre católico da Guatemala afirma que banda não é satânica

Punk Rock: os 25 melhores discos segundo o site IGN

Black Metal: cinco bandas do lado depressivo do satanismo


Sobre Flávio Mendes Santana

Nascido e criado na capital paulista, descobriu e se identificou com o universo do Rock no início da adolescência. Atualmente, tem como preferência o Metal Extremo, mas também explora algumas outras vertentes do Rock. Está sempre de olho nos últimos lançamentos, shows e matérias de suas bandas favoritas.

Mais matérias de Flávio Mendes Santana.