Resenha - Fragile Art Of Existence - Control Denied

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Camila Albuquerque
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Um dos trabalhos mais consagrados do vocalista e guitarrista da banda DEATH, CHUCK SCHULDINER, foi o projeto CONTROL DENIED. Depois de algumas substituições da formação original do projeto, CHUCK em conjunto com o vocalista TIM AYMAR, o guitarrista SHANNON HAMM, o baixista STEVE DIGIORGIO e o baterista RICHARD CHRISTY lançam em 1999 pela editora Nuclear Blast Records o 1° álbum intitulado "The Fragile Art Of Existence".

Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalSlash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

Contendo 8 faixas espetaculares, este é um álbum para quem aprecia riffs de guitarra, o peso do baixo, blast beat de bateria e para o pacote completo TIM AYMAR e CHUCK SCHULDINER assumindo os vocais.

Trata-se de um disco com músicas que realmente chamam a atenção, tanto pelo instrumental perfeito, com suas quebradas e variações de ritmo, como também pelo vocal limpo e gutural de CHUCK. As letras como um todo relatam expectativas, morte, decepção e perseverança.

Há uma levada impressionante em cada faixa, uma combinação entre harmonia, peso, velocidade e letra.

Infelizmente esse foi o único álbum do CONTROL DENIED lançado antes do falecimento de CHUCK SCHULDINER, que devido a um tumor cerebral veio a falecer em dezembro de 2001, sem poder assim dar continuidade aos trabalhos para a gravação do 2° disco. Parte do material para a gravação do álbum posterior que já havia recebido nome, "When Man And Machine Collide", não foi liberado pela família do compositor e há uma disputa acirrada pelos direitos autorias deste 2° trabalho, que até então não saiu do papel.

Mas apesar da fatalidade, CHUCK SCHULDINER nos deixou uma excelente obra; "The Fragile Art Of Existence" é um álbum que certamente pouquíssimos encontraram defeitos. Vale ressaltar que nem só neste projeto, mas também com o DEATH, ele foi um célebre compositor, vocalista e guitarrista que serve de influência para muitas outras bandas que seguem ao estilo.

Tracklist:

1. Consumed 07:24
2. Breaking The Broken 05:41
3. Expect The Unexpected 07:17
4. What if...? 04:29
5. When The Link Becomes Missing 05:17
6. Believe 06:10
7. Cut Down 04:50
8. The Fragile Art Of Existence 09:38

"A simbólica e frágil arte da existência nada mais é que o som da perseverança"


Outras resenhas de Fragile Art Of Existence - Control Denied

Resenha - Fragile Art Of Existence - Control DeniedResenha - Fragile Art Of Existence - Control DeniedControl Denied: A prova definitiva da genialidade de Schuldiner




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Control Denied"Todas as matérias sobre "Death"


Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalÍdolos imortais
Chuck Schuldiner, o padrinho do death metal

Bruno Sutter: The Dance of Eternity do Dream Theater no baixo fretlessBruno Sutter
"The Dance of Eternity" do Dream Theater no baixo fretless

Bandas homônimas: Os verdadeiros Maiden, Nirvana, Skid Row e outros (vídeo)Bandas homônimas
Os verdadeiros Maiden, Nirvana, Skid Row e outros (vídeo)

Ídolos imortais: Chuck Schuldiner, o padrinho do death metalÍdolos imortais
Chuck Schuldiner, o padrinho do death metal


Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

Megadeth: Magia negra arruinou minha vida, diz MustaineMegadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1981Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1981

Megadeth: Pepeu Gomes comenta convite para tocar na bandaMetal: Gibson.com enumera 50 melhores músicas do gêneroOs estranhos relacionamentos de Janis JoplinStewart Copeland: "Não levava Led Zeppelin a sério graças aos vocais"

Sobre Camila Albuquerque

Camila Albuquerque, 21 anos, residente em Iguatu - CE, mas natural de Piracicaba - SP, é técnica em suporte de sistemas, apesar de cursar Letras/Literatura pela Universidade Estadual do Ceará. É fã assídua de Dream Theater. Seus gostos musicais variam entre o progressive metal e o death metal, mas sempre está aberta para outras vertentes. É adoradora de HQ's e cinema.

Mais matérias de Camila Albuquerque no Whiplash.Net.