[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Yes: "Fly From Here" é um disco belo e intimista

Resenha - Fly From Here - Yes

Por Carlos "Cacau" Marques
Postado em 24 de julho de 2011

Nota: 8

A expectativa pelo novo álbum do YES consumia os fãs da banda desde o anúncio de que um novo material inédito seria lançado. Depois de 10 anos sem um disco de estúdio e imersos em polêmicas que resultaram nas saídas do vocalista Jon Anderson e do tecladista Rick Wakeman, tudo parecia apontar para um disco distante do melhor que o YES pode produzir.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para compensar a desconfiança, Chris Squire, Steve Howe e Alan White buscaram a participação do tecladista Geoff Downes e do produtor Trevor Horn, ex-membros do BUGGLES e que já tinham participado do YES no disco "Drama" de 1980. Os convites visavam dar uma mostra do que se pretendia com o novo album; era uma declaração de que a sonoridade moderna, mas também complexa daquele trabalho era a proposta da banda.

O posto de vocalista foi preenchido pelo canadense Benoit David, que já fora aprovado pelos fãs na última turnê mundial. Com a oportunidade de atuar em canções inéditas, David pôde buscar um timbre próprio, afastando-se, mas não muito, da sonoridade consagrada por Jon Anderson em mais de 40 anos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - CLI
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O resultado é um disco belo e intimista. Os solos de teclado, característica de Rick Wakeman, foram deixados de lado pelos climas sensíveis criados por Downess. O baixo de Squire está mais contido, mais discreto. A bateria de Alan White se mantém simples por quase todo o tempo. Já as cordas de Steve Howe encontram nas teclas de Downess uma parceria tão perfeita que por vezes parecem ser um único instrumento. A banda soa como um conjunto e não como uma reunião de individualidades competindo entre si, como acontecia em alguns discos da década de 90.

Essa unidade fica mais evidente na bela suíte que abre o disco. "We can fly" é uma antiga composição da banda que não fora incluída no "Drama". Estendida e aprimorada, ela é prova de que o YES ainda tem muito para oferecer para seus fãs. Ouvi-la inteira, suas seis faixas, é um prazer. O clímax é a parte "Sad Night at the Airfield", uma faixa de fazer chorar qualquer fã das antigas.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - DEN
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Além da suíte de abertura, o disco contém a boa voz de Squire em "The Man You Always Wanted Me to Be" e a belíssima "Life on a Film Set", uma canção do BUGGLES originalmente chamada "Riding a Tide". Howe se mostra um competente compositor de letras em "Hour of Need", faixa que conta com a participação de Oliver Wakeman, filho de Rick. A enérgica "Into the Storm" fecha o álbum em uma celebração da vitória sobre a tempestade que foram os últimos anos do YES.

O disco certamente agradará os fãs que tenham a mente aberta para acompanhar uma banda que chega aos 40 anos sem se tornar um cover de si mesmo. Além disso, tem qualidade e beleza suficientes para reunir novos fãs, mesmo entre as gerações mais novas. "Fly from Here" é um disco elegante e digno do nome e da história do YES.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - GOO
Anunciar no Whiplash.Net Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Outras resenhas de Fly From Here - Yes

Yes: Levantando novo voo em 2011

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Perc3ption: a arte levada ao extremo

Resenha do Álbum do Insânia ao vivo no Underground Nativa III

Sentença de Morte: Death Metal para quem curte Death Metal bem executado

Triumph Of Death, projeto de Tom Warrior, resgata ao vivo parte do passado do Hellhammer

Spiritual Cramp acerta a fórmula, mas álbum satura em 26 minutos

Estreia do Superbloom traz de volta o grunge protagonista dos anos 1990

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Blaze Bayley: o vocalista é um artista injustiçado?


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS