Iron Maiden: Coletânea dupla é boa para ouvintes casuais

Resenha - From Fear to Eternity - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O principal mérito de "From Fear to Eternity" é colocar em perspectiva a carreira do Iron Maiden na década de 2000. Ainda que a coletânea – dupla - englobe também os anos noventa, o fato é que os discos gravados pelo Maiden nos 90 apresentaram uma queda significativa de qualidade em relação aos primeiros tempos e, além disso, suas melhores composições já figuram em compilações anteriores lançadas pela Donzela. Assim, faixas como “Fear of the Dark”, “Be Quick or Be Dead”, “Afraid to Shoot Strangers”, “Bring Your Daughter … To the Slaughter”, “Tailgunner” e “Holy Smoke” acabam soando deslocadas em "From Fear to Eternity", cuja maioria das composições provém do período posterior ao retorno de Bruce Dickinson e Adrian Smith ao grupo, quando o Maiden se transformou em um sexteto com três guitarristas.
646 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa5000 acessosEm vídeo: Seguidores do Demônio, as 10 bandas mais perigosas segundo pastor americano

A audição deixa claro que, mesmo mudando algumas características do seu som e acrescentando novos elementos à sua música que não caíram bem aos ouvidos mais ortodoxos, o Iron Maiden produziu material de qualidade nas últimas duas décadas. Basta colocar faixas como “The Wicker Man”, “Paschendale”, “Blood Brothers”, “Brave New World”, “These Colours Don't Run” e “Dance of Death” pra rolar para perceber isso. A tão discutida influência progressiva, exteriorizada em composições mais longas e com nuances diversas, deu um ar mais maduro à música da Donzela, fazendo-a soar diferente da energia brilhante dos primeiros discos, mas ainda com o poder de cativar.

O fato é que escutar essas composições de forma isolada e não em seus álbuns originais forma um panorama que torna possível avaliar de maneira mais eficiente o que o Iron Maiden vem fazendo nos últimos anos. Se, por exemplo, a já citada “The Wicker Man” reafirma o seu poderio, frescor e status de novo clássico, “Different World” revela-se apenas mais uma peça no tabuleiro, sem acrescentar nada à carreira do grupo.

Um ponto que certamente gerará discussão entre os fãs é que as canções da era-Blaze Bayley presentes em "From Fear to Eternity" são todas versões ao vivo com os vocais de Bruce Dickinson. Ainda que eu, pessoalmente, prefira as gravações com a voz de Bruce, uma compilação que objetiva passar a limpo determinado período da carreira de uma banda deve conter as gravações originais, porque assim fica mais clara a evolução – ou não – do seu trabalho.

A ressalva que faço em relação a "From Fear to Eternity" é que o CD duplo poderia contar apenas com músicas dos quatro últimos álbuns do Iron Maiden – "Brave New World" (2000), "Dance of Death" (2003), "A Matter of Life and Death" (2006) e "The Final Frontier" (2010) -, já que as faixas dos discos da década de noventa soam totalmente deslocadas aqui. Se isso fosse feito, abriria espaço para a inclusão de composições excelentes e que ficaram de fora, como é o caso de “Ghost of the Navigator”, “Montségur”, “Face in the Sand”, “The Pilgrim”, “Satellite 15 … The Final Frontier”, “Mother of Mercy”, “Isle of Avalon”, “The Talisman” e “The Man Who Would Be King”, documentando assim, de maneira muito mais eficaz, a feceta atual da banda. O que temos em "From Fear to Eternity" é a união de duas fases distintas da carreira do Iron Maiden, e isso incomoda e faz com que a audição não flua naturalmente.

No final, o balanço é positivo, e a conclusão é a de sempre: se você já possui todos os discos, não há motivo para comprar. Mas, se você é apenas um ouvinte casual do Maiden, esse CD duplo vale a pena.

Faixas:

CD 1
1 The Wicker Man 4:36
2 Holy Smoke 3:49
3 El Dorado 6:49
4 Paschendale 8:28
5 Different World 4:19
6 Man on the Edge (Live) 4:40
7 The Reincarnation of Benjamin Breeg 7:22
8 Blood Brothers 7:14
9 Rainmaker 3:49
10 Sign of the Cross (Live) 10:49
11 Brave New World 6:19
12 Fear of the Dark (Live) 7:41

CD 2
1 Be Quick or Be Dead 3:24
2 Tailgunner 4:15
3 No More Lies 7:22
4 Coming Home 5:52
5 The Clansman (Live) 9:06
6 For the Greater Good of God 9:25
7 These Colours Don't Run 6:52
8 Bring Your Daughter... To the Slaughter 4:44
9 Afraid to Shoot Strangers 6:57
10 Dance of Death 8:36
11 When the Wild Wind Blows 11:02

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Show do Ghost é melhor, diz reportagem

646 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa452 acessosIron Maiden: Iron Maiden Ex Libris aborda as letras da donzela425 acessosThunderstick: ex-batera do Samson e Iron Maiden lançará novo disco0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Steve HarrisSteve Harris
Um pai mais normal do que pensam, diz filho

DioDio
De onde ele tirou os tais "chifres" do Heavy Metal?

Iron MaidenIron Maiden
Grande inspiração para James Hetfield, do Metallica

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Em vídeoEm vídeo
Seguidores do Demônio, as 10 bandas mais perigosas segundo pastor americano

TraduçõesTraduções
Letras de rock relacionadas a ocultismo e satanismo

Guns N RosesGuns N' Roses
O que ninguém deve fazer ao se tornar um rockstar

5000 acessosHeavy Metal: as 10 capas mais "de macho" de todos os tempos5000 acessosPhil Anselmo: Vocalista explica e se retrata por episódio racista5000 acessosMetallica: A reação de James a famosos usando camisetas da banda5000 acessosLed Zeppelin: Bonham, o melhor baterista de todos os tempos5000 acessosJess Greenberg: mais vídeos de covers em voz e violão5000 acessosExodus: "Ninguém é maior que o Maiden na América do Sul!"

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online