RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Stamp

Amaranthe: boas expectativas mais que alcançadas

Resenha - Amaranthe - Amaranthe

Por Júlio André Gutheil
Postado em 14 de maio de 2011

Começou-se a ouvir o nome Amaranthe pelos corredores do universo heavy metal em meados de 2009. Na época, Olof Morck (Dragonland) resolveu criar uma banda paralela ao seu trabalho principal, e para tanto recrutou vários músicos suecos e começou a trabalhar em composições para tal projeto. Em pouco tempo o Amaranthe divulgou em seu myspace a demo "Leave Everything Behind", que conta com cinco músicas que também constam (em versões diferentes e melhoradas) neste álbum de estreia auto-intitulado.

Após isso foi continuado o processo de produção e gravação do disco. A banda ganhou um pouco mais de notoriedade quando a vocalista Elize Ryd foi convidada a fazer os backing vocals na curta turnê europeia do Kamelot no ano passado, que precedeu o lançamento de "Poetry for the Poisoned". A amplitude da internet ajudou na divulgação da banda, que teve sua demo ouvida por pessoas de mundo todo, gerando bons comentários e deixando uma grande expectativa por seu debut.

Eu, pessoalmente, afirmo: essas expectativas foram mais que alcançadas.

Por ser uma banda tendo uma mulher a frente, muitos podem logo supor se tratar de mais uma banda pseudo-gótica clichê e de som batido. Mas não é nada seque parecido com isso. O que ouvimos nas 12 canções que compõe o Track List de "Amaranthe" é um metal absolutamente moderno, de veia pop latente, pitadas de death melódico muito bem colocadas, algo de power metal e uma energia vibrante e contagiante.

Outro diferencial muitíssimo interessante é que na verdade são três vocalistas. Elize, Jake E. Berg (ex-Dream Evil) fazendo clean vocals e Andy Solveström fazendo harsh vocals. A mistura foi muito bem balanceada, sem expôr algum mais que os outros. A química entre os timbres ficou simplesmente perfeita. Aliás, todos os elementos ficaram interessantemente bem entrelaçados.

As faixas são curtas e dinâmicas, mas isso não significa que sejam todas iguais, meros enlatados feitos em escala industrial; muito pelo contrário até. Cada uma das faixas tem sua alma, sua força, sua vibração. Todas são grandes canções, e nehuma se soprepõe muito mais que as outras, por isso seria uma tarefa muito ingrata apontar destaques maiores, por seria desmerecer as demais em suas peculiares qualidades.

Mas de qualquer forma podemos dizer que as faixas que já eram conhecidas da demos, 'Leave Everything Behind','Hunger' (com seu vídeo clipe cinematográfico), 'Enter the Maze' 'Act of Desperation' e 'Directors Cut' ficaram muito superiores a sua versão original, sendo mais elaboradas e melhor mixadas. Ou seja, melhorou ainda mais uma impressão que já era boa. Pensando bastante, podemos apontar com destaques também as faixas 'Automatic', super agitada e vibrante, 'Amaranthine', uma power balada de respeito e 'Call Out My Name' com uma pegada levemente eletrônica, que a deixa ainda mais interessante.

O trabalho de produção e mixagem é impecável, de som cristalino, com cada instrumento podendo ser identificado perfeitamente. Um esforço de primeira grandeza, muito esmerado, que redundou num material de alto nível para os fãs angariados ao longos dos meses e para os novos fãs que chegraão em breve tamanha qualidade desta banda jovem e cheia de vigor.

Com certeza muita gente purista dentro do cenário metálico vai torcer e muito o nariz para esta proposta do Amaranthe, dizendo que não passa de lixo comercial e isso e aquilo. Mas por favor, isso seria uma injustiça tremenda. O heavy metal vive um momento de cluastrofóbica saturação, onde mais e mais bandas genéricas e sem personalidade surgem como formigas de baixo de pedras a cada hora, e por isso, coisas corajosas e inovadoras como o Amaranthe merecem se não o apoio, no mínimo o respeito dos apreciadores de metal.

Minha aposta para revelação de 2011. E o disco vai ser lançado no Brasil via Hellion Records, fica a dica!

O Amaranthe é:
Elize Ryd – Vocais feminos
Jake E Berg - Clean Vocals
Andy Solveström - Harsh Vocals
Olof Mörck – Guitarras e teclados
Johan Andreassen - Baixo
Morten Løwe Sørensen – Bateria

Track List:
1. Leave Everything Behind (03:16)
2. Hunger (03:11)
3. 1.000.000 Lightyears (03:14)
4. Automatic (03:24)
5. My Transition (03:47)
6. Amaranthine (03:28)
7. Rain (03:42)
8. Call Out My Name (03:15)
9. Enter The Maze (04:03)
10. Director's Cut (04:47)
11. Act Of Desperation (03:02)
12. Serendipity (03:25)

[an error occurred while processing this directive]

My Space: http://www.myspace.com/amaranthemetal


Outras resenhas de Amaranthe - Amaranthe

Resenha - Amaranthe - Amaranthe

Resenha - Amaranthe - Amaranthe

Resenha - Amaranthe - Amaranthe

Resenha - Amaranthe - Amaranthe

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Def Leppard Motley Crue 2

Originalidade: 10 Bandas ou Projetos Inusitados

Nightwish: Elize Ryd diz que ser cotada para substituir Tarja Turunen a motivou

Elize Ryd: como Anette Olzon, ex-Nightwish, foi principal inspiração no Amaranthe

Mulheres que cantam Metal: estúdio/ao vivo, expectativa e realidade


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Júlio André Gutheil

Nascido em Feliz, interior do Rio Grande do Sul, de origem alemã e com 20 anos de idade. Grande fã de Blind Guardian, Paradise Lost e Opeth, além de outras várias bandas de diversos estilos distintos. Pretende cursar jornalismo e também se dedicar o máximo possível à crônica do mundo Heavy Metal. Escreve no blog www.metalmeltdowndiscos.blogspot.com. Twitter: @jagutheil.
Mais matérias de Júlio André Gutheil.