Star One: Uma das "bandas" mais injustiçadas do mundo

Resenha - Space Metal - Star One

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Afonso Viana
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Uma das "bandas" (entre aspas, pois pode ser considerada apenas como um projeto, o que, segundo seu criador, não é verdade) mais injustiçadas do mundo! Isto é o que pode ser dito do Star One, mais um dos trabalhos do talentoso Arjen Lucassen. E "Space Metal", lançado em 2002, deixa isto muito claro. Isto porque não houve quase nenhuma repercussão deste álbum, sendo muito difícil encontrar algo sobre ele, o que deveria estar muito longe de ser verdade, tendo em vista os nomes envolvidos neste projeto.

Sinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?Agressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesado

Só na parte instrumental da formação fixa da banda, além de Lucassen (guitarra/teclado), temos os incríveis Ed Warby (bateria) e Peter Vink (baixo). E apesar de toda a excelência destes, o destaque absoluto do Star One vai para o grupo de vocalistas: um dos melhores vocalistas da atualidade, Russell Allen, o magnífico Damian Wilson, o multitalentoso Dan Swanö e a excelentíssima Floor Jansen. E este grupo consegue alcançar a perfeição, porque, segundo as palavras do próprio Lucassen, "com eles, você cobre todo o espectro vocal: Dan tem o registro mais grave, Damian canta com a voz limpa, Russell tem o vocal mais forte e Floor possui enorme alcance.".

E isto sem contar as participações mais do que especiais de Jens Johansson (Stratovarius), Erik Norlander (Rocket Scientists), Gary Wehrkamp (Shadows Gallery), Robert Soeterboek (Cotton Soeterboek Band) e o lendário Dave Brock (Hawkwind).

Este grupo se une para tocar um poderosíssimo Prog Metal, regado de, como o nome do álbum e da banda sugere, música espacial. Em verdade, esta atmosfera Sci-Fi é a que reina em todo o álbum, tanto que todas as músicas possuem uma conotação com o espaço, principalmente nas letras, que são histórias criadas por Lucassen, inspiradas em séries e filmes do gênero, onde cada cantor incorpora um personagem.

"Lift Off", a faixa de abertura, que é apenas uma introdução, mostra isso, pois em meio aos sintetizadores abundantes, você se sente realmente "decolando", como o nome da música sugere. Em "Set Your Controls" (inspirada no programa "Doctor Who") toda a potencia do Star One é apresentada, com um ritmo empolgante, nos deixando boquiabertos com a excelência dos instrumentistas logo nos primeiros instantes, além, é claro, da perfeição imposta pelos vocalistas, algo que nem será comentado, pois é constante em todas as faixas.

"High Moon" (inspirada no filme "Outland") é puro peso, com distorções no talo. Uma ótima faixa. Na seguinte, "Songs Of The Ocean" (inspirada em "Star Trek IV"), é visto que além do espaço, eles conseguem nos levar a um submarino, pois a faixa nos dá este efeito de submerso, que aliado aos sons deste veículo marinho no início, faz nossa imaginação trabalhar. "Master Of Darkness" (de "Star Wars") é a faixa mais pesada do álbum, com uma pegada sensacional. Curioso perceber como a música por muito se baseia em uma única nota, sem variação alguma, o que, ainda assim, não faz dela uma faixa simples.

Em "The Eye Of Ra" (do filme "Stargate") percebemos momentos mais climáticos, onde uma voz sobre um teclado traz calmaria, entretanto em outros momentos o peso, já padrão, vem novamente. "Sandrider" (inspirada no livro "Dune" ("Duna", em português) é outra com uma pegada sensacional e um refrão envolvente. "Perfect Suvivor" (do filme "Alien") tem muito peso, mas um ritmo mais lento. É boa, mas sem grandes destaques.

A seguinte é um dos grandes destaques do álbum, "Intergalactic Space Crusaders" (da série "Blake's 7"), com um refrão marcante, solos irretocáveis e ótima atuação por todas as partes. E esta já dá deixa para a próxima, a última música do álbum, que é outro marco: "Starchild" (dos filmes "2001: Uma Odisseia no Espaço" e "2010: O Ano Em Que Faremos Contato"), que tem em grande parte uma levada mais calma, com destaque para os belíssimos violões sob as vozes de Russell e Dan, mas que se supera de verdade em seus solos de guitarra, que são explosões de puro feeling por parte de Lucassen.

O CD se encerra de maneira estupenda, deixando a desejar mais, mas para aqueles que adquiriram a edição especial, verão ainda um segundo CD, bônus, que traz mais sete faixas.
A primeira, "Hawkwind Medley", é uma verdadeira epopeia homenageando os mestres do Space Rock, o Hawkwind, fazendo um medley das faixas "Master Of The Universe", "Silver Machine", "Psychedelic Warlords", "Brainstorm", "Assault And Battery", "The War I Survived" "Space Is Deep", "Spirit Of The Age" e "Lost Chronicles". E para tornar esta faixa toda especial, ela conta com ninguém menos do que o próprio líder do Hawkwind, Dave Brock, nos vocais.

A seguinte é uma das melhores, não só deste segundo CD, mas de todo o álbum Space Metal! "Spaced Out" (do filme "Dark Star") pode ser definida como um "Deep Purple espacial", pois a sonoridade lembra muito DP, mas com a personalidade do Star One. "Inseparable Enemies" (do filme "Inimigo Meu") é outra ótima, mas não tão marcante, principalmente sendo que ela vem após esta anterior.

Na próxima temos o cover do bom e velho David Bowie, "Space Oddity", que ficou simplesmente incrível! Arrisco dizer, em minha modesta opinião, que ficou melhor até do que a original! Isto porque ela ganhou uma sonorização muito mais "espacial", que acabou dando mais ênfase ao título. Seguindo ela, temos outra versão de "Starchild", remixada, e uma versão alternativa de "Spaced Out". São ótimas faixas, mas pode ser dito que foi inútil coloca-las novamente, pois a mudança foi praticamente imperceptível. Entretanto, por ser um disco bônus, o fato se torna aceitável, assim como a existência da próxima faixa, oculta, que é um cover de Donovan Leitch, "Intergalactic Laxative", que é uma verdadeira palhaçada, capaz de trazer gargalhadas devido ao tamanho ridículo, a começar pelo nome (Laxante Intergaláctico).

Em resumo é um álbum excelentíssimo, principalmente incluindo o segundo CD. Se você curte Prog, e principalmente se for fã de Sci-Fi, compre-o sem pestanejar, pois cada instante de som é uma verdadeira magnificência!

Faixas:
(CD 1)
01 - Lift Off
02 - Set Your Controls
03 - High Moon
04 - Songs Of The Ocean
05 - Master Of Darkness
06 - The Eye Of Ra
07 - Sandrider
08 - Perfect Survivor
09 - Intergalactic Space Crusaders
10 - Starchild
(CD 2)
01 - Hawkwind Medley
02 - Spaced Out
03 - Inseparable Enemies
04 - Space Oddity
05 - Starchild «Remix»
06 - Spaced Out «Versão Alternativa»
07 - Intergalactic Laxative

Gravadora: InsideOut

Publicado originalmente em http://musicisthedoctor.tumblr.com/


Outras resenhas de Space Metal - Star One

Resenha - Space Metal - Star One




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Star One"Todas as matérias sobre "Arjen Lucassen"


Sinceridade: e se as capas de discos dissessem a verdade?Sinceridade
E se as capas de discos dissessem a verdade?

Agressividade: 21 caras que fizeram a história do rock pesadoAgressividade
21 caras que fizeram a história do rock pesado

Death Metal: menina de 6 anos detona no America's Got TalentDeath Metal
Menina de 6 anos detona no America's Got Talent

Raimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da bandaBlack Metal: o lado mais negro da cena brasileiraGuns N' Roses: Axl Rose diz o tipo de álbum que gostaria de gravarPearl Jam: a história não contada sobre o protagonista de "Jeremy"

Sobre Afonso Viana

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.