Cartas à Julie-Marie: Trio carioca une rock e jazz à poesia

Resenha - Cartas à Julie-Marie - Cartas à Julie-Marie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Embora muitas bandas insistam em reproduzir as fórmulas já consagradas pelo rock n’ roll, o movimento indie nasceu com o intuito de acabar com a mesmice e reinventar o gênero. A sonoridade clássica do estilo, que passou a absorver as características do rock alternativo com mais naturalidade, assumiu uma postura artística rica em detalhes. Nessa perspectiva, os cariocas do CARTAS À JULIE-MARIE é um interessantíssimo exemplo. O grupo chega ao seu primeiro disco unindo referências do rock e do jazz à poesia de modo extremamente consistente.
5000 acessosTwisted Sister: segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"5000 acessosDio: as músicas de Heavy Metal/Rock favoritas do vocalista

O trio Alex Frechette (vocal e piano), Peter Strauss (guitarra) e Andréa Amado (bateria) juntaram no CARTAS À JULIE-MARIE uma série de influências diversificadas, que passeiam com desenvoltura pela música francesa de cabaret e pelo jazz/blues, como se os dois gêneros assumissem uma proximidade íntima ao rock n’ roll. O resultado soa uniforme e contorna a música da banda com muita personalidade e originalidade. Em uma nítida referência à obra “Cartas a Théo” (de Van Gogh), os cariocas musicaram doze poemas dedicados à sua personagem fictícia de modo muito consistente. De um lado, o trio mostrou competência criativa em doze faixas de relativo impacto. De outro, os caras comprovaram que a experiência de quatro serviu como degrau para atingir um nível excelente na produção do disco.

A característica mais marcante do disco “Cartas à Julie-Marie” é que a música do power trio carioca não se prende a rótulos ou a formatos pré-estabelecidos. De modo muito natural, Frechette & Cia. inseriram instrumentos até que poucos explorados pelo rock, como o trompete e o trombone, além da flauta e do acordeon. Embora não dêem um acento folk à obra, os doze músicos convidados enriqueceram a sonoridade do CARTAS À JULIE-MARIE, sem criar uma áurea de estranheza (comum do indie) à proposta do grupo. Depois da introdutória “Le Prélude”, as faixas seguintes mostram melodias animadas e, apesar dos títulos em francês, letras no nosso idioma. “La Découverte” se baseia em linhas de piano e conta com uma pegada genuinamente rockeira de guitarra. Na sequência, “Le Risque” mostra uma faceta mais jazz/blues com características setentistas. De qualquer modo, a música – assim como a sua anterior – mostra muita qualidade.

No entanto, o que não permite creditar “Cartas à Julie-Marie” como um disco sensacional é o desempenho de Alex Frechette diante do microfone. O cantor claramente não possui a desenvoltura necessária para se encaixar em todas as composições da banda, sobretudo em faixas como “Le Monde” e “Le Cirque”, exatamente porque exigem muito da voz de quem assume a posição de frontman. Por outro lado, “Le Lettre” – que conta com a bonita voz da convidada Gudi Vieira – mostra como a sonoridade do grupo se encaixa muito bem quando aposta em temas mais cadenciados. Por mais que a pegada rock n’ roll do power trio se sobressaia, “Le Lettre” certamente pode ser apontada como uma das melhores faixas do álbum.

Não há como deixar passar em branco. A faixa seguinte, “Le Jeu”, foi a única masterizada por Christian Wright no famoso estúdio Abbey Road, em Londres (Inglaterra). Com um toque mais jazz, a composição comprova que o CARTAS À JULIE-MARIE consegue um resultado excelente a partir do momento em que investe em passagens mais animadas e em um refrão que se fixa com facilidade na mente do ouvinte. A característica do refrão, que possui notoriedade desde as primeiras faixas do álbum, retorna em “Le Énigme”, mesmo que essa música possua uma áurea mais cadenciada, ao contrário de “La Routine”, que conta com a melhor performance de Alex Frechette diante do microfone.

Por mais que “Cartas à Julie-Marie” possua detalhes extremamente difíceis de serem rotulados e explicados aqui no texto, a proposta da banda apresenta muito mais virtudes do que comete pecados. A originalidade dos cariocas não só é evidente como ainda é capaz de dar uma qualidade extrena ao primeiro trabalho do CARTAS À JULIE-MARIE. De certo modo, a experiência proporcionada por Frechette & Cia. precisa ser mais provada (com os ouvidos) do que relatada por aqui. Por fim, o encarte e o CD prensado em SMD deram um toque a mais à riqueza sonora do material. Imperdível.

Site: www.cartasajuliemarie.com.br

Track-list:

01. Le Prélude
02. La Découverte
03. Le Risque
04. Le Monde
05. Le Cirque
06. La Lettre
07. Le Interméde
08. Le Jeu
09. La Conquête
10. Le Énigme
11. Le Épilogue
12. La Routine

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Cartas à Julie-Marie"

Twisted SisterTwisted Sister
Dee Snider: "Ser pobre e famoso é uma merda"

DioDio
Escolhendo suas músicas de Heavy Metal/Rock favoritas

SlipknotSlipknot
Joey Jordison diz que foi demitido por telegrama cantado

5000 acessosPink Floyd - Perguntas e Respostas5000 acessosAs regras da NWOBHM5000 acessosCourtney Love: "Parei com drogas e transei como um coelho"5000 acessosRush: Lifeson fala sobre o estilo musical de David Gilmour3442 acessosBlack Sabbath: "Paranoid" em versão Jazz5000 acessosPurpled by Marks: as metamorfoses do Deep Purple

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online