Mumford & Sons: Trilha de filme independente americano

Resenha - Sigh no More - Mumford & Sons

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Junior, Fonte: Aliterasom
Enviar Correções  


A troca de informação no meio musical é muito importante. A gente vai descobrindo ou mesmo re-descobrindo boas bandas, bons artistas, coisas interessantes que surgem aqui e ali e que se alguém não tivesse indicado você poderia morrer sem jamais ter conhecido e foi através do twitter que eu ouvi falar de Mumford & Sons.

Kirk Hammett: "Mustaine toca rápido e eu, melódico"

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos

Mumford & Sons faz aquele tipo de som que lembra soundtrack de filme independente americano (embora a banda seja inglesa) em que você vê dunas, desertos, homens marcados por suor e dores da vida, mustangs em estado de putrefação e fenos passeando pela areia repleta de vento.

Ouvir "Sigh No More" em um mundo cada dia mais veloz e barulhento chega a ser um contra-ponto na lida e no dia. Não que seja necessário alguma paciência, mas imagine um disco todo feito com canções como Gloria (U2) ou mesmo como alguma música de bandas como Jars of Clay ou da artista Leigh Nash (Sixpence None The Richer). O disco soa bastante reflexivo na onda do novo folk rock british, mas não tome "reflexivo" como sonolento ou sem energia. Digamos que combustível do disco é diferente e autêntico.

Um bom exemplo disso é a canção "Little Lion Man" (faixa 7) que é vibrante e contagiante ao som de um banjo flamejante e do acompanhamento ritmico de um bumbo. A economia é uma das principais características da banda formada em 2007 e composta por Marcus Mumford (vocals, guitar, drums, mandolin), Ben Lovett (vocals, keyboards, accordion, drums), "Country" Winston Marshall (vocals, banjo, dobro), e Ted Dwane (vocals, string bass, drums).

"Timshel", a faixa seguinte lembra as ideias musicais de Belle & Sebastian. A equalização dos vocais é bem anos 60, com total foco no vocal principal e os backings funcionam como sombras da melodia. Apenas como sugestão: dê uma ouvida nos discos americanos mais contemporâneos onde existam bastante arranjos vocais e perceba o quanto de ‘peso’ que há na hora da mixagem. Existem tantas direções apontadas que um apaixonado por música com bastante acuidade fica perdido no meio de tanta informação. Neste ponto, gosto do jeito ‘inglês’ de se fazer soar, na qual o destaque musical, com o perdão da redundância, é somente da canção. O artista funciona como um mensageiro daquele tema.

Eu que estava sentindo falta de um piano nervoso, ele aparece na "Thistle & Weeds" (faixa 9). Juntamente com um violino, constroem um certo caos sonoro bastante glorioso e que pode levar ao ouvinte por querer saber o próximo capítulo da história que Munford está contando.

Você que gostaria de ouvir um som brando e repleto de mensagens interessantes, Mumford & Sons pode virar sua trilha sonora por um breve tempo (ou pela vida inteira). Mesmo que você não more nas dunas, no deserto…

Twitter do autor: @dcostajunior




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Kirk Hammett: Mustaine toca rápido e eu, melódicoKirk Hammett
"Mustaine toca rápido e eu, melódico"

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposVH1
100 melhores músicas de hard rock de todos os tempos


Sobre Daniel Junior

Daniel Junior era blogueiro do Diário do Pierrot e do site The Crow (especializado em cinema). Colaborava com o site Seriemaníacos (sobre séries de TV) e com o blog Minuto HM. Começou seu amor pelo rock por causa do Kiss e do Black Sabbath até conhecer outras bandas pelas quais nutriria paixão e admiração como Metallica, Rush, Dream Theater, Faith No More e tantas outras. Daniel faleceu em 2017 e definitivamente fará falta.

Mais matérias de Daniel Junior no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin