Monster Magnet: Uma banda que passou de sua fase áurea

Resenha - Mastermind - Monster Magnet

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

7


Para boa parte do público, a lisergia tão marcante presente na odisseia representada pelos álbuns "Spine Of God" (92), "Superjudge" (93) e "Dopes To Infinity" (95) foi a principal responsável por alavancar a carreira do Monster Magnet. Ainda que posteriormente tenham passado por altos e baixos, ao optar por seguir caminhos mais comerciais, os norte-americanos de New Jersey ainda são frequentemente lembrados de forma respeitosa ao redor do globo.

Pois bem, após o bom "4-Way Diablo" (07), o Monster Magnet está estreando na conceituada Napalm Records com "Mastermind", um oitavo álbum que segue com praticamente a mesmíssima linha mais 'morna', oferecida nos últimos anos. São inúmeras as tentativas para resgatar aquela delirante energia de quando o Monster Magnet ainda era apenas um grupo emergente, e não é sempre que este objetivo é alcançado como se esperaria.

publicidade

A abertura "Hallucination Bomb" pode ser considerada o grande e doentio (literalmente!) destaque. É aqui que o vocalista, guitarrista e doidão de plantão Dave Wyndorf revolve a fundo seu passado psicodélico e espacial, e acerta em cheio. Toda esta eficácia lamacenta é seguida pela excelência lúgubre de "When The Planes Fall From The Sky", e ainda dá para citar com folgas "Bored With Sorcery", com linhas vocais bastante limpas, e a faixa-título com as ótimas guitarras da dupla Ed Mundell e Phil Caivano.

publicidade

De resto, não seria exagero dizer que o repertório é marcado pela irregularidade. Por exemplo, "Gods And Punks" funciona bem com a simplicidade de seus riffs, mas se torna questionável a sua escolha para ser o primeiro single do álbum. Eleita por motivos meramente comerciais... E o exemplo mais palpável de pura 'encheção de linguiça com muito toucinho' fica por conta da soporífera "The Titan Who Cried Like A Baby" – cujo título, diga-se, consegue ser ainda pior que a canção...

publicidade

"Mastermind" é o reflexo óbvio de uma banda que passou de sua fase áurea. Mas, mesmo assim, seus tantos flashbacks setentistas conseguem sustentar este trabalho em um patamar relativamente acima da média, ao se tratar do chamado Stoner Rock. É indiscutível que seus músicos personificam o estilo de forma convincente, e não há como deixar de admirar toda esta tenacidade.

publicidade

Contato:
http://www.zodiaclung.com
http://www.myspace.com/monstermagnet

Formação:
Dave Wyndorf - voz e guitarra
Ed Mundell - guitarra
Phil Caivano - guitarra
Jim Baglino - baixo
Bob Pantella - bateria

Monster Magnet - Mastermind
(2010 / Napalm Records - importado)

publicidade

01. Hallucination Bomb
02. Bored With Sorcery
03. Dig That Hole
04. Gods And Punks
05. The Titan Who Cried Like A Baby
06. Mastermind
07. 100 Million Miles
08. Perish In Fire
09. Time Machine
10. When The Planes Fall From The Sky
11. Ghost Story
12. All Outta Nothin'
13. Watch Me Fade
14. Fuzz Pig




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Tarja: agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000Tarja
Agredida sexualmente por fã durante show no México em 2000

Ozzy Osbourne: Fim do Guns foi a maior tragédia do rockOzzy Osbourne
Fim do Guns foi a maior tragédia do rock


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin