Holiness: Surpresa recente do cenário metálico brasileiro

Resenha - Beneath the Surface - Holiness

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em um cenário extremamente competitivo, são poucas as bandas que conseguem despontar de maneira sólida em nosso cenário underground. Com o álbum independente “Beneath the Surface”, os gaúchos da HOLINESS vão à contramão de todas as expectativas mais pessimistas. A banda, que mescla influências do metal melódico e do hard rock à sua proposta mais tradicional, mostra competência e desenvoltura para se inserir rapidamente entre os principais nomes do metal nacional.
5000 acessosIron Maiden: Felipe Dylon toca clássicos da donzela5000 acessosNirvana: entrevista com garoto da capa do "Nevermind"

Com apenas dois anos de carreira, Stéfanie Schirmbeck (vocal), Fabrício Reis (guitarra), Luciano Dorneles (guitarra), Hércules Moreira (baixo) e Cristiano Reis (bateria) conseguiram consolidar um repertório próprio, bastante consistente, antes de entrar em estúdio. De um lado, a produção renomada de Aquiles Priester (HANGAR) e a mixagem e a masterização assinadas por Tommy Newton (HELLOWEEN e KAMELOT) deram um nível excepcional a “Beneath the Surface”. De outro, a banda apresenta uma série de composições de personalidade e de impacto, com influências que não se prendem a nenhuma fórmula rígida ou pré-fabricada.

Entre as características próprias da banda, os riffs de guitarra se mostram extremamente densos e pesados, sinalizando para um distanciamento do senso comum encontrado em meio às bandas europeias, exclusivamente de metal melódico. As outras influências do grupo, que ainda passeiam pelo metal gótico e, sobretudo, pelo hard rock, não fazem de “Beneath the Surface” um disco cansativo. Pelo contrário: o repertório do álbum evidencia a essência mais criativa do quinteto em cerca de quarenta minutos de música.

Depois da curta abertura “Rise”, o ‘debut’ dos gaúchos de Erechim mostra uma sequência destruidora e incomparável. De um lado, “The Truth” mostra eficiência através das suas guitarras pesadas e intensas, sem se aproximar das características mais atmosféricas do gótico. De outro, “What I Want” contém uma dose extra de melodia e velocidade, que se contrapõe ao conceito da faixa anterior – mas sem abrir mão das guitarras agressivas. O vocal de Stéfanie Schirmbeck é definitivamente a marca da HOLINESS – a cantora não abusa de agudos ou do estilo mais clássico de TARJA TURUNEN –, pois ela possui um estilo muito próprio e adequado para a proposta musical do grupo.

As cadenciadas “Higher” e “Waiting For a Change” mostram a versatilidade da banda em compor baladas. As duas faixas, que não abusam de climas atmosféricos ou emotivos, unem as citadas influências do hard rock ao que a banda possui de maior destaque em todo “Beneath the Surface” – as guitarras pesadas. No entanto, “Waitinf For a Change” se sobressai à anterior pelo refrão de qualidade acima da média. Na sequência, “Take Me Closer” é um heavy metal extremamente agressivo e se contrapõe às suas antecessoras. Embora a música não possua tanto brilho como as demais, as influências progressivas são revistas em “Mine”, que conta com um refrão marcante e ótimas melodias – outro destaque à parte.

Com a participação do tecladista convidado Fábio Laguna (HANGAR), a HOLINESS, da metade para o fim de “Beneath the Surface”, evidencia uma aproximação mais íntima com as referências do metal progressivo. A faixa ”Breath Time” possui ótimas quebradas de guitarra e os riffs intensos dão à composição uma mistura interessante, entre o estilo e agressividade mais crua. Por fim, o cover inusitado (para uma banda metálica) de “Uninvited” (ALANIS MORISSETTE) mostra como o quinteto gaúcho é capaz de reconstruir composições aparentemente distintas com a sua marca própria – os riffs pesados e um solo de guitarra.

Não há nenhum exagero em afirmar: a HOLINESS é uma das principais revelações do underground brasileiro em 2010. “Beneath the Surface” possui um repertório praticamente impecável e com muito brilho em sua apresentação (mixagem/masterização). A voz de Stéfanie Schirmbeck, frente às guitarras pesadas do quinteto gaúcho, compõe o diferencial do grupo em comparação aos demais nomes do gênero. Certamente, um segundo álbum como esse e uma sequência de shows pelo país darão visibilidade e reconhecimento a essa surpresa recente do cenário metálico brasileiro.

Site: www.myspace.com/officialholiness

Track-list:

01. Rise
02. The Truth
03. What I Want
04. Higher
05. Waiting For a Change
06. Take Me Closer
07. Mine
08. Into the Light
09. Breath in Time
10. Uninvited

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Beneath the Surface - Holiness

1805 acessosHoliness: com certeza, um grupo para se acompanhar

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Holiness"

GaleriaGaleria
Mais musas do rock/metal nacional

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Holiness"

Iron MaidenIron Maiden
Felipe Dylon toca clássicos da donzela

NirvanaNirvana
Entrevista com garoto da capa do "Nevermind"

NightwishNightwish
Tarja Turunen fala sobre sua demissão da banda

5000 acessosNick Jonas: ele tentou fazer um solo e virou um meme de Internet5000 acessosFotos de Infância: Avril Lavigne5000 acessosEm 20/08/2005: Iron Maiden é atacado com ovos no Ozzfest5000 acessosQueen: novas fotos do recluso John Deacon5000 acessosLemmy: "Posso ver três gerações lá fora quando tocamos!"5000 acessosRicardo Boechat e Boris Casoy: dois velhos metaleiros?

Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online