Apokalyptic Raids: honestidade e honra no underground

Resenha - Vol. 4; Phonocopia - Apokalyptic Raids

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Écio Souza Diniz
Enviar Correções  


Mais que grande garra em manter o espírito oitentista do Death/Black Metal, o APOKALYPTIC RAIDS, se supera a cada lançamento, mostrando originalidade no que faz. Tendo já em seu currículo três grandes álbuns de estúdio, eles ganham cada vez mais espaço tanto fora quanto dentro do país. "Vol.4-Phonocopia", novo álbum dos cariocas, veio para firmar mais ainda o nome da banda entre os bangers, através das grandes composições que constituem este trabalho. A criatividade de Leon "Necromaniac" Mansur, que já produziu diversas bandas como DORSAL ATLÂNTICA, AZUL LIMÃO, FARSCAPE, FLAGELADOR, MUSTANG, entre outras, e sempre esteve à frente da banda, é algo excepcional para os padrões que o Metal segue atualmente.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A abertura do impecável set list, já se dá em grande forma com "Nightmare (In frost and fire)", (uma música bem típica da identidade do APOKALYPTIC RAIDS), seguida de "Stare into the abyss" (onde nota-se a influência de BLACK SABBATH, porém com originalidade). "Victim o' velocity", é rápida e direta, seguida pelo clima mais arrastado de "Remember the future", onde a influência de SABBATH atinge sua forma mais explicita. A atmosfera tensa é evidenciada em 'The revenge of history'. A rápida "Priest of evil" (que relembra muito a agilidade das músicas do segundo álbum, "The return of the satanic rites"), e a cadenciada "Cruficy the agnostic", tem elementos que relembram com exatidão o estilo denso e agressivo de HELLHAMMER e CELTIC FROST. "A world without a danger", mostra um ritmo mais compassado, com riffs mais soturnos e muito bem dispostos. Uma pegada marcante e meio punk, é vista em "The unquiet grave" (destaque para a cozinha do baixo e bateria). O encerramento se dá com maestria através de "Nothing will happen" (portadora da melhor performance vocal do álbum), que além de sua alta qualidade, traz escondida um cover para "Crucifiction" do HELLHAMMER. Em suma, um álbum pra constar na coleção de todo Headbanger que se preze. Mais uma vez, saudemos esta banda, que represente com honestidade e honra o underground nacional.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Hell Music/Moribundo Records

Mais informações: www.apokalypticraids.com

Faixas:
Leon Manssur ‘Necromaniac’– Guitarra/Vocal
Vinícius Canabarro ‘HellPreacher’ – Baixo
Márcio Cativeiro ‘Slaughterer’ – Bateria

1. Nightmare (In Frost and Fire)
2. Stare Into the Abyss
3. Victim O'Velocity
4. Remember the Future
5. The Revenge of History
6. Priest of Evil
7. A World Without Danger
8. Crucify the Agnostic
9. The Unquiet Grave
10. Nothing Will Happen

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Steven Tyler: primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeasSteven Tyler
Primeira vez aos 7 anos, com duas gêmeas

Separados no nascimento: Phil Lynott e TiriricaSeparados no nascimento
Phil Lynott e Tiririca


Sobre Écio Souza Diniz

Graduado em Ciências Biológicas e pesquisador na área de Ecologia e Evolução vegetal, sempre foi aficionado por leituras sobre o mundo do Rock/Metal. Além do metal, tem como paixões filmes de terror e épicos. Já participou como vocalista de várias bandas de Death/Grind, mas como nenhuma vingou se encontrou melhor em redigir matérias, fundando há alguns anos atrás o Pólvora Zine. Colabora também com vários sites especializados e com a revista Roadie Crew. Suas bandas preferidas são Iron Maiden, Black Sabbath, Dio, Dorsal Atlântica, Candlemass e Sarcófago.

Mais matérias de Écio Souza Diniz no Whiplash.Net.

Cli336 Cli336 Cli336