Father's Face: paralelos entre Frankestein e o agora

Resenha - Soundtrack For A Closing Light - Father's Face

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Aquele que, em 2009, teve a oportunidade de receber em mãos a demo auto-intitulada do Father's Face, certamente não pôde deixar de ficar impressionado com o esmero de sua música e projeto gráfico/artesanal, que fugiu completamente do que se espera deste tipo de material. Tendo como mentor o guitarrista e produtor Alessandro Marques, a banda gaúcha simplesmente conseguiu chamar as atenções para si e, assim, certamente tinha algumas responsabilidades para com seu futuro debut.

Guitarra: o riff mais popular de todos os temposStrip-Tease: algumas canções que combinam com o tema

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mas o Father's Face soube como utilizar as oportunidades que a internet oferece, mantendo contato com o público acerca dos passos dados durante a elaboração de "Soundtrack For A Closing Light", que está sendo agora liberado de forma independente. E o pessoal optou por começar com um álbum conceitual, abordando a obra clássica de Mary Shelley, "Frankenstein", mas não apenas narrando sua história, e sim também traçando paralelos bem-sacados entre o conto de 1818 e o momento atual do mundo.

O plano de fundo é, definitivamente, o Heavy Metal, com base em sua faceta mais tradicional e com muitas melodias. Mas o Father's Face também investe e assimila outras influências, como o caso de integrar habilmente sutis elementos mais setentistas ao longo de todo o peso das composições e, principalmente, a orientação da música clássica oferecida pelas guitarras, com bases bem sacadas (remetem a David T. Chastain dos velhos tempos) e solos disparados com uma emoção palpável - atentem para o final de "Quieten My Anguish"!

O desempenho, tanto individual como em grupo, é excelente, tendo no bonito timbre do vocalista Lucas Guimarães motivo de destaque. São 10 canções naturalmente diversificadas para transmitir todo o drama da história, com a própria faixa-título sendo um resumo do que o grupo oferece, seguidas de perto pela pesadíssima abertura "Evil's War"; a emocional "Thy Touch"; além de "... Or A Lonely Soul?" e "Eden", galopantes e movidas a vozes limpas e semi-guturais, com tal magnetismo que não permite algum tipo de indiferença por parte do ouvinte.

Completando o pacote, a inspiração literária e musical de "Soundtrack For A Closing Light" é cuidadosamente transferida ao aspecto visual, unindo elementos do séc. XIX a outros mais contemporâneos e devidamente aplicados na capa do disco. Com um excelente áudio, produto de meses de trabalho encarado pelo próprio Father's Face, esta é uma obra totalmente recomendada ao público que valoriza o Heavy Metal verde-amarelo, feito com suor, seriedade e solidez.

Contato:
http://www.fathersface.com.br
http://www.myspace.com/fathersface

Formação:
Lucas Guimarães - voz
Alessandro Marques - guitarra
Cristóvão A. Viero - guitarra
Luciano de Oliveira - baixo
Daniel Seimetz - bateria

Father's Face - Soundtrack For A Closing Light
(2010 / independente - nacional)

01. Evil's War
02. Thy Touch
03. The One In The Many
04. ... Or A Lonely Soul?
05. Eden
06. Shivering In Grey
07. My Reflection
08. Quieten My Anguish
09. Both The Worst Sides
10. Soundtrack For A Closing Light


Outras resenhas de Soundtrack For A Closing Light - Father's Face

Father's Face: algo bom, novo e coerente, digno de nota




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Father's Face"


Guitarra: o riff mais popular de todos os temposGuitarra
O riff mais popular de todos os tempos

Strip-Tease: algumas canções que combinam com o temaStrip-Tease
Algumas canções que combinam com o tema


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336