Theatre Of Tragedy: desolador e positivamente acessível

Resenha - Forever Is The World - Theatre Of Tragedy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


É... Passaram-se muitos anos, alguns clássicos e um monte de problemas, mas eis que o Theatre Of Tragedy, um dos pioneiros da cena Gothic Metal, está chegando ao sétimo álbum de estúdio. E "Forever Is The World" mostra, definitivamente, como a escolha por Nell Sigland foi acertada para substituir a carismática Liv Kristine, há tempos cantando no Leaves Eyes.

O grupo segue com sua própria maneira especial de criação. Estilisticamente, este novo álbum apresenta uma versátil mistura de tudo o que conjunto apresentou no passado, combinando os elementos clássicos do Gothic Metal com um pouco – bem pouquinho!!! – do que foi exibido em sua fase mais eletrônica. O resultado chega a uma ambientação moderna, desoladora e, na maioria das vezes, positivamente acessível.

publicidade

Os pianos soam maravilhosos e Sigland, que canta na maioria das ocasiões, continua a não exagerar e segue sempre muito expressiva em uma veia mais pop. Mas, ainda assim, algumas das composições mais marcantes são aquelas que também apresentam a voz de Raymond, que inclusive ressuscitou seus rosnados nas obscuras e pesadas "Hide And Seek" e "Frozen", por exemplo.

publicidade

O repertório é relaxante e muito introspectivo. Várias canções agradam pelo domínio e requinte de seus arranjos, como na hipnótica e quase otimista (?) "Hollow", que, ao lado de "Illusions", exibe algumas das mais bonitas atuações de Nell Sigland. Outra faixa que chama a atenção é "Deadland", com um pouco mais de distorção e velocidade.

publicidade

Até poderia ser cogitado que este registro seja um disco de transição. Mas isso se torna impraticável, considerando que o Theatre Of Tragedy anunciou o fim de suas atividades para o exato dia 2 de outubro de 2010, quando completará 17 anos. Se for mesmo o fim, provavelmente este elegante "Forever Is The World" mostrará que os noruegueses foram fiéis até o fim à suas tão controversas idéias – sejam góticas ou eletrônicas.

publicidade

Contato:
http://www.theatreoftragedy.com
http://www.myspace.com/pagesoftragedy

Formação:
Nell Sigland - voz
Raymond István Rohonyi - voz
Vegard K. Thorsen - guitarra
Frank Claussen - guitarra
Lorentz Aspen - teclado
Hein Frode Hansen - bateria

publicidade

Theatre Of Tragedy - Forever Is The World
(2009 - AFM Records / Laser Company Records – nacional)

01. Hide And Seek
02. A Nine Days Wonder
03. Revolution
04. Transition
05. Hollow
06. Astray
07. Frozen
08. Empty
09. Illusions
10. Deadland
11. Forever Is The World




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Liv Kristine: Fui forçada a deixar o Theatre of TragedyLiv Kristine
"Fui forçada a deixar o Theatre of Tragedy"

Tommy Lindal: os álbuns que marcaram o guitarristaTommy Lindal
Os álbuns que marcaram o guitarrista


Woodstock: som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urinaWoodstock
Som ruim, gente demais e cheiro de fezes e urina

Notas altas: as dez mais impressionantes do Heavy MetalNotas altas
As dez mais impressionantes do Heavy Metal


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin