Belphegor: buscando novos elementos para a brutalidade

Resenha - Walpurgis Rites: Hexenwahn - Belphegor

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Antes relegada às profundezas do underground, inúmeras bandas já veteranas do cenário Heavy Metal extremo vêm atingindo novos patamares com sua Arte. O motivo? O desenvolvimento consciente das habilidades técnicas de seus músicos e uma produção cada vez mais sólida e límpida, que consiga mostrar todas as minúcias enterradas no corpo das composições.

Esta progressão natural também se aplica ao Belphegor, horda austríaca que está na ativa desde 1993 e com seu oitavo álbum agora aportando em território brasileiro através do selo Laser Company. E "Walpurgis Rites: Hexenwahn" mostra o longo caminho percorrido desde o debut "The Last Supper" (95), com basicamente a mesma visão musical, mas buscando novos elementos para a brutalidade de seu Heavy Metal.

publicidade

É claro que o Belphegor, com toda sua reputação, nunca iria seguir por rumos que mudassem drasticamente sua sonoridade. É apenas uma questão de tornar as coisas mais interessantes e dinâmicas ao fazer uso de vários andamentos mais cadenciados e uma sutil inserção de melodias que seriam heresia há alguns anos. Mas, enfatizo, mantendo as raízes cruas e amargas de seu conhecido Death e Black Metal.

publicidade

Assim sendo, a audição de "Walpurgis Rites: Hexenwahn" vai impressionando enquanto progride, em especial pela intrigante "Veneratio Diaboli - I Am Sin". Seus sete minutos faz desta a mais longa composição de toda a carreira dos austríacos e mostra sua necessidade de se expressar com maior liberdade, de forma mais lenta e sem perder a agressão. Outros grandes momentos ficam por conta de "The Crosses Made Of Bone" e "Hail The Blood", que exibem um pouco do que é o ótimo trabalho das guitarras deste disco.

publicidade

Gravado no Stage One Studios do alemão Andy Classen (Legion Of The Damend, Dew-Scented, Asphyx) e com a sufocante arte de capa elaborada pelo brasileiro Marcelo HVC (Gorgoroth, Vader, Satyricon), este é um excelente álbum de música extrema, mesmo que provavelmente venha a ofuscar ainda mais aquela aura ‘cult’ que o Belphegor vinha ostentando até alguns anos.

publicidade

Formação:
Helmuth - voz e guitarra
Serpenth - baixo
Morluch - guitarra
Robert Kovačić - bateria (músico de estúdio)

Contato:
http://www.belphegor.at
http://www.myspace.com/belphegor

Belphegor – Walpurgis Rites: Hexenwahn
(2009 - Nuclear Blast Records / Laser Company Records - nacional)

publicidade

01. Walpurgis Rites
02. Veneratio Diaboli - I Am Sin
03. Hail The New Flesh
04. Reichswehr In Blood
05. The Crosses Made Of Bone
06. Der Geistertreiber
07. Destroyer Hekate
08. Enthralled Toxic Sabbath
09. Hexenwahn - Totenkult



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Belphegor: banda lança vídeo da versão regravada de "Necrodaemon Terrorsathan"


Belphegor: frontman quase morreu por doença do BrasilBelphegor
Frontman quase morreu por doença do Brasil

Belphegor: Dane-se a Igreja, precisamos de mais Metal!Belphegor
"Dane-se a Igreja, precisamos de mais Metal!"


Raul Seixas: Perguntas e respostas e curiosidades diversasRaul Seixas
Perguntas e respostas e curiosidades diversas

Slipknot: Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey TaylorSlipknot
Ozzy quis entrar pra banda segundo Corey Taylor


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin