Mastedon: recomendado a quem aprecia Boston, Kansas e Asia

Resenha - 3 - Mastedon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar Correções  

8


Parte do sucesso que o Kansas alcançou com os álbuns "Vinyl Confessions" (82) e "Drastic Measures" (83) pode ser creditado ao vocalista e tecladista John Elefante, que assumiu o posto de Steve Walsh em 1981. Poucos anos depois, John e seu irmão Dino montaram o estúdio Pakaderm Records e se tornaram produtores conhecidos pela impressionante definição que alcançaram em álbuns de feras do rock cristão como Petra, Guardian, X-Sinner e vários outros.

Em função das circunstâncias, nada mais natural que John montasse seu próprio conjunto. Novamente em parceria com seu irmão, usou a referência ao sobrenome Elefante para batizar o projeto com a designação de outro famoso paquiderme, Mastedon, que liberou dois álbuns – "It's A Jungle Out There" (89) e "Lofcaudio" (91) – ambos repletos de convidados e cuja repercussão ultrapassou todas as expectativas a ponto de seu Hard Rock e AOR com temática cristã se tornarem cultuados até os dias de hoje.

publicidade

De qualquer forma, somente agora o Mastedon se prontificou a lançar um novo disco. Batizado simplesmente como "3", John Elefante e seu irmão optaram por reduzir drasticamente a infinidade de convidados utilizados no passado. Mesmo assim, é gratificante ver que Dave Amato (REO Speedwagon) e, quem diria, até mesmo Kerry Livgren (Kansas) aparecem como guitarristas. Neste esquema, John também assumiu todas as vocalizações, honrando a reputação de possuir 'a voz de um anjo' em uma atuação emocionante.

publicidade

Depois de tanto tempo, é compreensível que as novas canções soem ligeiramente diferentes. O AOR apresentado nos dois primeiros álbuns continua presente, mas agora mesclado a generosas doses de melodias pop que John adotou em sua posterior carreira-solo, além de, por fim, se investir também em estruturas um pouco mais complexas, quase progressivas, em várias ocasiões.

publicidade

O resultado é um repertório bastante descontraído e bem representado por canções como a sinuosa "One Day Down By The Lake", a cadência do rockaço "Water Into Wine" ou ainda "Revolution Of Mind", onde os irmãos Elefante mostram que não perderam as manhas em elaborar refrões grandiosos. Vale também citar a releitura de um dos maiores clássicos do Kansas, que resultou em uma "Dust In The Wind" agradável, mas que não supera a insuperável versão original.

publicidade

Embalado em um bonito digipack, tantas melodias adocicadas certamente minimizaram um maior impacto que "3" poderia vir a ter. Mas esta observação não compromete a deliciosa nostalgia que a audição proporciona, sem contar que provavelmente sedimentará a reputação de John Elefante entre a nova geração de amantes do AOR. Um disco recomendado àqueles que apreciam toda a pompa de nomes como Boston, Kansas e Asia, além de, é claro, aos adeptos da música cristã contemporânea.

publicidade

Contato:
http://www.johnelefante.com
http://www.myspace.com/johnelefante

Formação:
John Elefante - voz, guitarra e teclados
Dino Elefante - guitarra
Kerry Livgren - guitarra
Dave Amato - guitarra
Anthony Sallee - baixo
Dan Needham - bateria

publicidade

Mastedon - 3
(2009 / Frontiers Records - importado)

01. Revolution Of Mind
02. Slay Your Demons
03. Nowhere Without Your Love
04. One Day Down By The Lake
05. Water Into Wine
06. Questions
07. You Can’t Take Anything
08. Lying
09. The Western World
10. That’s What You Do
11. Dust In The Wind (bonus)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Felipe Andreoli: Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra...Felipe Andreoli
"Se você quiser se arriscar a ligar para o ex-cantor do Angra..."

Sepultura: Pavarotti gravou uma versão de Roots Bloody Roots?Sepultura
Pavarotti gravou uma versão de "Roots Bloody Roots"?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin