Darkest Seed: Metal com o sabor atraente do Hard Rock

Resenha - Scars That Never Heal - Darkest Seed

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Em 2007, o Darkest Seed disponibilizou três ótimas canções no EP "The Seed Is Rising", deixando grande curiosidade em como poderia soar um álbum completo. Enfim, agora o trio gaúcho de Caxias do Sul está estreando em disco com o independente “The Scars That Never Heal”, que mostra que a banda realmente encontrou seu estilo há tempos.
5000 acessosGuns N' Roses: A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum5000 acessosMetal: adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

A audição de “The Scars That Never Heal” flui de forma tão gratificante que se torna dispensável querer rotulá-lo. Sabe aqueles grupos que têm as manhas de entregar canções de um Heavy Metal com o sabor atraente do Hard Rock – ou vice-versa...? – com o potencial para despertar emoções em um público bem amplo? Pois bem, assim é o Darkest Seed.

Os quase 50 minutos de audição mostram como essa fusão de estilos está profundamente entrelaçada. Há resquícios dos anos 70, 80 e 90, muita distorção, melodias matadoras, trabalho bem explorado com as vozes e arranjos mais complexos ao lado de outros mais simples. Tudo feito com o coração, montado com a devida moderação e, importantíssimo, mantendo a homogeneidade do repertório.

Assim sendo, não há como ficar indiferente a ocasiões tão bonitas como “End Of Time”, “Down”, “Lonely”, “Soul Caged” ou a própria faixa-título. Além da maturidade das composições, “The Scars That Never Heal” possui uma produção bem encorpada e moderna, que ficou aos cuidados do detalhista Roger Fingle (Blood Tears, Seduced By Suicide) no Estúdio Nitro, na própria cidade natal da banda.

“The Scars That Never Heal” não vacila em sua honestidade. Pode até vir a ser considerado um tipo de música comum nos dias atuais, mas a coisa é elaborada com tal paixão que coloca o Darkest Seed bem acima das besteiras que estão ‘na moda’. E o apego ao lado artístico da Música diz muito em se tratando de Rock´n´Roll, certo?

Contato:
http://www.darkestseed.com
http://www.myspace.com/darkestseed

Formação:
Benhur Lima - voz e baixo
Ricardo Reolon - guitarra
César de Campos - bateria

Darkest Seed – The Scars That Never Heal
(2009 / independente – nacional)

01. End Of Time
02. Down
03. The Final Hour
04. Lonely
05. Silent Scream
06. L.I.F.E
07. Soul Caged
08. The Darkest Seed
09. Hopeless
10. The Scars That Never Heal

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Darkest Seed"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Darkest Seed"

Guns N RosesGuns N' Roses
A crítica de Portnoy ao trabalho de Matt Sorum

MetalMetal
Adolescentes que ouvem o gênero fazem mais sexo?

Pink FloydPink Floyd
The Wall: uma obra de arte conceitual

5000 acessosSteven Tyler: vocalista admite que já queimou a rosca5000 acessosDimmu Borgir: Silenoz se considera um satanista?5000 acessosCorey Talor: "Axl é um pau no cu e quem espera por ele é otário"4007 acessosPreguiçosas: as bandas que mais demoraram para lançar um disco5000 acessosGuns N' Roses: Confusão de St. Louis no Jornal do SBT em 19915000 acessosNúmero da besta: Vôo 666 com destino a HEL numa 6ª feira 13? Pois aconteceu.

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online