Matérias Mais Lidas

imagemO hit da Legião Urbana cuja letra fala sobre esperança de Renato em se curar da AIDS

imagemMax e Iggor convidam Jairo, detonam no Rio e alfinetam: "Verdadeiro Sepultura"

imagemA lenda do Rock que se arrepende de nunca ter dormido com Jimi Hendrix

imagemPodcast diz que prática comum no black metal hoje seria "coisa de esquerdomacho"

imagemQuando Slash tentou entrar pro Kiss mas foi rejeitado por um motivo cruel

imagemA sincera resposta de João Gordo para quem o acusa de ser "traidor do movimento"

imagemPink Floyd: Roger Waters relembra a última vez que viu Syd Barrett

imagemO hit dos Engenheiros do Hawaii que faz uma dura crítica à panelinha do rock nacional

imagemO sensato conselho que Lulu Santos deu para o novato Herbert Vianna

imagemDez clássicos do rock e do heavy metal que não têm bateria

imagemBittencourt começou a fazer tai chi chuan no camarim após beque de Mariutti bater forte

imagemPrika explica critérios para entrar na Nervosa: "Fascista na minha banda não toca!"

imagemEddie Munson faz metaleiros virarem novos crushes da geração TikTok, diz site

imagemMúsicos famosos fizeram teste para o AC/DC sem que ninguém soubesse, conta baterista

imagemNando Reis e a enigmática música que ele queria usar para seduzir Marisa Monte


Stamp

Ravenland: representante do Gothic Metal feito no Brasil

Resenha - ...And A Crow Brings Me Back - Ravenland

Por Ben Ami Scopinho
Em 09/10/09

Nota: 7

Natural da capital paulista, o Ravenland iniciou sua trajetória em 1997 e rapidamente várias portas se abriram para o conjunto, mas, infelizmente, algumas dificuldades fizeram com que a banda encerrasse suas atividades. O retorno ocorreu somente em 2006 e, graças às facilidades da internet, registros como "Black" (06) e "Back" (07) possibilitaram que um novo reconhecimento surgisse por parte de várias nações.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Agora, sob a tutela da Free Mind Records, o Ravenland está estreando com o caprichadíssimo "...And A Crow Brings Me Back". Por aqui o ouvinte se deparará linhas vocais masculinas, limpas e profundas, que encontram parceria nas vocalizações femininas, simples, mas muito agradáveis. A parte instrumental é uma cuidadosa mescla de Heavy, Doom e Gothic Metal, com frequentes e bons solos de guitarras.

Mesmo procurando inserir elementos que proporcionem alguma distinção em sua melancólica forma de expressão, é a essência de grupos como Flowing Tears, Moonspell ou The 69 Eyes que são as referências recorrentes em "...And A Crow Brings Me Back". Ou seja, o resultado geral não é inovador, mas há ótimas composições como "Pressage", "Nas Asas do Corvo" e "The Crow", além das já conhecidas "Velvet Dreams" e "Soulmoon".

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

O grupo também incrementou o disco com uma caprichada e descontraída faixa multimídia com o clipe oficial de "End Of Light" (que inclusive entrou na programação da MTV brasileira), fotos do making of e um pequeno texto sobre a história de amor e morte ocorrida no castelo do tal vídeo.

Vale citar que há alguns personagens conhecidos do público participando de "...And A Crow Brings Me Back". O disco foi gravado no estúdio paulistano Fusão, com produção e mixagem de Ricardo Confessori (Angra, Shaman), responsável também pela gravação da bateria, além de a masterização ter ficado sob a responsabilidade de Waldemar Sorychta (Moonspell, Lacuna Coil, Tiamat). O álbum contou também com a participação especial do guitarrista Tommy Lindal (Theatre Of Tragedy) em "Velvet Dreams" e "The Crow".

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Muitos vêm considerando o Ravenland como o maior representante do Gothic Metal feito atualmente em território brasileiro. Pode ser, mas também poderá ser necessário que o Corvo procure alguma singularidade que o afaste do resto do bando para garantir sua sobrevivência. Este é um primeiro disco, dono de ótimas canções que mostram que talento não é problema – é questão de tempo, apenas isso.

Contato:
http://www.ravenland.net
http://www.myspace.com/ravenland

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Formação:
Camilla Raven - voz e violino
Dewindson Wolfheart - voz
Albanes Gonçalves - guitarra
João Cruz - baixo
Ricardo Confessori - baterista convidado

Ravenland - ...And A Crow Brings Me Back
(2009 / Free Mind Records – nacional)

01. After The Sun Hides (intro)
02. She Will Bleed Again (prólogo)
03. Presage
04. The Last Sunset
05. End Of Light
06. Velvet Dreams
07. Burning For You
08. Soulmoon
09. Nas Asas Do Corvo
10. The Crow
11. Tragic Romance
12. ...Till Death Us Unite Again
13. Zodiac
14. Regret
15. Soulmoon (EP version)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Kiss: como foi demitir Eric Carr em seu leito de morte

O Whiplash.Net protege algumas bandas e prejudica outras?


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.