Chickenfoot: não é um disco que vai mudar o mundo...

Resenha - Chickenfoot - Chickenfoot

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Doctor Robert
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Engraçado como o surgimento de qualquer novo super-grupo sempre enche os fãs de expectativas. E é uma pena que nem sempre estas expectativas sejam correspondidas. Se formos relembrar alguns, como o The Firm (de Jimmy Page e Paul Rodgers), o Audioslave (de Chris Cornell com o pessoal do Rage Against The Machine) e tantos outros, o que temos como saldo é um grande misto de altos e baixos em seus trabalhos. O que esperar então do Chickenfoot? Um novo Van Halen? Um som virtuoso, com algumas levadas funkeadas? Afinal, temos reunidos só feras aqui: Sammy Hagar (Montrose, Van Halen) nos vocais, Michael Anthony (Van Halen) no baixo, Chad Smith (Red Hot Chili Peppers) nas baquetas e ninguém menos que Joe Satriani pilotando as seis cordas.
334 acessosChad Smith: participações inusitadas em discos de outros artistas5000 acessosCovers: quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

Já dava pra se ter uma noção do que encontrar neste álbum, visto que “Soap On A Rope” já estava disponível pela web há algum tempo. Pois bem, se esta faixa nos remete diretamente ao Van Halen do começo dos anos 90 (por que será, hein?), no resto do álbum o quarteto tenta não soar tanto assim como a ex-banda de Hagar e Anthony. A abertura com “Avenida Revolution” tem uma levada diferente e empolgante, os “ruídos” característicos de Satriani costurando a música e um vocal bem rasgadão de Hagar. Este, aliás, merece um baita elogio, pois mesmo já sessentão, mostra que ainda consegue detonar.

A segunda faixa é a já citada “Rope”, esta sim totalmente Van Halen. Tem alguma coisa de errada nisso? Claro que não. Teria se a referência (comparação) tivesse por base algo ruim, e como temos dois caras aqui que têm muito a ver com a sonoridade de sua ex-banda, a comparação fica inevitável: feche os olhos, ouça os backing vocals de Anthony, e tente não lembrar do Van Halen...

Seguindo o play, “Sexy Little Thing” tem uma levada mezzo hard, mezzo pop, um refãozinho meio grudento... mas tudo muito legal! E se em “Oh Yeah!” temos uma grande faixa, onde o ótimo trabalho nas guitarras de Joe rouba a cena, em “Runnin’ Out” temos a sensação de que estamos ouvindo uma daquelas faixas que entra apenas pra preencher espaço. Não chega a ser ruim, mas fica bem aquém do resto do trabalho, apesar do bom solo de guitarra (que chega a ser redundância, tratando-se de Mr. Satch). Já em “Get It Up”, o que se ouve é um rockão direto, sem muita frescura, onde Hagar chega a arriscar alguns “Arriba!”. Talvez uma homenagem ao belo Cabo San Lucas, onde a banda se reuniu pra compor, ensaiar, gravar e, muito provavelmente, tomar algumas doses da famosa tequila Cabo Wabo.

Voltando ao disco, este segue alternando seus altos e baixos: se um outro bom momento fica por conta de “Down The Drain”, hard rock bem setentista, onde Satch dá mais um show, outra faixa fraquinha é “My Kinda Girl”, que talvez ficasse melhor se gravada pelo Mr. Big ou alguma outra banda do gênero. “Learning To Fall” até que é legal, mas acaba ficando meio cansativa. Já “Turnin’ Left” levanta o moral de novo, lembrando adivinha que banda? Uma que tem as iniciais “VH”...

Fechando o play, uma boa baladona, “Future In The Past”, nos deixando a sensação de que acabamos de ouvir mais um grande disco de rock and roll, feito por quatro caras que entendem muito do assunto. Não é um disco que vai mudar o mundo, mas sim pra se curtir numa boa, com o volume bem alto e, para quem gosta, tomando uma boa tequila. Não deve atrair os fãs de Red Hot Chili Peppers, mas com certeza vai agradar os fãs de... ah não!... olha eles aí de novo... Van Halen...

1. Avenida Revolution
2. Soap On A Rope
3. Sexy Little Thing
4. Oh Yeah!
5. Runnin’ Out
6. Get It Up
7. Down The Drain
8. My Kinda Girl
9. Learning To Fall
10. Turnin’ Left
11. Future In The Past

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Chickenfoot - Chickenfoot

3551 acessosChickenfoot: velhas fórmulas para um novo som1475 acessosChickenfoot: estréia muito bem-vinda no cenário atual

334 acessosChad Smith: participações inusitadas em discos de outros artistas1083 acessosChickenfoot: veja a banda tocando "Highway Star", do Deep Purple0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Chickenfoot"

Sammy HagarSammy Hagar
"Eu posso me gabar um pouco; eu vim do nada!"

ChickenfootChickenfoot
Hagar: "Joe é o melhor guitarrista com quem já toquei!"

Michael AnthonyMichael Anthony
Como é trabalhar com Sammy Hagar e Joe Satriani?

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Chickenfoot"

CoversCovers
Quando bandas de Heavy e Power Metal prestam tributo

Dream TheaterDream Theater
Rudess lista os álbuns que mudaram sua vida

EuropeEurope
Coisas sobre o Joey Tempest que quase ninguém sabe

5000 acessosMetallica: homem que matou Bin Laden usou faixas em tortura5000 acessosNoisecreep: as 10 guitarras mais icônicas do metal5000 acessosSlipknot: Root responde qual álbum o deixou viciado em Metal5000 acessosSepultura: assista entrevista histórica a Kid Vinil5000 acessosHammett: "O lugar do Purple é no Rock Hall of Fame"5000 acessosJim Morrison: ele está vivo e criando cavalos nos EUA?

Sobre Doctor Robert

Conheceu o rock and roll ao ouvir pela primeira vez Bohemian Rhapsody, lá pelos idos de 1981/82, quando ainda pegava os discos de suas irmãs para ouvir escondido em uma vitrolinha monofônica azul. Quando o Kiss veio ao Brasil em 1983, queria ser Gene Simmons e, algum depois, ao ver o clipe de Jump na TV, queria ser Eddie Van Halen. Hoje é apenas um bom fã de rock, que ouve qualquer coisa que se encaixe entre Beatles e Sepultura, ama sua esposa e juntos têm um cãozinho chamado Bono.

Mais matérias de Doctor Robert no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online