Matérias Mais Lidas

imagemAs faixas do "Black Album" que James Hetfield e Lars Ulrich não curtem

imagemAs seis músicas do Metallica que Dave Mustaine ajudou a escrever

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemSérgio Moro elege banda clássica de Rock como sua favorita

imagemJanis Joplin: última gravação dela em vida foi feita para um Beatle

imagemAs 10 melhores versões metal de músicas pop dos anos 1980, em lista da Metal Hammer

imagemAnitta é a maior roqueira que existe hoje no Brasil, diz integrante do Titãs

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemEdu Falaschi comenta produção "nível banda europeia" da nova turnê e agradece fãs

imagemMax e Iggor Cavalera: setlists, fotos e vídeos de shows na Audio, em São Paulo

imagemJoão Gordo relembra proposta de fazer propaganda de calmante com Dado Dolabella

imagemNando Reis e a linda música que Samuel Rosa dispensou por ter recebido na hora errada

imagemA reação de Jimi Hendrix ao assistir King Crimson ao vivo

imagemSincero, vocalista do Anvil diz que é feliz com o tamanho da banda

imagemAmy Lee escolhe a melhor música do Evanescence para apresentar a banda


Stamp

Twiggy: audição que flui entre mais altos do que baixos

Resenha - Twiggy - Twiggy

Por Ben Ami Scopinho
Em 24/05/09

Nota: 6

Uhnnn… E agora? Sempre que aparece por aqui um CD com uma produção espetacular, de um todo reluzente digipack e com uma menina fantasiada de rock´n´roller estampada na capa, confesso que me percorre um longo calafrio. Não é preconceito (ou será?), mas temor de que o disquinho possa ser mais uma destas armações que se vê com tanta freqüência por aí.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Bom, Twiggy é o nome artístico da paulista Letícia, com meros 17 anos e já cantando há uma década, inclusive vencendo um programa de jovens talentos do Raul Gil em 2005 – ok, esta referência não ajuda muito aqui no Whiplash!, certo? – e tendo nos últimos tempos gravado faixas especialmente para trilhas de novelas – e, caramba, esta informação somente piora todo o quadro...!

O fato é que a garota está liberando seu primeiro álbum completo, simplesmente batizado como "Twiggy". E, para dar maior credibilidade a um dito disco de rock, este debut foi gravado com os três músicos do grupo Dr. Sin, e até mesmo Andréas Kisser (?), do Sepultura, dá as caras por aqui. Ou seja, a execução instrumental é irrepreensível e o desempenho da cantora também se mostra bastante satisfatório em suas releituras.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Twiggy, com seu timbre um tanto quanto peculiar, interpreta canções de Erasmo Carlos, Rita Lee, Leoni, Cazuza e Barão Vermelho. Outras canções foram compostas por terceiros, inclusive pelos solícitos irmãos Busic, e entregues especialmente à voz da cantora. Ponto positivo vai para sua atuação na belíssima "Quando deixei o meu lugar" e "O nosso amor a gente inventa" (Cazuza), e muito negativo para a avacalhação que ficou "Pense e dance", do Barão Vermelho.

E, entre um roquinho legal aqui, ocasiões soporíferas ali e um flerte com o brega acolá, a audição vai fluindo entre mais altos do que baixos. Apesar de o repertório ser orientado a um público realmente específico, é certo que "Twiggy" possui seus momentos e os atributos necessários para atrair as atenções daquele não muito exigente pessoal que curte rock pop. Se este é você, dê uma conferida.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Twiggy – Twiggy
(2009 / Discobertas – nacional)

01. Olho do furacão
02. É hora de acordar
03. Quando deixei o meu lugar
04. Sinais
05. Ovelha negra
06. Adeus
07. Pense e dance
08. You stole my heart
09. Diga não
10. Pra onde eu vou
11. Vamos tirar
12. Escorregadia
13. O nosso amor a gente inventa (bônus)
14. Piggies (bônus com Andreas Kisser)

Homepage: www.twiggy.com.br

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Dream Theater 2022


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gênero

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre

Mais matérias de Ben Ami Scopinho.