5 Star Grave: repertório vigoroso, moderníssimo, peçonhento

Resenha - Corpse Breed Syndrome - 5 Star Grave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Rapaz! Mas que diabos é isso?!? O embrião desta banda começou a tomar forma no underground da Itália de 1996 sob o nome Uziel e posteriormente Ground Zero, que inclusive liberou em 2006 um EP com três faixas intitulado “The Zero Hour”, até se chegar à bem sacada denominação (aparentemente) definitiva 5 Star Grave.
5000 acessosManowar: o dia em que a banda arregou pro Twisted Sister5000 acessosTotal Guitar: os melhores e piores covers da história

Tendo como apoio atrizes pornôs mundialmente conhecidas como Silvia Saint e Anita Dark (as meninas estão sempre fazendo pose para as câmeras vestindo a camisa do conjunto), os italianos estão estreando em disco com este espetacular “Corpse Breed Syndrome”, dono de um rock´n´roll tão alucinante que se mostra praticamente irrotulável.

Esqueça as tendências musicais pela qual o rock pesado vem passando nos últimos anos. “Corpse Breed Syndrome” abraça com muita propriedade as mais diversas influências para moldar seu som, fundindo Rock´n´Roll, Heavy Metal, Hard Rock e muita atitude punk, gerando um repertório vigoroso, moderníssimo e peçonhento, com uma energia difícil de ver por aí.

Além de muita distorção nas guitarras, o grupo não dispensa os teclados, que atuam o tempo todo temperando as canções com certo clima melancólico e, para apimentar ainda mais essa pizza italiana, Claudio Ravinale canta (e também grita bastante!) de forma muito agressiva, remetendo parcialmente a Alex Laiho (Children Of Bodom), inclusive mostrando também algumas vozes de fundo muito insanas.

O 5 Star Grave se apresenta politicamente incorreto – e orgulhoso disso! – e é a mais interessante das bandas italianas que escutei nos últimos anos. E lamentavelmente o mercado europeu parece não ter prestado a devida atenção à banda, pois “Corpse Breed Syndrome” é um trabalho independente que tem tudo para atingir o público mainstream. Confira sem perda de tempo!

Formação:
Claudio Ravinale - voz
Thierry Bertone - guitarra
Alessandro Blengino - guitarra
Andrea Minolfi - baixo e voz
Hervè De Zulian - teclados
Gabriele Lingua - bateria

5 Star Grave - Corpse Breed Syndrome
(2008 / independente – importado)

01. Ain't That Saint
02. In Bed With The Dead
03. Slightly Slutty Behaviour
04. Cut You Out
05. Core Dead
06. Miracle Man
07. Back To The Morgue
08. Triple-X Ride
09. Backstabber
10. Crown Of Worms
11. Violands

Homepage: www.5stargrave.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "5 Star Grave"

ManowarManowar
O dia em que a banda arregou pro Twisted Sister

Total GuitarTotal Guitar
Os melhores e piores covers da história

Capas de álbunsCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história

5000 acessosOzzy Osbourne: Madman dá a cura para a ressaca5000 acessosManowar: A vida real e nada épica dos Reis do Metal?5000 acessosFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança5000 acessosTarja Turunen: covers de Slipknot e Rammstein no Wacken5000 acessosMetallica: banda faz maior show de metal da história da Suécia5000 acessosRefrãos: alguns dos mais marcantes do Rock/Metal

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online