5 Star Grave: repertório vigoroso, moderníssimo, peçonhento

Resenha - Corpse Breed Syndrome - 5 Star Grave

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 10


Rapaz! Mas que diabos é isso?!? O embrião desta banda começou a tomar forma no underground da Itália de 1996 sob o nome Uziel e posteriormente Ground Zero, que inclusive liberou em 2006 um EP com três faixas intitulado "The Zero Hour", até se chegar à bem sacada denominação (aparentemente) definitiva 5 Star Grave.

Metallica: integrantes escolhem álbuns e músicas dos anos 2000Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Tendo como apoio atrizes pornôs mundialmente conhecidas como Silvia Saint e Anita Dark (as meninas estão sempre fazendo pose para as câmeras vestindo a camisa do conjunto), os italianos estão estreando em disco com este espetacular "Corpse Breed Syndrome", dono de um rock'n'roll tão alucinante que se mostra praticamente irrotulável.

Esqueça as tendências musicais pela qual o rock pesado vem passando nos últimos anos. "Corpse Breed Syndrome" abraça com muita propriedade as mais diversas influências para moldar seu som, fundindo Rock'n'Roll, Heavy Metal, Hard Rock e muita atitude punk, gerando um repertório vigoroso, moderníssimo e peçonhento, com uma energia difícil de ver por aí.

Além de muita distorção nas guitarras, o grupo não dispensa os teclados, que atuam o tempo todo temperando as canções com certo clima melancólico e, para apimentar ainda mais essa pizza italiana, Claudio Ravinale canta (e também grita bastante!) de forma muito agressiva, remetendo parcialmente a Alex Laiho (Children Of Bodom), inclusive mostrando também algumas vozes de fundo muito insanas.

O 5 Star Grave se apresenta politicamente incorreto - e orgulhoso disso! - e é a mais interessante das bandas italianas que escutei nos últimos anos. E lamentavelmente o mercado europeu parece não ter prestado a devida atenção à banda, pois "Corpse Breed Syndrome" é um trabalho independente que tem tudo para atingir o público mainstream. Confira sem perda de tempo!

Formação:
Claudio Ravinale - voz
Thierry Bertone - guitarra
Alessandro Blengino - guitarra
Andrea Minolfi - baixo e voz
Hervè De Zulian - teclados
Gabriele Lingua - bateria

5 Star Grave - Corpse Breed Syndrome
(2008 / independente - importado)

01. Ain't That Saint
02. In Bed With The Dead
03. Slightly Slutty Behaviour
04. Cut You Out
05. Core Dead
06. Miracle Man
07. Back To The Morgue
08. Triple-X Ride
09. Backstabber
10. Crown Of Worms
11. Violands

Homepage: www.5stargrave.com



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "5 Star Grave"


Metallica: integrantes escolhem álbuns e músicas dos anos 2000Metallica
Integrantes escolhem álbuns e músicas dos anos 2000

Slipknot: Corey explica as nojentas desvantagens das máscarasSlipknot
Corey explica as nojentas desvantagens das máscaras

Motorhead: Lemmy conta seu segredo com as mulheresMotorhead
Lemmy conta seu segredo com as mulheres

Guitarra: o riff mais popular de todos os temposGuitarra
O riff mais popular de todos os tempos

Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Music Radar: os maiores tecladistas de todos os temposMusic Radar
Os maiores tecladistas de todos os tempos

Legião Urbana: Eduardo e Mônica, uma análise psico-neuróticaLegião Urbana
Eduardo e Mônica, uma análise psico-neurótica


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.